Nossos Vídeos

segunda-feira, 27 de abril de 2020

SÉRGIO MORO: O fantasma visível desapareceu






Por: Claudia Souza


Mal passou a febre de divergências entre os internautas causada pela demissão do então Ministro Sérgio Moro, e o cenário político tenta se equilibrar depois de um tropeção na pedra da dúvida e da desconfiança.

Milhares de pessoas se manifestaram em defesa do Presidente Jair Bolsonaro e de Sérgio Moro. O lamentável episódio que desnorteou o ex-ministro foi a possibilidade de liderar um departamento de justiça em que o Presidente da República pudesse ter acesso à informações privilegiadas, não só referentes ao seu governo, como às possíveis investigações que o envolveram num atentado durante a sua campanha eleitoral, bem como aos processos judiciais em que seus filhos estão envolvidos.

Dos possíveis crimes que assombram a família Bolsonaro, o que mais preocupa o patriarca é a questão relacionada ao filho de codinome 01, Flávio Bolsonaro, que quando deputado estadual no Rio de Janeiro, teria feito um procedimento apelidado de “Rachadinha” em que os funcionários de seu gabinete tinham que devolver uma parte dos seus salários. Segundo a imprensa, o esquema era administrado por um funcionário chamado Fabrício Queirós, chefe do gabinete. Esse processo ainda encontra-se em andamento e somente o diretor da Polícia Federal e o Ministro da Justiça e da Segurança Pública poderiam ter acesso às informações das futuras ações da PF, como relatórios de investigações e futuros procedimentos, como possíveis ações de busca e apreensão, horários, etc.





Além disso, o então Ministro Sérgio Moro, conhecendo os processos da Lava-Jato, também teria acesso privilegiado a muitas informações sigilosas que dizem respeito a grande parte de parlamentares e até ministros envolvidos, como seria o caso do presidente da Câmara Rodrigo Maia (codinome Botafogo), em que a Polícia Federal teria encontrado nos sistemas da Odebrecht repasses de R$1.458.100, motivo esse que seria relevante para justificar a “antipatia” de Maia por Moro, logo no inicio de seu mandato.

Maia sabe que Moro tem conhecimento de informações privilegiadas de quando era juiz, mas não pode tomar medidas porque muitas provas que poderiam haver, já foram destruídas.

Sérgio Moro, trabalhando diretamente com o Diretor Geral da Polícia Federal da sua confiança, obteria informações sigilosas de várias pessoas envolvidas nos crimes da Lava-Jato e que circulam livremente pelos corredores do Palácio do Planalto.

Todas as tentativas de conciliações com Bolsonaro, na intenção do famoso “toma-lá, dá-cá” entre os partidos, foram rechaçadas pelo presidente devido a promessa de campanha, por isso, várias ações do presidente também foram reprovadas, por retaliação com o objetivo de medir forças para que ele se curve e faça concessões.

O famoso centrão está flertando há muito tempo com o Presidente Bolsonaro e uma das últimas investidas foi a defesa que Roberto Jefferson fez ao transmitir à imprensa denúncias de um conluio envolvendo o presidente da câmara Deputado Rodrigo Maia e do Senador Davi Alcolumbre para derrubar o presidente.

Bolsonaro assistiu e transmitiu em uma live a reportagem para que seus seguidores assistissem a fim de apoiá-lo.




A tentativa de Maia e Alcolumbre foi desmascarada publicamente e a única forma de desmentir a revelação é mantendo-se imóvel, sem tomar nenhuma medida que possa reverter num processo de impeachment. A iniciativa de derrubada de Bolsonaro, tendo como pretexto os pedidos de impeachment que já estavam protocolados antes mesmo do pedido de demissão de Moro, não teriam como objetivo afastar totalmente o presidente do poder, pois o maior medo de todos os parlamentares é que o Brasil caia nas mãos de um general como o vice Hamilton Mourão. Isso seria o fim do que eles chamam de democracia.

Sérgio Moro facilitou aos envolvidos no escândalo da Lava Jato, a obtenção de tempo para que sejam realizadas as mudanças favoráveis para uma neutralização dos processos com o apoio do aparato judicial que está dividido agora entre o Ministério da Justiça e o STF com peças chaves encarregadas da tarefa e as votações de seus processos que levam décadas para serem julgados.


PEDIDOS DE IMPEACHMENT CONTRA BOLSONARO


São 28 pedidos de impeachment protocolados e que estão na mesa do Presidente da Câmara Rodrigo Maia aguardando a abertura de um processo.

Bolsonaro se elegeu com a pauta dos bons costumes, valores cristãos e combate à corrupção, motivo principal que fez com que ele se aproximasse de Sérgio Moro que era um “Selo de Qualidade” para estabelecer credibilidade à equipe presidencial. Dentro desse discurso apoteótico de cidadão glorioso e honesto, o que é raro dentro da política, Bolsonaro fortaleceu a opinião pública positiva, agregando a si os inúmeros seguidores e admiradores da figura heróica do combatente da lei Sérgio Moro, e de apoiadores militaristas, o que não foi difícil convencer à todos, afinal, os arquétipos heróicos dos brasileiros, são os desenhos animados que costumamos assistir por décadas como Batman e Robin, Vespa e Homem Formiga, Arqueiro Verde e Lanterna Verde, etc., enfim, “todo herói tem um parceiro”... Assim, Jair Bolsonaro havia encontrado na figura de Moro, o parceiro ideal para combater a insegurança e a injustiça tão disseminada pelas crises políticas e uma cicatriz aberta nos corações brasileiros.

Tal atitude estremeceu a Banda podre do governo que estava com “culpa no cartório” e imediatamente iniciou-se um forte trabalho de desconstrução da imagem de Sérgio Moro e também do presidente da República.

Denúncias de que Moro havia cometido irregularidades durante as investigações da Lava-Jato, com aqueles ataques de hackers aos celulares e também as fortes denúncias de crimes cometidos pelos filhos de Bolsonaro, com o objetivo de atingi-lo; revelações, que ainda não tinham sido ventiladas e que estariam bem escondidas debaixo dos tapetes. O fato é que foram encontradas evidências que ainda estão sendo investigadas e enquanto isso, os boatos disseminam todo tipo de suspeitas e descréditos na veracidade de depoimentos e argumentações.

O Presidente Bolsonaro, não poderia imaginar que nesse pequeno percurso de pouco mais de um ano de governo, tantas novidades podres poderiam emergir das profundezas do inferno para desequilibrar o seu governo e contaminar as peças chaves do seu ministério. O instinto paterno demonstrou-se maior que o patriótico e o Brasil parece estar acima de tudo, desde que seja fora de seu ambiente familiar.

As pressões para a retirada de poder do seu coadjuvante justiceiro seguiram de vento em popa: COAF, Divisão do departamento e por fim, a tentativa de nomear um Diretor da Polícia Federal, com mais confiança do presidente do que de Sérgio Moro.

Sérgio Moro há tempos já vinha sentindo não só as demonstrações de ataque de Rodrigo Maia, como também dos filhos de Bolsonaro. Percebeu também que as peças do jogo estavam se movimentando para um caminho que inevitavelmente o levaria a contribuir com irregularidades com as quais ele sempre combateu.

