Nossos Vídeos

terça-feira, 8 de setembro de 2020

Japan House São Paulo realiza conversas online com o educativo inspiradas em temas da cultura japonesa


Em setembro, a série "Conversas com o Educativo'' revisita as conversas mais marcantes realizadas nas redes sociais





A série “Conversas com o Educativo” acontece nas redes sociais da Japan House São Paulo, toda terça-feira às 16h, e faz parte do projeto #JHSPONLINE, que conta com programação intensa que comunica o que há de mais interessante sobre o Japão. O encontro tem o objetivo de promover a troca de conhecimentos e diálogos sobre diversos temas e assuntos relacionados a cultura nipônica, proporcionando a todos os participantes uma experiência cultural online junto aos integrantes da equipe do educativo do centro cultural, respeitando o distanciamento social.

Para o mês de setembro, o educativo revisita as conversas mais marcantes que aconteceram durante a programação iniciada em maio, trazendo a oportunidade do público rever alguns temas e assuntos apresentados, como arte, elementos e conceitos japoneses. A participação nos eventos é gratuita, livre, não sendo necessário ter visitado a Japan House São Paulo anteriormente, pois o objetivo é também integrar pessoas de diferentes localidades por intermédio dessas conversas. O link para a participação será disponibilizado no site e mídias sociais da instituição um dia antes de cada Conversas com o Educativo.

No dia 08/09 acontece a conversa “Mundos Flutuantes’’, inspirada pela exposição Japão em Sonhos, e que promete ser uma viagem pelo imaginário japonês por meio de gravuras japonesas (Ukiyo-e), apresentando um pouco do seu contexto histórico, principais representantes e o fascínio causado por elas em artistas ocidentais como, por exemplo, Van Gogh.

Já na segunda quinzena do mês, dia 15/09 acontece um encontro inédito em torno do tema ‘’Elementos da Casa Japonesa’’, com a participação do arquiteto Hayato Fujii, gerente geral dos projetos no Brasil do Kengo Kuma and Associates, para conversar sobre alguns elementos presentes nas casas japonesas e suas releituras na arquitetura contemporânea. Serão abordadas as histórias das casas e suas modificações com o passar do tempo, sendo ressignificados por arquitetos contemporâneos em seus projetos. “Mottainai: O não-desperdício e o respeito pelas coisas’’ será o tema da conversa do dia 22/09, em que será explorada a história do elemento Mottainai, que pode ser traduzido como "Não desperdiçar". Será abordada a sua história e transformação com o passar do tempo até se transformar em uma palavra símbolo dos movimentos zero waste ao redor do mundo.

O mês se encerra no dia 29/08 com a temática “Wabi-Sabi e o sentimento de impermanência”, sobre o aspecto contemplativo da passagem do tempo encontrado em muitas manifestações da cultura japonesa. A partir da concepção de Wabi-Sabi será discutida a capacidade de encontrar beleza nas coisas imperfeitas, incompletas e impermanentes.

Para participar das conversas, basta acessar o link, que será disponibilizado no site e mídias sociais da instituição um dia antes de cada atividade. Há também a possibilidade de agendamento de conversas exclusivas, em dias e horários diferentes, para escolas, universidades, empresas e outras instituições, mediante disponibilidade. Neste caso, os interessados devem enviar um e-mail para educativo@jhsp.com.br com o nome da instituição/responsável pelo grupo, dia e horário de interesse e quantidade de pessoas.

Conversa com o Educativo

Mundos Flutuantes

Data: 08/09

Horário: 16h

Link de acesso: Será disponibilizado um dia antes no site e mídias sociais da instituição.

Elementos da Casa Japonesa

Data: 15/09

Horário: 16h

Link de acesso: Será disponibilizado um dia antes no site e mídias sociais da instituição.

Mottainai: O não-desperdício e o respeito pelas coisas

Data: 22/09

Horário: 16h

Link de acesso: Será disponibilizado um dia antes no site e mídias sociais da instituição.

Wabi-Sabi e o sentimento de impermanência

Data: 29/09

Horário: 16h

Link de acesso: Será disponibilizado um dia antes no site e mídias sociais da instituição.

Sobre a Japan House São Paulo (JHSP)


A JAPAN HOUSE São Paulo é uma instituição dedicada a mostrar o melhor do Japão do século 21. Inaugurada em maio de 2017, foi a primeira a abrir as portas no mundo, seguida por Los Angeles (inauguração total em agosto/2018) e Londres (inaugurada em junho/2018). Desde sua abertura, o público brasileiro vem sendo convidado a ter uma experiência dos modos de viver do Japão contemporâneo. A JAPAN HOUSE São Paulo promove, em seus três andares, exposições, seminários, workshops e atividades que trazem ao Brasil os mais relevantes criadores e empreendedores japoneses da atualidade nas artes, no design, na moda, na gastronomia, na ciência e na tecnologia. A instituição já recebeu mais de dois milhões de visitantes.

Acompanhe a JAPAN HOUSE São Paulo nas redes sociais:  

Site: www.japanhouse.jp/saopaulo  

Facebook: www.facebook.com/JapanHouseSP/  

Instagram: @japanhousesp  

Twitter: //twitter.com/japanhousesp  

Youtube: www.youtube.com/japanhousesaopaulo  


***


Série de imagens revela a cara da Vila Buarque em São Paulo



Bia Ferrer e Priscilla Torelli realizam exposição participativa, on e off-line mostrando quem são as pessoas que vivem neste bairro paulistano.


