Nossos Vídeos

domingo, 16 de novembro de 2008

A Secretaria da Cultura preparou para o Mês da Consciência Negra, em novembro, extensa programação cultural na Capital e 17 municípios do Estado. Organizada pela Assessoria de Cultura para Gêneros e Etnias da Secretaria, a programação inclui rituais afro-brasileiros, saraus, encontro de congadas e grupos de cultura afro, exposições, exibição de documentários e um grande show na Praça da Sé, no dia 20, com Rita Ribeiro, Jussara Silveira, Teresa Cristina, Fabiana Cozza, Banda Black Rio, Paula Lima, Seu Jorge e DJs internacionais.
No interior, as 17 cidades envolvidas nas ações do Mês da Consciência Negra da SEC são Araraquara, Campinas, Caraguatatuba, Franca, Francisco Morato, Hortolândia, Itapecerica da Serra, Itapeva, Itu, Jaguariúna, Mauá, Piracicaba, Ribeirão Preto, Rio Claro, Santo André, São Caetano do Sul e Sumaré.
Para Leandro Rosa, assessor de Cultura para Gêneros e Etnias da SEC, a cada ano a Secretaria procura desenvolver uma campanha estadual que culmina com a programação cultural do Mês da Consciência Negra, e que também serve de pano de fundo para as discussões sobre a questão racial na cultura paulista. “Em 2007, realizamos uma homenagem a 20 personalidades negras históricas brasileiras, e em 2008, marco dos 120 anos de Abolição da Escravatura, desenvolvemos a campanha cultural Racismo: Se você não fala, quem vai falar”, afirma.
A campanha, que recebeu mais de 13 mil cartas, durante os 92 dias de realização, incentivou a população de São Paulo a manifestar-se sobre o tema Racismo: Se você não fala, quem vai falar por meio de folders-carta e pela internet. O resultado desta campanha será a publicação de um livro com os 120 melhores textos, a ser lançado no dia 26 de novembro, no Museu Afro Brasil.
“Queríamos apenas dar oportunidade a todos que quisessem falar de sua experiência, que quisessem escrever e ser lidos com atenção e respeito. Por isso, o livro apresenta 120 cartas entre as mais de 13 mil que recebemos. São cartas de pessoas que se consideram negras relatando episódios de discriminação e sofrimento, cartas racistas, cartas que acusam os negros de racistas, cartas de crianças, de adultos, de antropólogos e de líderes de diversos movimentos negros do Estado e do país”, antecipa o secretário de Cultura, João Sayad.
Programação Mês da Consciência Negra
Instituições culturais da SEC – Capital
Diversas instituições culturais da Secretaria da Cultura participam das comemorações do Dia da Consciência Negra.
No dia 15/11, serão realizados na Casa das Rosas e na Pinacoteca do Estado, respectivamente, o “Sarau Chama Poética, com a participação especial do poeta cubano Félix Contreras”, às 18h, e a abertura da exposição Voltaire Fraga: Abundante cidade – Dessemelhante Bahia. No Museu da Casa Brasileira será apresentado, no dia 20, às 20h, o documentário Sete dias em Burkina, dirigido pelos músicos e pesquisadores Carlinhos Antunes e Márcio Werneck. Após a exibição, haverá um bate-papo sobre o filme e a apresentação do Carlinhos Antunes Quinteto, que fará uma homenagem à cultura afro-americana com ritmos de influência negra do Brasil e de vários países da América Latina.

No Museu da Língua Portuguesa será realizado o Sarau Chama Poética: Cada Homem é uma Raça, no dia 22/11, às 15h, e a partir de 28/11, exposição de artes plásticas de 30 artistas de Cabo Verde, palestra de vários escritores, feira de livros editados em Cabo Verde e outras atividades.