Mesmo que isento de responsabilidade de futuros vazamentos de informações da Polícia Federal, o amanhã não o isentaria de admitir que desconheceria trâmites pouco ortodoxos do presidente em defesa de sua prole.

Sérgio Moro tomou a decisão na hora certa, antes que respingasse no seu futuro a saliva amarga de declarações mentirosas. Perdeu muito, pois cometeu o grave erro de confiar em declarações verbais, públicas e noticiosas que saíram da boca de um político. Foi muito inocente se acreditou na politicalha do presidente, que daria sim, todos os instrumentos com carta branca, desde que Moro fosse seu governado. Quando Sérgio Moro abriu mão do cargo de Ministro, provou que veio para servir ao Brasil e não ao presidente.

Todos passaram o final de semana, esperando que a Rede Globo fosse trazer novas provas do celular de Sérgio Moro ou que ele fosse se autopromover na emissora, mas o agora advogado e ex-ministro e juiz se manteve discreto.

Já no início da semana, na segunda-feira 27/4, o cenário político trouxe novas revelações. Todos ficaram ansiosos para saber qual o desfecho, os nomes dos indicados e como os políticos se comportariam.

A mesa de Rodrigo Maia amanheceu com mais pedidos de impeachment protocolados, e ao dar a sua entrevista, demonstrou uma certa compreensão da situação, mas nenhum tipo de imediatismo para uma tomada de decisão. Promoveu a pauta de retomada do governo pós pandemia e segundo a imprensa, se dispôs a analisar apenas 1 pedido, que provavelmente ficará como uma carta na sua manga, seguindo a mesma estratégia do seu antecessor Eduardo Cunha, quando separou apenas uma denúncia contra a ex-presidente Dilma. Ao seu lado, bem abatido, o presidente Bolsonaro parecia conformado com o seu destino de ter que voltar mais uma vez atrás em sua palavra e repensar a impossibilidade da política do “toma-lá, dá cá” no seu governo.

Para os políticos e influentes, existe um mérito na justiça brasileira que consiste na proposital morosidade dos processos, bom proveito de garantias de ilicitude por um longo período e, facilitação e transparência de medidas processuais e investigativas que praticamente avisam os réus quando a Polícia Federal está chegando, possibilitando toda sorte de manipulação de possíveis provas incriminatórias.

Os personagens desse texto amanheceram mais aliviados sem a presença de Sérgio Moro, pois finalmente as peças chaves que norteiam encaminhamentos de processos e informações sigilosas, agora estarão sob total controle da Presidência da República. Tal controle garantirá uma hegemonia entre os poderes. Talvez com informações privilegiadas o presidente poderá dormir em paz e quem sabe, não precisará se curvar aos lobos que tentarão aliciá-lo com pressões de toda ordem. Como ele mesmo diz: “Conheça a verdade e a verdade vos libertará”.

Fontes:


https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/ministro-do-stj-nega-suspender-investigacao-de-rachadinha-de-flavio-bolsonaro/


https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2019-04-11/pf-identifica-r-14-milhao-para-codinomes-atribuidos-a-rodrigo-e-cesar-maia.html

domingo, 26 de abril de 2020

Delegado Alexandre Ramagem pode substituir Maurício Valeixo na direção da Polícia Federal

Texto: Thiago Marcolini

Diretor da Agência Brasileira de Inteligência é cotado para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal
Delegado Alexandre Ramagem chefiou a segurança de Bolsonaro durante a campanha eleitoral. 

Deputado Marcelo Freixo diz que vai apresentar ação para impedir a nomeação.

O diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), delegado Alexandre Ramagem, é cotado para assumir o cargo de diretor-geral da Polícia Federal. Ramagem poderá substituir Maurício Valeixo, exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro na última sexta-feira (24).

Delegado da Polícia Federal, Alexandre Ramagem comandou as divisões de Administração de Recursos Humanos e de Estudos, Legislações e Pareceres da corporação. Em 2018, foi chefe de segurança do presidente Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral, após o então candidato à Presidência sofrer uma facada em Juiz de Fora (MG).

Neste sábado, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), afirmou que vai apresentar uma ação judicial para impedir que Alexandre Ramagem assuma o posto de diretor-geral da Polícia Federal. Nas redes sociais, Freixo disse que Bolsonaro quer transformar a PF em uma polícia política.

Ao anunciar o pedido de demissão, após a confirmação da exoneração do então diretor-geral da PF Maurício Valeixo, o ex-ministro Sergio Moro afirmou que o presidente Jair Bolsonaro estava tentando interferir politicamente na Polícia Federal.

Em resposta, Bolsonaro ressaltou que tem prerrogativa de indicar o nome do diretor-geral e que não pediu para acessar investigações nem proteção de pessoas.

quinta-feira, 23 de abril de 2020

Shopping Penha arrecada alimentos durante a quarentena

Shopping Penha monta drive thru de arrecadação de alimentos e kits de higiene



Campanha Juntos e Empenhados busca 
ajudar famílias moradoras da Penha


Em meio a pandemia do coronavírus e o isolamento social, muitas são as dificuldades encontradas pelas famílias em situação de vulnerabilidade. Preocupados com o abastecimento dessas pessoas, o Shopping Penha, em parceria com a Subprefeitura da região traz a campanha Juntos e Empenhados, com o objetivo de arrecadar cestas básicas, kits de higiene e alimentos não-perecíveis.

Para participar, basta levar a sua doação ao posto de arrecadação montado no estacionamento do empreendimento, piso G2, próximo ao acesso do supermercado Sonda, no período das 14h às 17h, de segunda a sexta-feira. As entregas serão feitas no sistema drive thru, sem que os clientes precisem sair do carro, evitando o contato físico e as aglomerações.

Todos os alimentos e produtos arrecadados serão destinados a Sociedade de Amigos de Engenheiro Goulart – SAEG do bairro Cangaíba.



Serviço
Alimentos arrecadados:
cestas básicas, kits de higiene e alimentos não-perecíveis
Local do Drive Thru: Estacionamento piso G2, ao lado do acesso ao supermercado Sonda
Período: Segunda a Sexta-feira, das 14h às 17h
Endereço: Rua Dr. João Ribeiro, 304 – Penha – São Paulo - SP
Informações: (11) 2095-8237 – www.shoppingpenha.com.br

terça-feira, 21 de abril de 2020

CORONAVÍRUS: Gasolina despenca 5,96% no país na primeira quinzena de abril


Com isolamento social, gasolina despenca 5,96% no país na primeira quinzena de abril

Conforme levantamento da ValeCard, Paraná (-11,82%), Distrito Federal (-10,43%), Mato Grosso (-8,46) foram os estados que registraram maiores quedas


O preço médio da gasolina comum no Brasil caiu 5,96%, em média, na primeira quinzena de abril em comparação com o valor registrado no mês de março. Conforme levantamento da ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas, na comparação com a primeira quinzena do mês anterior, a queda nos primeiros 15 dias de abril foi ainda maior: 7,07%.