Quando falamos um país, cidade ou bairro, o que vem primeiro à cabeça são as localizações físicas: as ruas, o comércio, os pontos turísticos e a diversão. Porém, o que faz tudo isso acontecer são as pessoas que frequentam esses locais, que moram, trabalham, além do perfil de turista que escolhe passar por ali. Em tempos de isolamento social as comunidades antes formadas nas ruas, hoje são um conglomerado de interesses, trocas e comunidades virtuais.

O projeto A Cara da Vila Buarque pretende revelar quem são as pessoas que moram no bairro, por meio de uma série de imagens enviadas pelos próprios moradores e também captadas e tratadas pela artista visual Bia Ferrer - que fotografa pessoas que circulam pelas ruas da grande metrópole. Neste projeto a artista se une à jornalista Priscilla Torelli, idealizadora do @VilaBuarque, perfil existente no Instagram desde 2016 e que congrega cerca de 6,5 mil pessoas, entre as que moram, trabalham e frequentam este bairro único da capital paulista.

A mostra de imagens com fotografias das pessoas que vivem e respiram a Vila Buarque será exibida inicialmente, de forma virtual, no perfil @acaradoslugares. E, em breve ganhará as ruas por meio de lambes e projeções em prédios do bairro.

O projeto

A intenção do A Cara da Vila Buarque é construir uma narrativa sobre a diversidade existente neste pedaço da cidade, traçando um paralelo com a cultura contemporânea. De interesse sociológico, estético e cultural, o objetivo é também construir um memorial imagético dessa parcela da população, que com idades e personalidades diversas, revelam signos culturais da época e da região. E, para colocarem em prática o projeto, elas estão fazendo a seguinte pergunta: qual é A Cara da Vila Buarque?

As pessoas participam enviando as imagens que serão tratadas e organizadas pela artista Bia Ferrer. Respeitando as orientações propostas pelo Ministério da Saúde de isolamento social, também estão sendo realizadas eventuais captações de imagens pelo bairro. O prazo final para o envio das imagens é 31 de agosto de 2020.

Sobre o bairro

Localizado na região central de São Paulo, a Vila Buarque congrega a diversidade de forma única, mesclando história e modernidade. Moradores e comércios antigos e novos convivem harmoniosamente neste pedacinho da cidade. A história da cultura e da política do Brasil também passam por este bairro, cujo nome surgiu no final do século 19. Foi na Vila Buarque que Chico Buarque conheceu Gilberto Gil. Foi também o local onde Flora Purim e Airto Moreira se apaixonaram. É ali também que está localizado o antológico Teatro Anchieta, do Sesc Consolação, e o Teatro de Arena. Quando se fala em política, a histórica Batalha da Maria Antônia não pode deixar de ser mencionada. Foi lá, em outubro de 1968, que os estudantes da USP e do Mackenzie entraram em confronto, em plena Ditadura Militar. Hoje, muito da efervescência cultural e gastronômica está na Vila Buarque, com vários artistas e personalidades circulando e o bairro também está dando lugar a novos empreendimentos imobiliários, que estão surgindo nos últimos tempos.









Bia Ferrer

Artista Visual, palestrante, educadora, fotógrafa e videomaker, Bia Ferrer transita entre produções comerciais e autorais desde 2003, ano em que recebeu o 1º lugar como Fotógrafa Revelação Brasil no concurso realizado pela Casa de Criadores - SP. Com passagens por cidades da América Latina, Europa e Estados Unidos em busca de material para suas criações. Alia arte de rua e fotografia, expondo seu trabalho em fachadas e muros das cidades, e utilizando técnicas de projeção e colagem.

Realizou exposições em NYC, Montreal e São Paulo, apresentando o projeto de fotografia urbana chamado Authentic Portrait - Cara dos Lugares, iniciado em 2008, com mais de 6 mil retratos realizados em dez países. Nos últimos três anos, foi premiada pelo Festival de Fotografia de Tiradentes, pelo Fórum Latino Americano de Fotografia, no Itaú Cultural, e ganhou o Edital de Arte de Rua da Incubadora de Artistas de Atibaia. Nos últimos dez anos, foi coordenadora do curso de fotografia da ABRA (Academia Brasileira de Artes), participou de debates e coordenou grupos de estudos sobre fotografia como arte. Seu mais recente projeto, o Insustentáveis, trouxe cor e movimento a vários espaços urbanos de São Paulo e também a paredes internas de muitas casas.



Priscilla Torelli

Jornalista e entusiasta do universo da fotografia, registra imagens pessoas pelo mundo durante suas viagens. Já esteve em 58 países e em 19 estados do território nacional.

Com passagem por diversas emissoras de TV, Priscilla é, além de uma entusiasta do universo das viagens, uma pessoa que acredita no poder e na força das comunidades.

Anfitriã do Airbnb em São Paulo desde 2012, promoveu um workshop sobre viagens no primeiro Airbnb Open, em São Francisco e, na terceira edição de 2016, em Los Angeles, foi painelista para falar sobre A Força da Comunidade. Ela começou a experimentar a economia compartilhada ainda no CouchSurfing, em 2006.

Moradora da Vila Buarque há quase 20 anos, ela fez o perfil no Instagram em 2016. Perfil este que congrega cerca de 6,5 mil pessoas atualmente.


Serviço:

@acaradoslugares - mostra permanente no Instagram
Envio de material até 31 de agosto para o e-mail acaradavilabuarque@gmail.com.


***


google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0