Nossos Vídeos

segunda-feira, 20 de abril de 2020

Ministério da Saúde amplia para 46,2 milhões aquisição de testes


A previsão inicial era de 23,9 milhões de testes para diagnóstico da COVID-19, tanto por compra direta quanto por doação. Objetivo é aumentar a capacidade de testagem no país



O Ministério da Saúde ampliou de 23,9 milhões para 46,2 milhões a previsão de aquisição de testes, seja por compras diretas ou por meio de doações, para diagnóstico da COVID-19. Deste total, são 24,2 milhões de testes RT-PCR (biologia molecular) e 22 milhões de testes rápidos (sorologia). A iniciativa faz parte dos esforços do Ministério da Saúde na busca de novas compras no mercado nacional e internacional para ampliação da testagem do coronavírus no Brasil.

A previsão inicial era de 23,9 milhões de testes para diagnóstico da COVID-19, tanto por compra direta quanto por doação. Objetivo é aumentar a capacidade de testagem no país

O Ministério da Saúde ampliou de 23,9 milhões para 46,2 milhões a previsão de aquisição de testes, seja por compras diretas ou por meio de doações, para diagnóstico da COVID-19. Deste total, são 24,2 milhões de testes RT-PCR (biologia molecular) e 22 milhões de testes rápidos (sorologia). A iniciativa faz parte dos esforços do Ministério da Saúde na busca de novas compras no mercado nacional e internacional para ampliação da testagem do coronavírus no Brasil.

Até o momento, mais de 2 milhões de testes rápidos já foram distribuídos aos estados de todo o país. Eles foram doados pela mineradora Vale ao Ministério da Saúde para auxiliar o Brasil no enfrentamento ao coronavírus. Deste montante, 180 mil seguiu para uso em pesquisas e 247 mil para compor o estoque estratégico do Ministério da Saúde. No total, a Vale doou ao Ministério da Saúde 5 milhões de testes rápidos. Outros 5 milhões, adquiridos por bancos privados, devem ser doados à pasta.

Nesta segunda-feira (20), o Ministério da Saúde abriu edital de chamamento público para aquisição de mais 12 milhões de testes rápidos para diagnóstico da COVID-19. As propostas devem ser enviadas à pasta até às 23h59 desta quarta-feira (22/4), conforme orientações que constam no Aviso de Chamamento Público, divulgado no Diário Oficial da União (DOU).

Em relação aos testes RT-PCR (biologia molecular), o Ministério da Saúde já enviou 524.296 mil unidades aos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (LACENs) de todo o país. O quantitativo faz parte das aquisições já entregues ao Ministério da Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz (161.704), Instituto de Biologia Molecular do Paraná - IBMP (62.592) e doação da Petrobrás (300 mil).

Além disso, o Ministério da Saúde adquiriu, via Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), 10 milhões de testes RT-PCR (biologia molecular) para COVID-19. A previsão é que cerca de 500 mil testes comecem a chegar na semana próxima semana e, depois, cerca de 800 mil a cada semana.

No último domingo, chegaram ao Brasil mais 1 milhão de testes rápidos doados pela Vale e outros 300 mil testes RT-PCR doados pela Petrobras, que começarão a ser distribuídos nos próximos dias.


SARGENTO DO EXÉRCITO DESENVOLVE RESPIRADOR COM CUSTO BAIXO

Rodrigo Costa dos Santos, sargento da 59º Batalhão de Infantaria Motorizado, 
desenvolveu o aparelho que será fabricado pelas FFAA. 


Pesquisadores brasileiros, de Maceió (AL), estão produzindo respirador mecânico de baixo custo. Batizado de ‘Respiral’, o ventilador foi construído em quinze dias e tem valor estimado em R$ 3,5 mil. O preço de um respirador convencional no mercado interno é de, no mínimo, R$ 50 mil.

O projeto é coordenado pelo Exército Brasileiro e tem por objetivo suprir a demanda do equipamento nos hospitais públicos, que tende a crescer nos próximas semanas, de acordo com o Ministério da Saúde. O aparelho é fundamental para auxiliar pacientes internados com quadro de insuficiência respiratória, um dos sintomas graves da Covid-19.

O protótipo funciona a partir do ambu, uma espécie de reanimador manual que faz o aparelho gerar ventilação. O ventilador também possui sensores de fluxo de ar, de pressão e de volume. O profissional de saúde poderá configurá-lo quanto à frequência, epeep e outros parâmetros por meio de um display sensível ao toque. Essas configurações são essenciais para conferir utilidade ao aparelho, uma vez que cada caso precisa de calibragem específica do oxigênio.

De acordo com o Ministério da Defesa, a ideia partiu de um sargento do 59º Batalhão de Infantaria Motorizado. Rodrigo Costa dos Santos também é matemático e desenvolve projetos nas áreas de engenharia química e mecânica. Além do militar, fazem parte da iniciativa o professor do Instituto Federal de Alagoas, Edson Camilo, três engenheiros mecatrônicos, um programador, um médico e um engenheiro eletricista, especialista em respirador mecânico.

Dados do Ministério da Saúde apontam que o Brasil tem 65 mil respiradores, dos quais, aproximadamente, 46 mil estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Prevendo alta demanda por este equipamento, nos próximos meses, devido às internações de pacientes com Covid-19, o órgão anunciou a compra de mais 10,8 mil respiradores de empresas nacionais.
google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0