A expressiva redução no preço do combustível é resultado de sucessivas diminuições do valor nas refinarias da Petrobras – desde janeiro, o valor do combustível já caiu 48% – e também reflete a queda no consumo registrada após o começo da pandemia do coronavírus. Nos primeiros 15 dias de abril, o preço médio do produto no país foi de R$ 4,324.

Na comparação com março, os estados que registraram maiores quedas no preço na primeira quinzena de abril foram no Paraná (-11,82%), Distrito Federal (-10,43%), Mato Grosso (-8,46%) e Piauí (-8,37%). No período de 30 dias encerrado em 15 de abril, as maiores reduções de preço foram registradas no Paraná (-13,28%), Distrito Federal (-12,75%), Espírito Santo (-10,05%) e Mato Grosso (-9,79%).

Por outro lado, na comparação com março, as menores quedas do preço na primeira quinzena de abril ocorreram no Amazonas (-2,72%) e no Acre (-3,69%). No período de 30 dias encerrado em 15 de abril, as menores reduções foram registradas no Amazonas (-3,38%) e no Acre (-3,69%). O Amapá foi o único estado onde o preço subiu, tanto no comparativo quinzenal (4,44%) como no mensal (2,03%)

Obtidos por meio do registro das transações realizadas na primeira quinzena de abril com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 20 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que Acre (R$ 4,801) e Rio de Janeiro (R$ 4,741) são os estados com o combustível mais caro. Já Paraná (R$ 3,866), Santa Catarina (R$ 3,957) e Distrito Federal (R$ 3,977) são os estados com os preços mais baratos do país.


segunda-feira, 20 de abril de 2020

Ministério da Saúde amplia para 46,2 milhões aquisição de testes


A previsão inicial era de 23,9 milhões de testes para diagnóstico da COVID-19, tanto por compra direta quanto por doação. Objetivo é aumentar a capacidade de testagem no país



O Ministério da Saúde ampliou de 23,9 milhões para 46,2 milhões a previsão de aquisição de testes, seja por compras diretas ou por meio de doações, para diagnóstico da COVID-19. Deste total, são 24,2 milhões de testes RT-PCR (biologia molecular) e 22 milhões de testes rápidos (sorologia). A iniciativa faz parte dos esforços do Ministério da Saúde na busca de novas compras no mercado nacional e internacional para ampliação da testagem do coronavírus no Brasil.

A previsão inicial era de 23,9 milhões de testes para diagnóstico da COVID-19, tanto por compra direta quanto por doação. Objetivo é aumentar a capacidade de testagem no país

O Ministério da Saúde ampliou de 23,9 milhões para 46,2 milhões a previsão de aquisição de testes, seja por compras diretas ou por meio de doações, para diagnóstico da COVID-19. Deste total, são 24,2 milhões de testes RT-PCR (biologia molecular) e 22 milhões de testes rápidos (sorologia). A iniciativa faz parte dos esforços do Ministério da Saúde na busca de novas compras no mercado nacional e internacional para ampliação da testagem do coronavírus no Brasil.

Até o momento, mais de 2 milhões de testes rápidos já foram distribuídos aos estados de todo o país. Eles foram doados pela mineradora Vale ao Ministério da Saúde para auxiliar o Brasil no enfrentamento ao coronavírus. Deste montante, 180 mil seguiu para uso em pesquisas e 247 mil para compor o estoque estratégico do Ministério da Saúde. No total, a Vale doou ao Ministério da Saúde 5 milhões de testes rápidos. Outros 5 milhões, adquiridos por bancos privados, devem ser doados à pasta.

Nesta segunda-feira (20), o Ministério da Saúde abriu edital de chamamento público para aquisição de mais 12 milhões de testes rápidos para diagnóstico da COVID-19. As propostas devem ser enviadas à pasta até às 23h59 desta quarta-feira (22/4), conforme orientações que constam no Aviso de Chamamento Público, divulgado no Diário Oficial da União (DOU).

Em relação aos testes RT-PCR (biologia molecular), o Ministério da Saúde já enviou 524.296 mil unidades aos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (LACENs) de todo o país. O quantitativo faz parte das aquisições já entregues ao Ministério da Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz (161.704), Instituto de Biologia Molecular do Paraná - IBMP (62.592) e doação da Petrobrás (300 mil).

Além disso, o Ministério da Saúde adquiriu, via Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), 10 milhões de testes RT-PCR (biologia molecular) para COVID-19. A previsão é que cerca de 500 mil testes comecem a chegar na semana próxima semana e, depois, cerca de 800 mil a cada semana.

No último domingo, chegaram ao Brasil mais 1 milhão de testes rápidos doados pela Vale e outros 300 mil testes RT-PCR doados pela Petrobras, que começarão a ser distribuídos nos próximos dias.


SARGENTO DO EXÉRCITO DESENVOLVE RESPIRADOR COM CUSTO BAIXO

Rodrigo Costa dos Santos, sargento da 59º Batalhão de Infantaria Motorizado, 
desenvolveu o aparelho que será fabricado pelas FFAA. 


Pesquisadores brasileiros, de Maceió (AL), estão produzindo respirador mecânico de baixo custo. Batizado de ‘Respiral’, o ventilador foi construído em quinze dias e tem valor estimado em R$ 3,5 mil. O preço de um respirador convencional no mercado interno é de, no mínimo, R$ 50 mil.

O projeto é coordenado pelo Exército Brasileiro e tem por objetivo suprir a demanda do equipamento nos hospitais públicos, que tende a crescer nos próximas semanas, de acordo com o Ministério da Saúde. O aparelho é fundamental para auxiliar pacientes internados com quadro de insuficiência respiratória, um dos sintomas graves da Covid-19.

O protótipo funciona a partir do ambu, uma espécie de reanimador manual que faz o aparelho gerar ventilação. O ventilador também possui sensores de fluxo de ar, de pressão e de volume. O profissional de saúde poderá configurá-lo quanto à frequência, epeep e outros parâmetros por meio de um display sensível ao toque. Essas configurações são essenciais para conferir utilidade ao aparelho, uma vez que cada caso precisa de calibragem específica do oxigênio.

De acordo com o Ministério da Defesa, a ideia partiu de um sargento do 59º Batalhão de Infantaria Motorizado. Rodrigo Costa dos Santos também é matemático e desenvolve projetos nas áreas de engenharia química e mecânica. Além do militar, fazem parte da iniciativa o professor do Instituto Federal de Alagoas, Edson Camilo, três engenheiros mecatrônicos, um programador, um médico e um engenheiro eletricista, especialista em respirador mecânico.

Dados do Ministério da Saúde apontam que o Brasil tem 65 mil respiradores, dos quais, aproximadamente, 46 mil estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Prevendo alta demanda por este equipamento, nos próximos meses, devido às internações de pacientes com Covid-19, o órgão anunciou a compra de mais 10,8 mil respiradores de empresas nacionais.

terça-feira, 14 de abril de 2020

Ministério da Saúde distribui 54 mil testes que identificam o coronavírus



Devido ao aumento dos testes que detectam o coronavírus, o registro de casos da doença no Brasil deve crescer a partir de abril. A informação foi dada por autoridades do Ministério da Saúde, em entrevista coletiva realizada no Palácio do Planalto na última semana.

