Nossos Vídeos

segunda-feira, 15 de março de 2010

Tese, antítese e a síntese revisitada / Por: Paulo Skaf

Quando “O Capital”, do filósofo e economista alemão Karl Marx, chegou às livrarias, em 1867, consolidando os conceitos do socialismo, que batiam de frente com o liberalismo da Revolução Industrial em curso, criou-se a maior bipolarização ideológica, política e econômica de toda a história. A discussão dividiu o mundo, converteu-se na guerra fria, alimentou a corrida armamentista nuclear e colocou em risco a sobrevivência da humanidade. Dois conflitos mundiais, Coréia, Vietnã, Afeganistão, crash de 1929, implosão dos meios de produção das nações comunistas, queda do Muro de Berlim, crise mundial do subprime...
Resta a pergunta: que lições tirar de tamanha saga? Felizmente, há respostas. A primeira vem da extinta União Soviética, das nações signatárias do Pacto de Varsóvia e de nossa América Latina: ditadura, não! Os regimes totalitários ¾ comunistas ou capitalistas ¾, foram um desserviço, não conseguiram transformar as respectivas teses socioeconômicas em desenvolvimento e, de quebra, deixaram um legado de violência e rancor.
A segunda resposta brota das recentes memórias do comunismo: não se pode tirar do ser humano o direito à liberdade de sonhar, ser diferente, prosperar à custa de seu talento e esforço, dar conforto aos seus familiares e acumular bens resultantes de seu trabalho. Mais duas lições advêm do duro cotidiano, no século passado, dos povos do Leste Europeu, Cuba e China (que acaba de tornar-se maior exportador do mundo): o clamor e o glamour adolescente das revoluções armadas e a truculência estatal não são capazes de manter o proletariado no poder, à medida que acabam criando as castas dos tutelados e dos déspotas, reeditando as relações de suserania da Idade Média; e é impossível revogar as leis de mercado. Oferta, procura e poder de compra definem a produção e o seu valor.
O liberalismo tem-nos, igualmente, ensinado instigantes lições. A primeira delas é que não se pode manter contingentes populacionais alijados dos direitos básicos da cidadania, do consumo e do acesso a uma vida digna. A exclusão, conforme já transitou em julgado no tribunal da realidade, gera violência, dificulta o crescimento sustentado e fere a ética existencial do homem. Portanto, cabe ao capitalismo socializar os benefícios da economia de mercado.
Outro aprendizado: as crises de 29 e de 2008/2009 mostram que para cada ativo é preciso haver limites seguros para derivativos. Não é possível forjar riquezas sem lastro. É vital estruturar governança corporativa coerente com cinco elementos: controle, caixa, custos, processo e risco. É preciso administrar, responsavelmente, o fluxo de receitas e despesas, ter foco no negócio, baratear e tornar mais eficientes os processos, além de diminuir riscos. Tudo o que faltou para impedir a recente crise, uma das mais graves desde que o economista e filósofo escocês Adam Smith, em 1776, publicou “A riqueza das nações”, cunhando os princípios do liberalismo.
Felizmente, a humanidade parece estar aprendendo com esse secular exercício de tentativa e erro. Escolheu a democracia como regime político e se define, aos poucos, por um capitalismo no qual os trabalhadores devem ter mais acesso aos benefícios do capital. A tese prevalente é a de que saúde, educação, moradia segura e salubre, cultura e lazer são direitos inalienáveis de todos. Em consequência, os avanços são claros nesse processo, como demonstram a inclusão de milhões de pessoas no mercado de consumo e a recente ascensão da Classe C no Brasil.
Essa nova visão também está na chamada responsabilidade social praticada pelas empresas e instituições do Terceiro Setor. Também corrigimos, ao menos nas teses, a prática distorcida, do Leste e do Ocidente, de produzir sem preservar o meio ambiente.
Antes até de “O Capital”, Marx e o filósofo alemão Friedrich Engels redefiniram os conceitos clássicos de tese e antítese para apontar os gargalos do capitalismo à luz de sua dialética materialista. Acertaram nos diagnósticos sobre exclusão e justiça social. Erraram, conforme mostrou a História, na síntese, que, segundo eles, seria a solução da fome do mundo, por meio da revolução do proletariado e do comunismo.
A humanidade, entretanto, dá aos pensadores uma ajuda póstuma, com sua capacidade de errar e acertar. Estamos formulando uma nova síntese: a economia de mercado é o meio de a civilização globalizada ser próspera, socialmente justa, equilibrada e feliz. Tratemos, então, de viabilizar esse avanço do pensamento universal!

* Paulo Skaf é o presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.