As Oficinas Culturais do Estado Alfredo Volpi, Amácio Mazzaropi, Luiz Gonzaga, Oswald de Andrade, Juan Serrano e Oficina da Palavra – Casa Mário de Andrade – também terão programação especial com a exibição do documentário Dê sua idéia, debata, seguida de debate, entre os dias 25 a 27/11.
Praça da Sé

Como em 2007, o evento da Praça de Sé, é o fechamento e também o ápice de toda a discussão realizada em 2008, por meio da campanha cultural 120 Anos de Abolição – Racismo: Se você não fala, quem vai falar?
No dia 20, as festividades começam no interior da Catedral da Sé, com uma apresentação de Virgínia Rodrigues, às 10h, seguida de Missa Afro com a participação de Congadas e Moçambiques do Estado de São Paulo, às 11h. Durante todo o dia haverá intervenções literárias orquestradas por poetas do Quilombo hoje e Cadernos Negros e imagens de personalidades negras + Sky drive.
Com o fim da missa, em palco montado na Praça, os mestres de cerimônia – MC Max BO e os atores Edson Montenegro e Mafalda Pequenino – iniciam a festa chamando o show TECNOMACUMBA da cantora Rita Ribeiro, que contará com a participação das cantoras Jussara Silveira e Teresa Cristina, formando o trio “Meninas do Brasil”, para interpretar repertório de música popular brasileira.
Às 14h é a vez do rapper paulista Parteum assumir os pick-ups com os DJs ingleses POGO e Billy Biznizz, que convidam ao palco outra atração internacional, a rapper Rah Digga, dos Estados Unidos e a DJ paulista Evelyn Cristina.
Às 16h, o samba de raiz toma conta do palco com show da paulista Fabiana Cozza na Roda de Samba. Às 17h30, a Banda Black Rio homenageia os 10 anos da morte de Tim Maia. O DJ brasileiro Gran Master Ney manterá o clima animado para o show de Seu Jorge, às 20h, que traz como convidada a cantora paulista Paula Lima.
E a comemoração continua no dia 29 de novembro com o II Encontro Paulista de Hip-Hop, no Memorial da América Latina. Será um dia todo dedicado à cultura hip-hop e reafirmação do compromisso de implementar políticas públicas voltados ao segmento negro, em especial aos jovens. São articuladores da proposta o assessor especial para o hip-hop, Márcio Santos da Silva – “Tchuck” -, a curadora Ana Lúcia Silva Souza e o rapper e apresentador Rappin’ Hood.

Das 10h às 21h, serão realizadas oficinas, atividades e apresentações simultaneamente às discussões sobre o universo da cultura hip-hop: relações raciais e de gênero, violências, sobrevivências, sexualidade, mídia. O encerramento do II Encontro Paulista de Hip-Hop será às 19h com shows do DJ RM (1º lugar no DMC Brasil Championship – maior campeonato de DJ’s do mundo) e do músico, cantor e compositor Rappin’ Hood.
Dia da Consciência Negra

A data de 20 de novembro foi escolhida como o Dia da Consciência Negra por marcar a morte do maior líder da história dos negros no Brasil. Nesse dia, em 1695, Zumbi dos Palmares foi capturado por portugueses e morto após ter sido denunciado por um companheiro. Neste mesmo dia, o Quilombo dos Palmares, que chegou a abrigar mais de 30 mil negros, foi destruído.
Em 2003, a lei 10.639, sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, estabeleceu a data como parte do calendário escolar brasileiro e tornou obrigatório o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira. Na cidade de São Paulo, a lei nº 13.707, de 7 de janeiro de 2004, instituiu o feriado na capital.


Fonte: Secretaria da Cultura

*
*
*
*@* Apoio Cultural:








Gravidez na Adolescência pode ser "hereditária"

Segundo um estudo recente realizado pela Secretaria da Saúde com 428 mães atendidas na Casa do Adolescente de Pinheiros, entre agosto de 97 e julho de 2008, foi constatado que em 69,2% as grávidas tiveram avós maternas que foram mães, também na adolescência.