Segundo o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, possivelmente há uma subnotificação de casos da Covid-19 no país, pois, até agora, não havia testes que atendessem à demanda da população.

O ministro explica que o aumento de ocorrências do coronavírus pode ocasionar queda de mortes pela doença, pois o aumento do número de óbitos está diretamente relacionado à baixa testagem da Covid-19.

“Vocês vão ver muitos casos confirmados. E isso vai fazer o quê? Se você aumenta o número de casos confirmados, você diminui a letalidade, pois a letalidade é o número de óbitos versus o número de casos confirmados. Hoje, o número de casos notificados está muito menor que o número de casos confirmados na nossa sociedade.”

Ao todo, o Ministério da Saúde distribuiu 54 mil testes que identificam o coronavírus a todos os estados do país. Os testes RTP-CR são utilizados para o diagnóstico da Covid-19 já em estágio avançado. O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério, Wanderson Oliveira, explica.

“Os laboratórios estão ganhando, cada vez mais, velocidade e capacidade de produção. Nós tivemos, no final de fevereiro, a capacitação dos profissionais de laboratório que ainda não tinham realizado os testes RTP-CR, então eles estão fazendo com mais frequência.”

Além desses, a mineradora Vale doou 5 milhões de testes rápidos para profissionais de saúde e de segurança, que já começaram a ser distribuídos por todo o Brasil.

Para mais informações, acesse: saude.gov.br/coronavírus.

sexta-feira, 10 de abril de 2020

COVID 19 DIFICULTA A SOBREVIVÊNCIA DAS EMPRESAS EM MEIO À CRISE



Quatro em cada 10 indústrias do país (41%) interromperam a produção por conta da crise causada pela pandemia de Covid-19. A maioria delas (79%) também percebeu queda no número de pedidos, segundo dados de uma sondagem feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com 734 empreendimentos de pequeno, médio e grande porte em todo o país, entre os dias 26 e 27 de março. Dificuldades essas enfrentadas pelo empresário Mário Guimarães, dono de uma fábrica de peças de vestuário, como calças jeans e casacos, em Curitiba. 

A Spaço Vagun, no mercado há mais de duas décadas, produz cerca de 25 mil unidades por mês e emprega 130 funcionários direta ou indiretamente. Seguindo recomendações das autoridades de saúde e decretos estaduais, está de portas fechadas desde março. 

“Nós estamos com a nossa fábrica totalmente parada. Veio a ordem para encerrar as produções das nossas lojas. Nós temos duas lojas grandes para pronta entrega e tivemos que fechar por causa de venda. De repente veio essa pandemia e travou tudo”, lamenta Guimarães. 

A decisão da empresa foi dar férias coletivas a todos os empregados, medida adotada por 19% das indústrias brasileiras neste momento de crise, de acordo com o levantamento da CNI. Com isso, 40 mil peças prontas que seriam comercializadas durante o inverno, período de maior procura, estão paradas no estoque. 

Além disso, Mário Guimarães aponta que muitos clientes têm procurado a empresa para devolver mercadorias, já que a Spaço Vagun também revende sua produção para comércios da região metropolitana de Curitiba. Com fábrica fechada, depósito cheio e sem compradores, manter as contas em dia é a principal preocupação do empresário – cenário que se repete em 73% das indústrias consultadas pela CNI. 

“Muitos clientes querem devolver as mercadorias. Isso vai dar um baque muito grande no caixa da empresa. No momento, nós estamos pensando em preservar o nosso quadro de pessoal”, garante ele. 

A situação, segundo o diretor de Educação e Tecnologia da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, é grave e requer que o governo federal e as entidades ligadas ao setor se unam para reduzir os impactos econômicos nesses negócios.

“O mais importante é salvar vidas. Ao mesmo tempo, a indústria tem que se ajustar a essas novas circunstâncias. Então, a CNI tem feito um conjunto de propostas para diferimento (adiamento) e parcelamento de dívidas fiscais e tributárias para dar maior oxigênio às empresas”, pontua Lucchesi. 

O adiamento temporário de pagamento de impostos (diferimento), a que se referiu Lucchesi, foi uma das medidas acatadas pela área econômica do Planalto. A ideia é aliviar o caixa das empresas e, com isso, evitar demissões em massa. Essa providência emergencial está prevista na MP 927/2020, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, e posterga o recolhimento do FGTS, pelos empregadores, dos meses de março, abril e maio, sem incidência de atualizações, multas e outros encargos.


Esforço conjunto

A CNI não é a única entidade ligada à indústria que propõe soluções para amenizar os efeitos da covid-19 e proteger quem produz e quem consome. O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), o Serviço Social da Indústria (SESI), o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e as Federações das Indústrias dos 26 estados e do DF também têm levado informação e tomado medidas para reduzir os impactos econômicos e preservar vidas por meio da campanha nacional “A indústria contra o coronavírus”. 

O SENAI, por exemplo, lançou o edital de inovação para a indústria, que investirá em projetos destinados a prevenir, diagnosticar e tratar a covid-19 e que sejam de aplicação imediata. Isso inclui, por exemplo, a recuperação de aparelhos danificados e a aquisição e a produção de materiais como álcool em gel e máscaras. O investimento disponível para empresas e startups chega a R$ 30 milhões, se somadas as duas chamadas da licitação, e cada projeto poderá captar até R$ 2 milhões.

Na área educacional, a instituição abriu 100 mil vagas gratuitas em cursos a distância voltados à indústria 4.0, com temas ligados à tecnologia. Os cursos têm carga horária de 20 horas e estarão disponíveis até junho. Para ter acesso aos cursos e às vagas, basta acessar a plataforma Mundo SENAI (link) e fazer um cadastro simples. Mais informações podem ser acessadas nas redes sociais do SENAI e das demais entidades da indústria.

terça-feira, 7 de abril de 2020

COMO RECEBER O AUXÍLIO EMERGENCIAL




Medida do governo federal tem o objetivo de ajudar as categorias de trabalho mais vulneráveis durante a crise econômica causada pelo coronavírus

Os MEIs (microempreendedores individuais), trabalhadores que não têm carteira assinada, autônomos, desempregados e contribuintes individuais da Previdência poderão se registrar para receber o auxílio emergencial de R$ 600 anunciado nesta terça-feira, 7 de abril, pelo Governo Federal. A cidade de São Paulo conta com mais de 770 mil MEIs que deverão consultar a disponibilidade do benefício.

A iniciativa tem como objetivo ajudar as categorias de trabalho mais vulneráveis em meio à crise econômica gerada pela pandemia do coronavírus. A lei federal que cria o auxílio prevê o pagamento por ao menos três meses a trabalhadores de baixa renda sem emprego formal ou com contrato intermitente inativo.

A Caixa Econômica Federal disponibilizou um site e um aplicativo para que os trabalhadores informais, autônomos e MEIs solicitem o auxílio emergencial de R$ 600. Aqueles que já recebem o Bolsa Família, ou que estão inscritos no CadÚnico - Cadastro Único, não precisam se inscrever pelo aplicativo. Para estas pessoas o pagamento será feito automaticamente.






