Nossos Vídeos

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Rinite: como evitar as crises que vêm com o frio

De origem alérgica na absoluta maioria dos casos, a rinite está relacionada a fatores ambientais, mais frequentes nos dias frios

Basta mudar a temperatura, especialmente do calor para o frio, e o coro de espirros se faz ouvir nos ônibus, metrôs e até na pessoa que trabalha ao lado. O rosto parece congestionado e o nariz, quando não pinga como uma cachoeira, coça ao ponto de ficar vermelho de tanta irritação. É a rinite, atacando mais um inverno. Cerca de 40% da população mundial sofre da doença, que se caracteriza por uma inflamação da mucosa que reveste o interior do nariz, provocada em 90% das vezes por alergia a fatores ambientais, como poeira e ácaros.

O médico Milton Orel, otorrinolaringologista do Hospital CEMA, especialista em alergia respiratória, explica que as crises são mais frequentes no frio porque as janelas ficam mais fechadas e as roupas de lã, com pelos, que estavam guardadas há muito tempo, vão direto do armário para o corpo, levando consigo milhares de ácaros. “O frio pede cuidados redobrados para evitar não só a rinite, mas todas as doenças respiratórias de fundo alérgico”, enfatiza.

Além do aumento da poeira e dos ácaros, o frio leva às crises de rinite também porque provoca uma mudança fisiológica: o organismo tende a aumentar a circulação de sangue no nariz, para aquecer o ar, e quem sofre de rinite responde a este aumento de temperatura com congestão nasal, coriza e coceira. “A pessoa saudável não percebe, mas para quem tem rinite, esse pouquinho que o nariz dilata internamente é suficiente para piorar a sensação de congestão nasal e acentuar ou iniciar uma crise”, explica o médico.

O diagnóstico passa por testes alérgicos, para identificar os agentes que causam a rinite, e é fundamental para determinar o tipo de tratamento que será adotado. Em geral, o paciente é submetido a imunoterapia, com vacinas específicas para o seu tipo de alergia, e medicamentos para melhorar a congestão nasal. Mas todo cuidado é pouco: se não for tratada adequadamente, a rinite pode evoluir para doenças mais sérias como a sinusite (inflamação dos seios da face), bronquite e asma. “A mucosa que envolve o pulmão é a mesma do nariz, assim os mesmos agentes que causam a rinite podem atingir o pulmão”, adverte Milton Orel.

O médico aconselha manter as janelas abertas, especialmente do quarto, mesmo no frio, para aumentar a circulação do ar no ambiente; abolir cortinas, tapetes e carpetes, trocar com maior frequência fronhas e lençóis, usar travesseiro e capa de colchão antiácaros (impermeáveis) e lavar peças de lã antes de usar. Ele recomenda ainda a prática da natação, preferencialmente no mar ou em piscinas de água com pouco cloro. É preciso cuidado, entretanto, para só nadar em praias não poluídas.

O uso exagerado de soro fisiológico adquirido em farmácia também merece um alerta do médico: “Algumas pessoas acabam viciadas neste medicamento e usam quase o dia inteiro. Mesmo sendo apenas soro fisiológico, é preciso muito cuidado, porque o uso descontrolado pode lesar a flora nasal”.

SOBRE O HOSPITAL CEMA
Referência no tratamento de olhos, ouvidos, nariz e garganta, o Hospital CEMA fica na Rua do Oratório, 1.369, Mooca, onde mantém o único pronto-socorro de Oftalmologia e Otorrinolaringologia de São Paulo aberto 24 horas por dia, 7 dias na semana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.