Nossos Vídeos

domingo, 6 de junho de 2010

Empresas suíças vêem boas perspectivas para mercado brasileiro na área hospitalar

Apesar da Copa do Mundo e das eleições, empresas suíças que atuam na área hospitalar têm boas perspectivas para o mercado brasileiro ainda neste ano. Participantes da 17ª edição da “Hospitalar 2010” (feira internacional de produtos, equipamentos, serviços e tecnologia para hospitais, laboratórios, farmácias, clínicas e consultórios), essas companhias apontam a melhora do poder aquisitivo da população como um dos fatores que justificam a empolgação.

Marcelo Soares, da SOB Schurter, que foca o mercado interno e espera crescer 18% neste ano, afirma que a ascensão das classes D e C provoca impacto nos negócios, pois há maior geração de demandas e o público passa a buscar mais qualidade. Cita ainda a elevação das exportações pelas empresas que são clientes da SOB. “Fornecemos componentes que lhes possibilitam atender normas de segurança e de qualidade exigidas”, diz. Assim, segundo ele, esses clientes estão alcançando nível de qualidade suficiente para exportações. Na feira, a empresa, que participou pela quarta vez do evento, apresentou módulos e filtros de linha para redução de ruídos – por exemplo, eletromagnéticos.

Gerente comercial da Eritel Telecomunicações, que representa a Ascom, Osvaldo Kieling também cita a melhora do poder aquisitivo da população brasileira. “O mercado nacional está evoluindo e passando a compreender que terá de fazer investimentos mais inteligentes. Não temos os equipamentos e produtos mais baratos do mercado, mas ressaltamos a necessidade de observar o valor e não o preço e entender melhor a relação entre investimento e retorno”. A expectativa da companhia, que apresentou o “teleCARE IP” (sistema de chamadas de enfermagem) na feira, é crescer 10% no Brasil em 2010.

Na “Hospitalar 2010”, a Hocoma, empresa de tecnologia médica, fechou parceria com seus cinco primeiros distribuidores no Brasil – Amazonas, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Rio de Janeiro, segundo o assessor financeiro Sérgio Fasano. O comando da empresa, que está na Suíça, ainda deve aprová-la. Ele pondera que as expectativas em relação ao mercado brasileiro estão atreladas às resoluções editadas pela ANVISA. Em um cenário positivo, a companhia estima vender entre 20 e 30 unidades do “Lokomat” (ortose dirigida para o andar). Em um cenário negativo, seis unidades. Cita a possibilidade de o Brasil se tornar a quinta economia mundial.

Arnaldo Elbers, gerente de vendas da Lemo, também afirma que “as perspectivas são boas”, apesar das eleições e da Copa do Mundo. Segundo ele, um sinal positivo é que os clientes já solicitaram 500 propostas/ cotações até meados deste ano – contra 300 no primeiro semestre de 2009. Ele destacou que, para a Lemo, a feira foi importante para reforçar a marca da empresa.

Adriano Gabriele, da Venosan (fabricante de meias compressivas), relata que, no evento, representantes da Argentina, Bolívia, Paraguai, Uruguai, Alemanha e Estados Unidos demonstraram interesse na distribuição e comercialização de produtos da empresa em seus países. Destacou também a presença de visitantes de outros estados brasileiros. “Segunda principal do mundo, a Hospitalar é uma vitrine para a sociedade em geral e mostra que o Brasil está forte nesse segmento”.

A Infomed, especialista em fabricação de dispositivos de purificação de sangue, avaliou positivamente a sua primeira participação na feira. Porém, a representante da empresa, Carole Negrevergne, pontua que o Brasil está nos planos da Infomed, embora efetivamente a partir de 2012. Outros países da América Latina oferecem mais facilidades no que tange a registros de produtos. A Suíça e o Chile mantêm um acordo de livre comércio, por exemplo.

Também novata na “Hospitalar”, a Atamed, que produz ataduras elásticas e compressivas com finalidade profiláxica, medicinal e esportiva, fez um balanço positivo. Serge Kreis afirma que a empresa pretende “abrir o leque” a partir deste ano, “atacando hospitais e mercado farmacêutico e participando de licitações públicas”. As vendas vinham ocorrendo diretamente para os médicos e em escala reduzida.

Especialista na área de cuidados com diabetes e fornecedora de sistemas de injeção para automedicação, a Ypsomed também participou do evento, onde fez diversos contatos, especialmente com representantes de outros países da América Latina, cumprindo assim seu objetivo. A empresa tem mais de 25 anos de experiência relacionada a diabetes, oferecendo bombas, sistemas de injeção e canetas de insulina – produtos que servem também para o tratamento de distúrbios do crescimento e infertilidade.

Swisscam – As oito empresas participaram da “Hospitalar 2010” a convite da Câmara de Comércio Suíço-Brasileira (Swisscam). Pelo sétimo ano consecutivo a entidade realizou projeto na área hospitalar para apresentar os produtos suíços e aumentar o comércio bilateral e transferência de tecnologia entre a Suíça e o Brasil. “Crescemos 33% em relação a 2009 no que tange ao número de participantes, os quais puderam fortalecer suas marcas entre os profissionais de saúde brasileiros e estabelecer novos contatos e parcerias”, diz Hanna Weisskopf, responsável pela área de desenvolvimento de negócios da câmara. A feira terminou na última sexta (28), em São Paulo (SP). A Suíça ocupa o 15° lugar no ranking das importações brasileiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.