A Caixa Econômica também disponibilizou o telefone 111 para tirar dúvidas dos trabalhadores sobre o auxílio emergencial.


Requisitos para MEIs solicitarem o auxílio

· Ser titular de pessoa jurídica MEI - Microempreendedor Individual;

· Estar inscrito no CadÚnico para Programas Sociais do Governo Federal até o último dia 20 de março;

· Cumprir o requisito de renda média (renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa, e de até 3 salários mínimos por família) até 20 de março de 2020;

· Ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social;

Para mais informações, acesse o site do Governo Federal: www.gov.br


Orientações para empreendedores

A Ade Sampa, agência vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho da Prefeitura de São Paulo, está atendendo os empreendedores da capital por meio de telefone, whatsapp e e-mail, tendo em vista que as unidades do Cate e das Subprefeituras estão fechadas.

Pelos canais de atendimento, o empreendedor consegue tirar dúvidas sobre emissão de nota fiscal e outros documentos, além de fazer a formalização do seu negócio como MEI – Microempreendedor Individual.

A Ade Sampa iniciou também uma parceria com o Banco do Povo, programa de microcrédito do Governo do Estado de São Paulo, para realizar o teleatendimento a empreendedores na divulgação da nova linha de crédito de R$ 25 milhões para micro e pequenas empresas enfrentarem os efeitos econômicos da pandemia de coronavírus. A equipe técnica orienta sobre as linhas de microcrédito, condições e processos para cadastramento do pedido de crédito. Já o Banco do Povo será responsável pelo estabelecimento das linhas, análise e concessão do crédito.


Confira todas as orientações que são oferecidas:


· Formalização do MEI - Microempreendedor Individual;
· Declaração Anual do Simples Nacional;
· Alteração de CNAE -Classificação Nacional de Atividades Econômicas;
· Cancelamento do cadastro do MEI;
· Parcelamento do DAS - Documento de Arrecadação do Simples Nacional;
· Emissão da senha Web;
· Configuração de Nota Fiscal Paulista;
· Consulta do CCM - Cadastro de Contribuintes Mobiliários, CCMEI - Certificado de Condição de Microempreendedor Individual e CNPJ
· Orientações sobre linha de crédito do Banco do Povo

Abaixo, confira os contatos dos agentes locais da Ade Sampa:

(11) 94284-6067
(11) 97148-8830
(11) 94548-9513
(11) 99335-0778
(11) 99449-1311
(11) 99708-5130

COVID 19 - Marca de Roupas "Thaís Rodrigues" doa tecido para confecção de máscaras


Marca de roupas Thaís Rodrigues doa tecido para o projeto Máscaras pela Vida que atenderá pessoas em vulnerabilidade


Expectativa é que sejam confeccionadas até 1000 máscaras


As orientações do Ministério da Saúde para o uso das máscaras no Brasil mudaram: agora, a recomendação é de que toda a população passe a utilizar máscaras simples e feitas de tecido como forma de diminuir a propagação do novo coronavírus. Com isso, a campanha Máscaras pela Vida - Guarulhos está confeccionando modelos para a distribuição gratuita e contará com a doação de tecido da marca de roupas Thaís Rodrigues para ajudar ainda mais pessoas.

Com a doação, espera-se que 1000 máscaras sejam confeccionadas. “Nós mudamos a nossa rotina, mantivemos os nossos lançamentos apenas na loja virtual, mas sentimos que poderíamos contribuir ainda mais com as medidas de contenção da Covid-19. Tecido é a nossa principal matéria-prima e agora acreditamos que ela poderá salvar vidas com esse projeto tão importante para os moradores de Guarulhos”, afirma a fundadora da marca, Thaís Rodrigues.

A campanha reforça que a principal medida contra o novo coronavírus é o isolamento social, mas caso seja necessário sair de casa, as máscaras são uma alternativa importante. As máscaras confeccionadas pelo projeto serão doadas para pessoas em vulnerabilidade social.

Dia mundial da saúde: 10 maneiras para manter a saúde mental na quarentena



O filósofo e psicanalista Fabiano de Abreu dedicou-se a buscar maneiras para ajudar as pessoas a manter o equilíbrio para uma boa saúde mental


O Dia Mundial da Saúde é celebrado anualmente em 07 de abril. Essa data coincide com o dia da criação da Organização Mundial de Saúde (OMS), no ano de 1948. O objetivo dessa celebração é despertar uma consciência mundial sobre a importância de diversos aspectos da saúde.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o líder mundial de pessoas que sofrem de ansiedade. Tendo em conta os dados fornecidos existem 18,6 milhões de brasileiros, ou seja, cerca de 10% da população convivendo com o transtorno.

O período de quarentena por pandemia de coronavírus agravou ainda mais o cenário. A incerteza do momento e as preocupações a ele relacionadas tendem a que se verifique um aumento dos níveis de estresse e ansiedade na população. Desta forma, e sendo estados mais ou menos permanentes estes podem fragilizar o sistema imunológico e debilitar o equilíbrio mental.

Se a situação da quarentena já era algo novo para nós, imagina uma quarentena da qual não vemos o seu termino? O filósofo e psicanalista Fabiano de Abreu preocupado com o excesso de pessoas que o procuram e também avaliando o comportamento das pessoas neste atual momento, dedicou-se a criar 10 maneiras para que possa se manter bem mentalmente em plena quarentena.

“ Amigos, clientes, pessoas no mercado e farmácias, muitos estão numa etapa diferente na quarentena. Hoje um dos meus amigos dono de um bar chegou a perder o controle ao falar do estado atual em que nos encontramos. ”

Após este episódio do seu amigo e de outras pessoas que Fabiano vem observando, o filósofo disse que, imediatamente buscou o que ele chama de equilíbrio para encontrar maneiras e ajudar as pessoas que estão em quarentena.

“ Precisamos buscar o equilíbrio, chamarei de equilíbrio o ponto essencial para sabermos lidar com esta quarentena. Exatamente por isso decidi elaborar esta listagem.

1 - Pense positivo - Esta é a primeira das dicas pois é primordial para as outras 9 funcionem. Tudo tem um lado positivo até nas coisas ruins que acontecem. Ser positivo é essencial para que possamos ter a mente tranquila para buscar planos e planejamentos futuros.

O caminho para uma mente positiva é ter a propriedade intelectual de buscar pensamentos que o agrade. Seja numa ação presente ou projetar ações futuras.

2 - Mantenha a sua rotina - Que tal manter a mesma rotina de horários de trabalho e buscar mecanismos para atendimento online ou organizar o seu site e rede social? É um momento também para pesquisar sobre a sua profissão e procurar outras formas para conseguir a remuneração desejada a partir de sua casa. Pode ainda organizar o seu trabalho para quando isso tudo acabar.

Busque estratégias, conhecimentos, quem sabe aquele planejamento que não colocou adiante por falta de tempo não possa ser melhor observado agora?

Interatividade - Vá além da mídia social, a claridade da tela em seu rosto e o excesso de informações pode ativar a ansiedade e atrapalhar o seu equilíbrio na quarentena.

Tente variar as atividades para a interatividade. Busque brincadeiras com a família ou com o parceiro(a). Tem quem goste de videogame ou uma boa série ou filme.

