Nossos Vídeos

domingo, 20 de setembro de 2020

Artigo: Benefícios dos alimentos lácteos


O leite é um dos alimentos mais consumidos em todo mundo, classificado entre os 5 produtos mais comercializados, tanto em volume quanto em valor (Global Dairy Platform, 2017).
Aproximadamente 116,5 kg de leite são consumidos por cada habitante, uma quantidade que aumenta 1,2% ao ano. No Brasil, a indústria de laticínios é o segundo segmento mais importante da indústria alimentícia.

Além da importância econômica para a população mundial, o leite também é uma fonte de nutrientes ressaltada por estudos na literatura científica. Um alimento complexo que contém altas concentrações de macro e micronutrientes, o leite é classificado como uma fonte de proteína de alta qualidade e fornece contribuição significativa de cálcio, magnésio, selênio, riboflavina, vitamina B12 e ácido pantotênico.

Considerada uma das principais fontes de cálcio, recomendações dietéticas indicam o consumo de pelo menos 3 porções de laticínios por dia, incluindo o leite original. Para exemplificar o teor deste nutriente, destaca-se que em 1 copo de 200 ml de leite é possível obter 250 mg de cálcio, o que representa aproximadamente 25% do valor total diário recomendado para um adulto saudável.

Leite e os efeitos para saúde humana
Um dos principais benefícios atribuídos ao consumo regular de leite e derivados é em relação ao metabolismo ósseo. Há evidências de que a ingestão adequada de cálcio e proteína na dieta é essencial para atingir o pico de massa óssea durante o crescimento, em crianças e adolescentes, e para prevenir a perda óssea em idosos no processo de envelhecimento.

Os efeitos benéficos do consumo de produtos lácteos e sua eficácia na massa mineral óssea durante o crescimento em crianças são suportados por meta-análises de numerosos estudos clínicos. O maior ensaio clínico randomizado (RCT), realizado por Du e colaboradores (2004) com produtos lácteos, encontrou ganhos significativamente maiores em altura, peso corporal e conteúdo mineral ósseo em meninas com 10 anos em idade escolar, que receberam leite em dias letivos por período de 2 anos.

Outros benefícios podem ser explorados em relação ao consumo regular de leite e derivados. As proteínas lácteas podem ajudar no aumento da saciedade e estimular os mecanismos reguladores da ingestão de alimentos conhecidos por sinalizar as vias de fome e saciedade. Assim, é possível compreender que seu consumo, junto a um planejamento dietético equilibrado e um estilo de vida saudável, pode favorecer a regulação do peso corporal.

Consumo de leite e a qualidade do sono
Alimentos proteicos como produtos lácteos, são as principais fontes do aminoácido indutor do sono, o triptofano. Segundo um estudo recente, publicado em abril de 2020 (Muscogiuri e colaboradores), que mostrou recomendações nutricionais em período de quarentena, o consumo de lácteos no fim do dia pode ajudar a induzir o sono e contribuir com a regulação da saciedade. Esse mecanismo se dá por conta do teor de triptofano, envolvido na síntese de serotonina e melatonina, ambos favorecendo o equilíbrio e a qualidade do sono.

O recente estudo ainda destacou que os peptídeos bioativos presentes nos alimentos lácteos podem aumentar a atividade das células natural killer e reduzir o risco de infecções respiratórias, de acordo com as avaliações dos autores.

Além de todas essas vantagens nutricionais, ressalta-se que o leite é um dos produtos mais versáteis da agroindústria de alimentos. Pode ser consumido na sua forma original, e também transformado em diversos tipos de derivados, incluindo suas versões zero lactose que são indicadas para o cardápio de pessoas com intolerância ao açúcar presente na bebida.

Roberta Lara é graduada em Nutrição pela Universidade Sagrado Coração (USC - Bauru), com residência em Nutrição Clínica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP). Especializou-se e realizou seu mestrado e doutorado em Investigação Biomédica, na Área de Concentração em Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto na USP. É Pesquisadora Colaboradora do Laboratório de Genômica Nutricional (LABGEN) da UNICAMP – unidade de Limeira. É membro do Núcleo de Nutrição e Saúde Cardiovascular do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e do Comitê Científico Consultor Institucional Life Sciences Institute (ILSI).


REFERÊNCIAS

1. Muscogiuri, G. et al. Nutritional recommendations for CoVID-19 quarantine. European Journal of Clinical Nutrition (2020) 74:850–851.
2. Du X, Zhu K, Trube A, Zhang Q, Ma G, Hu X, Fraser DR, Greenfield H. School-milk intervention trial enhances growth and bone mineral accretion in Chinese girls aged 10–12 years in Beijing. Br J Nutr. 2004;92(1):159–168.
3. Rozemberg, S. et al. Effects of Dairy Products Consumption on Health: Benefits and Beliefs—A Commentary from the Belgian Bone Club and the European Society for Clinical and Economic Aspects of Osteoporosis, Osteoarthritis and Musculoskeletal Diseases. Calcif Tissue Int (2016) 98:1–17.
4. Siqueira, K. O Mercado Consumidor de Leite e Derivados. Embrapa, 2019.
5. GDP – Global Dairy Platform. Annual Review 2016. Rosemont, IL, [2017]. Disponível em:< https://www.globaldairyplatform.com/wp-content/uploads/2018/04/2016-annual-review-final.pdf>. Acesso em: 23 ago. 2020.


***


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0