Nossos Vídeos

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Governo libera R$ 14,3 bilhões de incremento ao orçamento da saúde para o Coronavírus



Medida Provisória que destina verba adicional para as ações de enfrentamento à doença foi publicada nesta quinta-feira (3), no Diário Oficial da União

O Governo do Brasil destinou mais R$ 9,4 bilhões para fortalecer a rede pública de saúde no enfrentamento ao coronavírus (Covid-19). A Medida Provisória que autoriza a utilização dos recursos pelo Ministério da Saúde foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União na noite desta quinta-feira (3). Agora, já são R$ 14,3 bilhões de incremento ao orçamento da saúde destinados exclusivamente para o combate à doença – em março, o presidente da República, Jair Bolsonaro, havia editado outra Medida Provisória, que concedia R$ 5 bilhões.

Os recursos já têm destinação certa. Serão usados na aquisição de novos testes de diagnóstico de coronavírus (RT-PCR e testes rápidos), de medicamentos (oseltamivir) e de equipamentos para a rede hospitalar, como monitores de sinais vitais e ventiladores pulmonares, usados principalmente no tratamento de casos graves com dificuldades respiratórias. Além disso, será possível ampliar os recursos destinados à manutenção de leitos de UTI e de enfermaria, bem como a construção do Centro Hospitalar de Atenção e Apoio às Pesquisas Clínicas para Pacientes Graves, da Fiocruz, no Rio de Janeiro (RJ).

Ainda com estes recursos será possível custear as bolsas pagas a supervisores e estudantes do 5º e 6º ano dos cursos de medicina e do último ano dos cursos de Enfermagem, Fisioterapia e Farmácia que atuarão no enfrentamento ao coronavírus no Brasil. A ação “O Brasil conta comigo” prevê o pagamento de uma bolsa de acordo com a carga horária do estágio supervisionado – de 40h ou 20h.

Diante da emergência em saúde pública devido à pandemia de coronavírus, o Ministério da Saúde já havia destinado cerca de R$ 1 bilhão para todos os estados e municípios do país. Estes recursos puderam ser utilizados em ações de assistência à população, inclusive, para abertura de novos leitos ou custeio daqueles já existentes. A distribuição dos valores foi proporcional ao número de habitantes de cada estado. Primeiro, foram enviados R$ 424 milhões para todos os estados e, posteriormente, R$ 600 milhões para todos os municípios.

Prefeitura de São Paulo busca soluções tecnológicas de startups para combater os efeitos negativos do coronavírus na economia da capital

Programa destinará R$ 1 milhão para projetos que combatam aos efeitos econômicos da crise


A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, lançou nesta quinta-feira, 2 de abril uma iniciativa para apoiar startups que estão produzindo soluções tecnológicas imediatamente aplicáveis no combate aos efeitos econômicos do coronavírus.

Serão selecionados 10 projetos de empresas da capital paulista e cada um receberá o valor de R$ 100 mil, além de um processo de mentoria de dois meses. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas entre 2 e 11 de abril pelo site www.adesampa.com.br/solucoescorona. Entre 12 e 18 de abril uma banca avaliará os projetos e selecionará as startups que iniciarão a aceleração em 28 de abril.

“O prefeito Bruno Covas nos pediu para acionar o setor produtivo para apresentar soluções que apoiem a Secretaria no combate aos efeitos da pandemia sobre os negócios e a economia. Podem participar as startups paulistanas que utilizem tecnologias inovadoras e que as soluções ajudem a administração municipal a enfrentar as consequências humanas e econômicas do coronavírus”, declara a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso. “Acreditamos na capacidade do empreendedor paulistano em desenvolver soluções em momentos de crise. Projetos da capital podem ajudar São Paulo, mas também o Brasil e servir de exemplo para o mundo”, completa.

A iniciativa, que será realizada pela Ade Sampa, agência vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, dará suporte à rápida implementação de soluções e na estruturação de um modelo de negócio que reduza os impactos econômicos da crise, garantindo a preservação de empregos no município e a geração de renda da população.

A expectativa é atrair soluções que ajudem no enfrentamos da crise, mas também na fase pós-pandemia tendo em vista que os impactos da desaceleração econômica deverão ser sentidos nos próximos meses. Projetos inovadores que ajudem na gestão econômica e financeira de empresas são algumas das soluções que poderão ser propostas.

Para participar a startup precisa estar em estágio intermediário ou avançado no seu processo produtivo, com mínimo produto viável definido e testado junto ao público alvo e mercado, apresentando resultados que justifiquem o apoio aos negócios e à participação a um ciclo de mentorias para, de fato, apoiar a sociedade na luta contra os efeitos da covid-19.

“Com o aumento dos casos de contaminação do coronavírus previstos para abril, a estimativa é que, mesmo com a aceleração das startups em curso, as soluções propostas poderão ser implantadas durante a pandemia ou quando ela estiver acabando como forma de agilizar a retomada da economia”, explica o presidente da Ade Sampa, Frederico Celentano.
google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0