Ver documentários e ler livros contribuem para aumentar o seu conhecimento. Aprender satisfaz, ativa a dopamina, hormônio da recompensa, quando absorvemos algo de novo.

3 - Notícias e mídia social - Temos que nos manter informados, claro, mas isso não quer dizer ficar o dia inteiro lendo notícias e navegando na mídia social. Escolha os sites de notícias que sejam realmente sérios e credíveis para ficar a par dos acontecimentos. É sempre bom ler na parte da manhã pois, ler a noite pode ativar a ansiedade e preocupação atrapalhando o sono. À noite estamos mais relaxados e com a mente mais desocupada, focar na rede social e nas notícias é iniciar um longo período olhando informações que poderão trazer tristeza, ativar a ansiedade e provocar a perda ou sono tardio.

4 - Exercícios físicos - Mesmo se não tinha o costume de fazê-los, que tal tentar começar? Exercícios físicos não são apenas bons para uma boa forma e melhor saúde física mas também para uma melhor saúde mental. Os exercícios liberam o hormônio da endorfina que dá a sensação de bem-estar, alegria, conforto e bom humor.

5 - Crie metas - Não posso deixar de falar nesses hormônios da felicidade e do bem estar. Quando estão em baixa, podem levar a tristeza e posteriormente à depressão ou outras doenças que prejudicam a saúde mental. Criar metas e conquistá-las ativa o hormônio da dopamina. Quando produzida de forma equilibrada, ela também está associada ao amor, bem-estar, felicidade e ao prazer.

Crie metas a curto prazo e também a longo prazo. Seja um jardim a capinar, uma mesa a consertar, um trabalho para concluir, um livro para ler, uma série para assistir, um texto ou planos futuros. Tudo e qualquer coisa, por menor que pareça ser mas que crie como meta, estará não só ativando a dopamina mas também ocupando o seu tempo.

6 - hábitos alimentares saudáveis - Uma boa alimentação ajuda não só a ativar os hormônios da felicidade mas também vai manter a sua imunidade alta para se proteger de doenças. É sabido que o Covid-19 mata mais pessoas com imunidade baixa e a alimentação é crucial neste momento.

Que tal brincar de ser cozinheiro e distrair-se fazendo uns belos e deliciosos pratos na cozinha. Pode ser a hora também de ensinar os filhos a cozinhar.

7 - Tarefas de casa - Que tal ocupar o seu tempo organizando a casa? Aquele armário que nunca tem tempo de arrumar ou a horta que sempre quis plantar. Que tal dividir tarefas em casa e deixa-la do jeito que sempre quis. Ambientes renovados, alma renovada. Depois que bagunçar com brincadeiras em família, arrume novamente. Se tiver com preguiça, não se esqueça que arrumar casa também é um exercício físico.

8 - Organize a sua vida familiar - Aproveite este tempo para interagir mais com a família ou com o seu ou a sua parceira. Para quem tem filhos, seja mais amigo do filho, saiba mais sobre ele, aproveita e recupere todo o tempo perdido neste mundo atribulado que vivemos. Dedica-se mais à família, como eu disse no tópico 1, isso é pensar positivo em algo negativo. A quarentena é negativa mas torna-se positiva quando nos obriga a sermos melhores e mais presentes.

9 - Curta seu animalzinho - Para quem tem bichinho em casa, este é o momento de se dedicar mais a ele. Recupere toda aquela carência que ele sentia com a sua ausência anterior. Animaizinhos de estimação são ótimos também para o equilíbrio emocional. Saiba que o seu bichinho de estimação faz liberar a ocitocina, o hormônio do amor, o mesmo que liberou ao conhecer o seu parceiro(a).

10 - Alinhe-se com a natureza - Nós viemos da natureza. Por milhares de anos interagimos com ela e a usamos para nos proteger e nos alimentarmos. Sempre estivemos vinculados a ela de corpo e alma, portanto, vale a pena voltarmos a conversar com ela e buscar um pouco desta energia que está em nosso instinto. Faça um teste, observe uma árvore, folha, flor e pense o quanto ela é importante e familiar e sentirá uma boa energia como recompensa.

Cultive bons sentimentos, dê boas ideias em casa, crie harmonia, e tente praticar cada um dos tópicos que aconselho.

Essencialmente temos que focar no melhor de cada um, no melhor de cada coisa, no melhor de cada situação. Se de cada tarefa ou etapa retirarmos um pequeno percentual de felicidade teremos o que nos fazer sorrir ao final do dia

Fabiano de Abreu é membro da Mensa, associação de pessoas mais inteligentes do mundo com sede na Inglaterra conseguindo alcançar o maior QI registrado com 99 de percentil o que equivale em numeral a um QI acima de 180. Especialista em estudos da mente humana, é membro e sócio da CPAH – Centro de Pesquisas e Análises Heráclito, com sede em Portugal e unidades no Brasil e na Holanda.


Mini CV



Fabiano de Abreu - Psicanalista, filósofo e jornalista
Registro 0.0543 0 Sociedade Brasileira de Psicanálise Clínica e CBPC
Registro Intel Reseller Tecnology - Especialista em tecnologia: 10381444
Registro FENAJ: 0035228/RJ
Registro Internacional: BR16791

domingo, 5 de abril de 2020

Perfil da liderança em tempos de crise de coronavírus



* Daniela Mindlin Tessler – Sócia da Odgers Berndtson Brasil

Enquanto as empresas lutam para garantir a continuidade dos negócios durante o surto de Covid-19, uma boa liderança, mais do que nunca, é fundamental para manter os negócios avançando e emergindo fortemente diante do desafio atual.

Este é um momento em que o desempenho será julgado pela maneira como uma empresa e sua liderança servem a todos e cumprem um propósito maior - e especificamente como eles atendem aos requisitos e expectativas de seus diversos stakeholders.

Um bom líder deve utilizar os recursos que possui, encontrando maneiras criativas de apoiar as pessoas e comunidades que o cerca. Alguns comportamentos merecem destaque para esse momento de crise. Entre eles:

Trabalho em equipe e cooperação: Especialmente nos níveis que se concentram na busca e valorização da opinião dos outros. Formar uma equipe para lidar com a crise, às vezes incluindo pessoas de fora da empresa. Entender, no entanto, que uma solução a longo prazo requer a contribuição e envolvimento de muitos interessados. Compreender as posições dos outros e as razões para justificá-las, mesmo sob estresse e quando não há consenso.

Calma, coragem e positividade: Líderes devem sentir um senso de urgência e permanecerem serenos. Entregar más notícias quando eles precisam, de uma forma que evite o pânico e forneça um nível realista de esperança para o futuro. Acima de tudo, são corajosos o suficiente para tomar decisões que acreditam ser as mais adequadas, independentemente de serem as mais populares.

Admitem erros: Líderes corajosos que assumem riscos calculados irão, sem dúvida, cometer erros em algum ponto. Crises profundas como a pandemia do coronavirus que estamos passando, exigem tomada de decisão contínua. Líderes fortes estão preparados para admitir seus erros e criar soluções não experimentadas previamente e às vezes até desconhecidas.