"As meninas, no geral, têm informações suficientes sobre métodos contraceptivos e sabem que podem engravidar caso não se protejam. Até porque em grande parte dos casos há o histórico de gravidez precoce da própria mãe. O sentimento de insegurança em relação aos parceiros e a vulnerabilidade emocional foram os principais fatores que levaram essas adolescentes a engravidar", afirma a ginecologista Albertina Duarte Takiuti, coordenadora do Programa de Saúde do Adolescente da Secretaria.
Mesmo assim, ano após ano, vem ocorrendo uma queda neste índice:

  • 1999 = 144.362 ocorrências no Estado de São Paulo


  • 2000= 136.042


  • 2001= 123.714


  • 2002= 116.368


  • 2003= 109.082


  • 2004=106.737


  • 2005= 104.984


As adolescentes grávidas de 2007 representaram 16,25% do total de partos. Esse índice foi de 16,6% no ano anterior, 16,9% em 2005, 17,0% em 2004, 17,5% em 2003 e 18,4% em 2002.
"A ocorrência de gravidez precoce está em pleno declínio no Estado de São Paulo, fruto de um programa que ressalta a informação sobre sexo seguro mas também lida com o comportamento juvenil, trabalhando as emoções, medos e inseguranças dos adolescentes que podem levá-los a um comportamento de risco", afirma o secretário da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata.


Fonte: Secretaria da Saúde
*
*
*
Publicidade:
BRINDES ESCOLARES PARA FESTAS INFANTIS
Acesse: www.kidbrinde.webnode.com.pt

Câmara Italiana discutirá a Declaração Universal dos Direitos Humanos

O Comitê Jurídico da Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio e Indústria realizará no dia 27 de novembro, em seu auditório, o Seminário em comemoração aos sessenta anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.
O evento será coordenado por Ada Pellegrini Grinover, professora titular de Direito Processual Penal da Universidade de São Paulo, que fará um seminário sobre Direitos Humanos.


História


No dia 10/12/1948 a Assembléia Geral das Nações Unidas aprovou a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Sem um único voto contra, porém com abstenção do bloco de nações soviéticas, da África do Sul e Arábia Saudita, o documento foi elogiado como a carta Magna dos Direitos Fundamentais de milhões de homens, mulheres e crianças no mundo inteiro.

O presidente da Assembléia na época, Herbert Evatt, da Austrália qualificou a decisão como o "início de uma nova era em benefício ao progresso e da paz internacionais". A declaração inclui disposições expressas contra toda e qualquer atividade que implique ou vise a eliminação física de pessoas por qualquer motivo que seja. "As convenções internacionais", acrescentou Evatt, "protegeram os direitos básicos do homem contra a pirataria, o tráfico de escravos e a exploração de mulheres e crianças. Agora estamos protegendo o mais fundamental de todos os direitos: o direito à existência de todos os grupos humanos".Entre os países que defenderam com maior vigor a declaração dos direitos do homem destacaram-se os latino-americanos, além da Grã-Bretanha e do Canadá, cujos delegados salientaram a transcendental importância que o documento tem para a humanidade.O delegado brasileiro, Austragésilo de Athayde, proclamou ser de grande importância que os direitos humanos sejam protegidos entre todos os povos por um método de justiça e segurança internacional: "Confiamos em que o projeto de declaração será o arauto de uma nova era de liberdade e de justiça".A declaração foi considerada um dos mais importantes documentos da história da ONU, de acordo com a qual a humanidade marchará para a adoção de um estilo de governo que beneficie o ser humano".


Fonte: Jornalista Responsável Fernando Galuppo
Assessor de Imprensa Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio, Indústria e Agricultura
*
*
*
Publicidade:
BRINDES ESCOLARES PARA FESTAS INFANTIS
Imas de geladeira, calendários, diplominhas
Acesse: www.kidbrinde.webnode.com.pt