Nossos Vídeos

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Quando a cirurgia plástica é melhor do que a dieta (ou terapeuta)

Algumas cirurgias têm resolvido problemas psicológicos de adolescentes que sofrem preconceitos e ou problemas de saúde

Em tempos modernos, onde a cirurgia plástica é confundida com perfeição e a imagem correta promove não apenas o aumento da auto-estima, mas a inserção do indivíduo na sociedade, os adolescentes também têm seus motivos para estar nos consultórios dos cirurgiões plásticos.

As novas técnicas utilizadas em cirurgias plásticas e procedimentos estéticos estão cada vez menos invasivas e mais acessíveis ao público. Em tempos de violência, de exibição de brigas nas escolas e em sites sociais, os pais acabam concordando em fazer o possível para poupar seus filhos de constrangimentos. “Um cirurgião plástico é, antes de tudo, um profissional da saúde com acesso às diversas ferramentas que promovem o bem-estar de seus pacientes. É incorreto acreditar que um adolescente insatisfeito com alguma imperfeição estética esteja apenas supervalorizando esta situação. Não é incomum, nos consultórios, receber adolescentes com problemas reais, infelizes, retraídos e afastados de seus grupos sociais com queixas fundamentadas. Questões físicas provocam grandes traumas nos adolescentes, numa fase da vida em que eles já estão cheios de dúvidas e inseguranças’, diz Wagner Montenegro.
Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, os adolescentes são responsáveis por 13% das plásticas feitas no país. Seria leviano acreditar que este número refere-se apenas a meninos e meninas com problemas infundados de auto-imagem.

No caso dos rapazes, a cirurgia campeã é a otoplastia, que corrige orelhas de abano. Observando critérios como idade mínima e o problema apresentado, é possível resolver problemas que podem evitar traumas psicológicos ou problemas físicos na idade adulta. Apelidos na escola, na vizinhança e em seu ciclo de amigos podem causar reações violentas ou mesmo depressão, e interferir no desempenho do adolescente. A otoplastia pode ser realizada a partir dos seis anos de idade.

Outros meninos ainda passam por outro problema comum, a ginecomastia, um crescimento anormal das glândulas mamárias. Essa condição tem a possibilidade de regredir espontaneamente, passado o período da puberdade, portanto poucas vezes é indicada a cirurgia antes dos 15 anos. Mas, se o tempo não trouxer a solução, a indicação é retirar as glândulas. “Esse problema pode ocorrer, sobretudo, durante o período da puberdade e adolescência, mas também na maturidade. Pode ser corrigido por meio da remoção cirúrgica das glândulas mamárias aumentadas, por lipoaspiração ou pela combinação de ambas as técnicas”, diz o cirurgião plástico Wagner Montenegro. “Além do desconforto causado, motivo de inibição para frequentar ambientes sem camisa, como praia e piscinas, é sabido que a incidência de câncer mamário em homens com ginecomastia é maior”, completa o cirurgião.

O volume das mamas é um dos maiores incômodos das garotas. A cirurgia para redução é aconselhada para evitar e corrigir problemas de coluna e de má postura, e ainda por causa da formação de estrias, que vão surgindo com o crescimento e estiramento da pele. A partir dos 14 anos, as meninas já têm chances de resolver o problema. Com a vantagem de não precisarem sofrer com a retirada de pontos após a cirurgia, já que a pele é suturada com pontos de fio absorvível. “Uma menina com mamas gigantes, que vem de uma família cuja mãe e avó sofrem do mesmo problema, não precisa esperar até os 18 anos para decidir pela redução. A cirurgia é o único recurso para eliminar este problema e o cirurgião plástico tem a palavra final sobre esta decisão. A exigência é que a paciente esteja bem psicologicamente e tenha uma expectativa realista da cirurgia e do processo pós-operatório”, afirma Montenegro.

Outro inimigo dos adolescentes costuma ser o nariz pelo formato, tamanho ou mesmo por problemas funcionais. A rinoplastia, embora exija muita perícia e experiência, quando bem planejada para cada caso com o objetivo de trazer harmonia ao rosto, traz grandes vantagens estéticas. Mas a idade mínima de 16 anos para meninas (que se desenvolvem mais rapidamente) e 18 anos para meninos deve ser obedecida.

Mesmo correções que aparentemente não passam de caprichos, como orelhas de abano e nariz adunco, podem transformar a vida desses jovens, elevando a auto-estima e desfazendo traumas, principalmente porque o adolescente costuma passar por mudanças de ambiente – trocar de escola, entrar na faculdade – e reconstruir sua imagem.

Serviço:
Clínica Montenegro
Tel: (11) 5539-1811
www.plasticamontenegro.com.br
*
*
*
Publicidade:
(Preços e estoque por tempo limitado)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0