Enxergam a realidade: Reconhecem os eventos e seu significado e não se coíbem das consequências do que veem. Integridade intelectual é um componente chave no seu DNA; eles pensam o que é melhor para a organização e para a sociedade, não para seu próprio ganho pessoal.

Múltiplas opções: Quando líderes identificam os problemas, estão dispostos a considerar várias abordagens para solucioná-los. Fazem benchmarking com outros paises e empresas e brainstorming sem julgamento, mesmo que eles tenham uma solução preferida em mente. Claramente, cada situação local é diferente, mas há oportunidades para as empresas aprenderem com outras pessoas em regiões que estão semanas à frente para responder à pandemia.

Priorização e Equilíbrio de curto e longo prazo: Empresas enfrentando um colapso em seus negócios de curto prazo, devem também se concentrar nos preparativos de longo prazo. Em vez apenas de reduzir o número de funcionários, incentivar os funcionários a usar seu tempo para atualizar sistemas internos, melhorar processos, aprimorar habilidades e projetar novos produtos e serviços para estarem melhor preparados para a recuperação.

Inteligência emocional: Nesse cenário crítico da pandemia do coronavírus, as pessoas podem ser tomadas pelo pânico, medo e ter reações exageradas, e até mesmo inapropriadas. Nesse sentido, os líderes devem ser empáticos, acalmar os ânimos e colocar a situação em perspectiva. Devem ter a capacidade de ouvir as pessoas - dentro e fora da empresa, incluindo clientes- com objetividade e compreensão

Adaptação: Nesse cenário VUCA (acrônimo inglês que significa volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade) a única certeza é a da mudança e rápida. Então os líderes precisam ser flexíveis, adaptáveis e se reinventar constantemente. De fato, em um mundo volátil e em rápida mudança, essa abordagem adaptativa das empresas e dos seus líderes deve ser aplicada mais amplamente, além do gerenciamento de crises.

Crucial será as empresas acelerarem seus esforços de transformação digital existentes e capacitar a liderança em competências digitais, incluindo gestão de equipes remotas com eficácia e alto desempenho.

No mundo dos negócios, os KPIs de curto prazo costumam ser a força motriz da tomada de decisões. A produtividade, por exemplo, tem uma tendência de ofuscar muitos outros aspectos importantes dos negócios. Com a desaceleração forçada que a crise do coronavírus trouxe ao mundo dos negócios, os líderes devem reservar um tempo para refletir não apenas sobre os negócios que você faz, mas como eles são realizados. Fazer a si mesmo perguntas como seus processos podem ser fortalecidos ou se é hora de avaliar um novo modelo de negócios. Reavaliar como as coisas estão sendo feitas. Pensar além do curto prazo e tentar coisas novas. Ter visão estratégica.

A crise da pandemia do coronavírus não foi a primeira do gênero. E certamente não será a última que líderes de negócios enfrentarão. Se os líderes não possuem políticas em suas empresas para reagir com eficiência dessa vez, devem começar a antecipar possíveis cenários futuros, relacionados ao COVID-19 e aos que estão por vir.

Os melhores líderes e empresas serão os capazes de transformar a tragédia de curto prazo dessa pandemia do coronavirus que prejudica suas organizações em um senso de propósito e de contribuição social que a melhora a longo prazo.”

Daniela Mindlin Tessler – Sócia da Odgers Berndtson Brasil

É formada em psicologia pela Pontifícia Universidade Católica (PUC / SP), pós-graduada em recursos humanos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV / SP) e MBA em Gestão de Negócios pela Fundação Instituto de Empresa (FIA / SP). Possui certificação em Transformação e Gestão Cultural do Barrett Values ​​Center; além de certificação em Coaching Internacional pelo ICI. Com 25 anos de experiência profissional na busca de executivos e como consultora de desenvolvimento organizacional, combinada com a visão de um executivo sênior de recursos humanos, adquiridos em empresas como Fast Shop, JP Morgan, EDS / HP e Korn Ferry, Daniela mantém um relacionamento com acionistas, conselheiros e diretores executivos no Brasil, América Latina e EUA, desenvolvidos em diversos setores e cenários corporativos, como start-up, crescimento, profissionalização, restruturação e integração em fusões e aquisições.

Sobre a Odgers Berndtson Brasil


A Odgers Berndtson, presente no Brasil desde 1999, está entre as maiores empresas de seleção de executivos de alto nível. Conta com 61 escritórios em 28 países. O escritório de São Paulo coordena as operações da Odgers Berndtson na América do Sul, e oferece soluções de gestão de capital humano que vão além desta tradicional atividade, como: Assessment Executivo, Estruturação organizacional, Coaching, Formação de Conselhos etc.

A consultoria reúne em seu time de sócios profissionais com larga experiência em diferentes segmentos do mercado, onde atuaram por anos como executivos sêniores antes de migrarem para a consultoria com foco no desenvolvimento de capital humano.

Desde o início das operações no Brasil, a Odgers já realizou mais de 2.000 projetos para aproximadamente 700 clientes e mais de 1.700 Assessments Gerenciais, auxiliando no desenvolvimento de pessoas e na estruturação de negócios nos mais diversos segmentos.

sábado, 4 de abril de 2020

HU da UFSCar tem vagas para médicos em concurso realizado pela Ebserh



Vagas são para profissionais das especialidades Medicina de Emergência, Anestesiologia, Clínica Médica e Medicina Intensiva; inscrições vão até 6 de abril




Três dias depois de publicar edital de processo seletivo supersimplificado, realizado em caráter emergencial, para cadastro reserva, podendo convocar aproximadamente 6 mil profissionais para atuarem temporariamente no enfrentamento à Covid-19 nos hospitais universitários que fazem parte da Rede Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares), a entidade, vinculada ao Ministério da Educação (MEC), já conta com mais de 120 mil inscritos. Mas o número de inscritos para as especialidades Medicina de Emergência, Anestesiologia, Clínica Médica e Medicina Intensiva ainda não atende a necessidade de todos os Hospitais Universitários ligados à Ebserh, inclusive o Hospital Universitário (HU) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). "Serão, aproximadamente, 900 vagas para essas especialidades, mas, até o momento, a procura tem sido baixa e sabemos que a contratação desses profissionais também será imprescindível para garantir o atendimento ao maior número possível de pacientes com Covid-19", explicou o Diretor de Gestão de Pessoas da empresa, Rodrigo Barbosa.

Até o dia 15 de abril, uma parte dos profissionais já estará contratada e trabalhando nos HUs. Os profissionais selecionados poderão ser convocados para atuar no hospital de sua escolha no momento da inscrição, de acordo com a necessidade de cada unidade. O processo seletivo tem como objetivo suprir a Rede Ebserh com profissionais que atuarão na linha de frente de combate à Covid-19 e para reposição de trabalhadores que, por ventura, venham a se ausentar, por conta da doença. Essa seleção é de caráter urgente e temporária, apenas enquanto durar o estado de calamidade decretado pelo Governo, não impactando os concursos públicos em andamento, que continuam seguindo seus trâmites normais.

