Nossos Vídeos

quinta-feira, 18 de março de 2010

Desenho Universal na habitação popular é tema de livro lançado hoje em seminário internacional

Foto: Secretário Estadual da Habitação Lair Krähenbühl durante lançamento do livro sobre Desenho Universal na quinta-feira, 18. Sentados (da esq. para dir.): Danilo Piaggesi, diretor executivo da Fundação Rosseli Américas; Marcos Belizário, secretário Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida; Linamara Rizzo Battistella, secretária Estadual Direitos da Pessoa com Deficiência; ministro Marco Marsilli, cônsul geral da Itália em São Paulo e Axel Leblois, diretor executivo da G3ict (Iniciativa Global por Tecnologias Inclusivas). CRÉDITO: Clóvis Deangelo

Desenho Universal na habitação popular é tema de livro lançado hoje em seminário internacional
Publicação foi apresentada hoje na abertura de seminário internacional sobre desenvolvimento de tecnologias para inclusão de deficientes, em São Paulo
O secretário de Estado da Habitação e presidente da CDHU, Lair Krähenbühl, e a secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Rizzo Battistella, abriram hoje, dia 18, o Seminário Internacional "A Economia do Conhecimento sob a Ótica da Inclusão: Desenvolvendo Tecnologias e Inovação para Pessoas com Deficiência", no Hotel Caesar Park Business Faria Lima, em São Paulo. No evento, foi lançado o livro "Diretrizes do Desenho Universal na Habitação de Interesse Social no Estado de São Paulo", desenvolvido em parceria pelas duas secretarias. Desde o início da gestão do governador José Serra, os secretários trabalham em conjunto para promover os conceitos de acessibilidade no Estado, que é pioneiro no país a adotar o Desenho Universal na habitação.
A publicação vai orientar prefeituras, órgãos públicos, construtores, arquitetos e a comunidade acadêmica sobre a implantação dos princípios do Desenho Universal nos projetos de moradias, incluindo os espaços privativos dos imóveis e as áreas de uso público. "Todos os novos projetos da CDHU contemplam a acessibilidade. A moradia precisa atender a pessoa em todas as etapas da vida e em qualquer situação", disse o secretário Lair Krähenbühl. Na sexta-feira, 19, a Secretaria de Estado da Habitação promove uma palestra no evento sobre o tema.
A proposta do Desenho Universal é criar espaços que possam ser utilizados não somente por pessoas com deficiência, temporária ou permanente, mas também por indivíduos com estatura diferenciada, obesidade ou com mobilidade reduzida, como idosos, gestantes e crianças. "O Brasil tem mais de 24,5 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência. O Estado precisa de políticas capazes de atender essa parcela da população. Em São Paulo isso já é realidade", disse a secretária Linamara Battistella.
Participaram da abertura do seminário o secretário Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, Marcos Belizário; o cônsul geral da Itália em São Paulo, ministro Marco Marsilli,; o diretor executivo da Fundação Rosseli Américas, Danilo Piaggesi; o diretor executivo da G3ict (Iniciativa Global por Tecnologias Inclusivas), Axel Leblois e os promotores Ivan Castanheiro, coordenador da área de Habitação e Urbanismo, e Eduardo Dias de Souza Pereira, da coordenadoria de acessibilidade, do Ministério Público do Estado de São Paulo.
Diretrizes para aplicação do DU em moradias: As diretrizes para a implantação do Desenho Universal nas moradias de Interesse Social foram classificadas em três escalas: área interna das moradias; áreas comuns dos condomínios; e áreas e espaços públicos nas imediações.
A área interna do imóvel e os acessos devem apresentar dimensão adequada, conforto, segurança e bem estar. O projeto deverá prever vãos de portas e corredores com larguras adequadas, correta solução de portas, facilidade de manobra e de acesso às janelas. Também deverá ter soluções de ventilação, intercomunicação entre os ambientes, revestimentos antiderrapantes, interruptores e campainhas, metais e louças sanitárias em alturas acessíveis a todos usuários, entre outros, bem como previsão de interruptores paralelos para quartos e corredores, sinais sonoros e luminosos e área para instalação de elevadores ou plataformas.
As áreas condominiais devem atender às necessidades de todos os usuários, propiciando segurança, conforto e acessibilidade. Entre os itens previstos estão: rampas, guias rebaixadas, passeios com revestimento e elementos de apoio e declividade adequados; calçadas com largura mínima de 1,20 metros, interligação acessível entre estacionamento e áreas comuns; e previsão de sinalização, guarda-corpos e corrimão.
Para as áreas de uso público, é recomendada a criação de espaços urbanos e de lazer seguindo os conceitos do Desenho Universal. Isso inclui postes e telefones públicos instalados de forma a não obstruir a faixa de circulação e pontos de transporte público em distância confortável às pessoas com limitações de locomoção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.