De acordo com o Diretor, recém-formados também poderão participar, já que há vagas para o cargo de médico sem especialização. Além dos salários, os profissionais contratados receberão todos os benefícios concedidos aos funcionários efetivos, como auxilio alimentação e auxilio transporte. E farão jus ao adicional de insalubridade, que será pago de acordo com o que prevê a CLT.
Apesar de estar com dois concursos em andamento, com início de contratação prevista para maio deste ano, a Ebserh precisou recorrer a mais uma modalidade de contratação para atender às imediatas demandas no combate à Covid-19. "A possibilidade de antecipar os concursos em andamento foi amplamente estudada, mas trâmites e prazos legais precisam ser cumpridos, o que impossibilitou a antecipação de etapas. Ainda que o processo esteja sendo movido pela urgência, temos tido a necessária preocupação com a transparência, de modo que a empresa tenha à sua disposição os profissionais necessários para o enfrentamento dessa grave crise", declarou Barbosa.
A seleção será por meio de análise curricular e avaliação de títulos e experiência profissional. Os interessados podem se inscrever até a próxima segunda-feira, 6 de abril, neste link https://www.institutoaocp.org.br/concurso.jsp?id=260, onde deverão ler o edital normativo, informar os dados pessoais, fazer upload dos documentos obrigatórios e escolher o hospital em que preferem atuar, caso sejam convocados. O resultado da seleção será divulgado na quarta-feira, 8 de abril.
O HU da UFSCar é administrado pela Ebserh e deverá receber profissionais de acordo com a necessidade da unidade, da mesma forma que os demais hospitais da rede.

Atuação da Rede Ebserh

Desde os primeiros anúncios sobre o Covid-19, a Rede Ebserh trabalha em parceria direta com os ministérios da Saúde e da Educação, com participação nos Centros de Operações de Emergência (COE) desses órgãos, e tendo como diretrizes o monitoramento da situação no País e em suas 40 unidades hospitalares. Também tem atuado na realização de treinamento de funcionários da Rede, promoção de webaulas, definição de fluxos e instituição de câmaras técnicas de discussões com especialistas.

Em algumas regiões, as unidades da Rede Ebserh servem como hospitais de referência ao enfrentamento do Covid-19, enquanto em outras, atuam como retaguarda em atendimentos assistenciais para a população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Governo libera R$ 14,3 bilhões de incremento ao orçamento da saúde para o Coronavírus



Medida Provisória que destina verba adicional para as ações de enfrentamento à doença foi publicada nesta quinta-feira (3), no Diário Oficial da União

O Governo do Brasil destinou mais R$ 9,4 bilhões para fortalecer a rede pública de saúde no enfrentamento ao coronavírus (Covid-19). A Medida Provisória que autoriza a utilização dos recursos pelo Ministério da Saúde foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União na noite desta quinta-feira (3). Agora, já são R$ 14,3 bilhões de incremento ao orçamento da saúde destinados exclusivamente para o combate à doença – em março, o presidente da República, Jair Bolsonaro, havia editado outra Medida Provisória, que concedia R$ 5 bilhões.

Os recursos já têm destinação certa. Serão usados na aquisição de novos testes de diagnóstico de coronavírus (RT-PCR e testes rápidos), de medicamentos (oseltamivir) e de equipamentos para a rede hospitalar, como monitores de sinais vitais e ventiladores pulmonares, usados principalmente no tratamento de casos graves com dificuldades respiratórias. Além disso, será possível ampliar os recursos destinados à manutenção de leitos de UTI e de enfermaria, bem como a construção do Centro Hospitalar de Atenção e Apoio às Pesquisas Clínicas para Pacientes Graves, da Fiocruz, no Rio de Janeiro (RJ).

Ainda com estes recursos será possível custear as bolsas pagas a supervisores e estudantes do 5º e 6º ano dos cursos de medicina e do último ano dos cursos de Enfermagem, Fisioterapia e Farmácia que atuarão no enfrentamento ao coronavírus no Brasil. A ação “O Brasil conta comigo” prevê o pagamento de uma bolsa de acordo com a carga horária do estágio supervisionado – de 40h ou 20h.

Diante da emergência em saúde pública devido à pandemia de coronavírus, o Ministério da Saúde já havia destinado cerca de R$ 1 bilhão para todos os estados e municípios do país. Estes recursos puderam ser utilizados em ações de assistência à população, inclusive, para abertura de novos leitos ou custeio daqueles já existentes. A distribuição dos valores foi proporcional ao número de habitantes de cada estado. Primeiro, foram enviados R$ 424 milhões para todos os estados e, posteriormente, R$ 600 milhões para todos os municípios.

Prefeitura de São Paulo busca soluções tecnológicas de startups para combater os efeitos negativos do coronavírus na economia da capital

Programa destinará R$ 1 milhão para projetos que combatam aos efeitos econômicos da crise


A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, lançou nesta quinta-feira, 2 de abril uma iniciativa para apoiar startups que estão produzindo soluções tecnológicas imediatamente aplicáveis no combate aos efeitos econômicos do coronavírus.

Serão selecionados 10 projetos de empresas da capital paulista e cada um receberá o valor de R$ 100 mil, além de um processo de mentoria de dois meses. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas entre 2 e 11 de abril pelo site www.adesampa.com.br/solucoescorona. Entre 12 e 18 de abril uma banca avaliará os projetos e selecionará as startups que iniciarão a aceleração em 28 de abril.

“O prefeito Bruno Covas nos pediu para acionar o setor produtivo para apresentar soluções que apoiem a Secretaria no combate aos efeitos da pandemia sobre os negócios e a economia. Podem participar as startups paulistanas que utilizem tecnologias inovadoras e que as soluções ajudem a administração municipal a enfrentar as consequências humanas e econômicas do coronavírus”, declara a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso. “Acreditamos na capacidade do empreendedor paulistano em desenvolver soluções em momentos de crise. Projetos da capital podem ajudar São Paulo, mas também o Brasil e servir de exemplo para o mundo”, completa.

A iniciativa, que será realizada pela Ade Sampa, agência vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, dará suporte à rápida implementação de soluções e na estruturação de um modelo de negócio que reduza os impactos econômicos da crise, garantindo a preservação de empregos no município e a geração de renda da população.

A expectativa é atrair soluções que ajudem no enfrentamos da crise, mas também na fase pós-pandemia tendo em vista que os impactos da desaceleração econômica deverão ser sentidos nos próximos meses. Projetos inovadores que ajudem na gestão econômica e financeira de empresas são algumas das soluções que poderão ser propostas.

Para participar a startup precisa estar em estágio intermediário ou avançado no seu processo produtivo, com mínimo produto viável definido e testado junto ao público alvo e mercado, apresentando resultados que justifiquem o apoio aos negócios e à participação a um ciclo de mentorias para, de fato, apoiar a sociedade na luta contra os efeitos da covid-19.

“Com o aumento dos casos de contaminação do coronavírus previstos para abril, a estimativa é que, mesmo com a aceleração das startups em curso, as soluções propostas poderão ser implantadas durante a pandemia ou quando ela estiver acabando como forma de agilizar a retomada da economia”, explica o presidente da Ade Sampa, Frederico Celentano.
google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0