Nossos Vídeos

sábado, 25 de abril de 2009

MAQUIAGEM INDIANA - DICAS PARA O DIA A DIA

Namastê! Dicas para um make-up inspirado na Índia
Cores, kajal e acessórios: maquiadora e hairstylists do Tampopo ensinam o caminho das Índias

Olhos marcados, cores fortes e muitos acessórios têm feito, literalmente, a cabeça das brasileiras, seguindo mais uma tendência lançada pelas belas protagonistas do horário nobre da TV.

Buscando inspiração e referências na Índia, os haistylists Jonas Maciel, Olinda Higa e a maquiadora Maria Pacini, do Tampopo Hair Cutting Team, prepararam dicas de cabelo e maquiagem para que as brasileiras possam desfilar por aqui todo charme daquela parte do oriente.
Na maquiagem, Maria Pacini explica que o ideal é começar pela escolha das cores: laranja, rosa, dourado, turquesa e marrom são indicadas para acertar na produção, sem deixar de lado o sempre indispensável kajal. “Aqui no Brasil usamos muito o delineador ou lápis preto para marcar os olhos. Mas no caso do make indiano, o kajal é o mais indicado, pois ele fixa onde os outros não conseguem ir, como a parte interna dos olhos”, explica. Ela complementa explicando que o kajal tem uma textura que proporciona a fixação em áreas complicadas dos olhos, como os cantinhos.

No entanto, Maria recomenda traços menos marcados e tons mais naturais para o dia-a-dia. Para a maquiadora, é indispensável conferir sutileza às características principais da maquiagem indiana, usando o que é mais marcante sem deixar a maquiagem carregada. “O ideal é equilibrar os lábios com os olhos, evitando cores muito fortes na boca se os olhos já foram bastante marcados”.

Para os cabelos, acessórios! O hairstylist Jonas Maciel resume: “Fitas, tiaras e presilhas estão liberadas. O ideal é usar algo que seja adequado ao dia-a-dia sem deixar de remeter à Índia”. O cabeleireiro preparou uma escova lisa que ganhou charme extra com uma fita que, além de enfeitar, dá o toque indiano à produção.

Já Olinda Higa explica que a finalização também é importante para quem quer madeixas ao estilo indiano: “Usar silicone, por exemplo, faz toda a diferença, pois além de dar brilho aos cabelos, define o penteado”, fazendo referência ao look sempre impecável das indianas.

Brincos, anéis, pulseiras e bindis – o pequeno “cristal” usado na testa – complementam e dão o toque indiano à produção brasileira, sem exagerar. “É fundamental fazer as escolhas considerando sempre a naturalidade”, finaliza Jonas.

O Tampopo Hair Cutting Team está localizado à Rua da Consolação, 3.444 (quase esquina com a Oscar Freire), nos Jardins, em São Paulo. Tel. (11) 3061-0353/3061-2628 http://www.tampopo.com.br/


*
*
*
Publicidade:
BRINDES ESCOLARES PARA FESTAS INFANTIS
Imas de geladeira, calendários, diplominhas
Acesse: www.kidbrinde.webnode.com.pt

FÁCIL supera três milhões de atendimentos em Guarulhos

Atender cada vez mais e melhor tem sido o desafio da rede Fácil, que acaba de completar três milhões de atendimentos em Guarulhos, na Grande São Paulo, e é avaliada como boa e ótima por 72,3% dos usuários, segundo pesquisa realizada em meados de 2008.
Apesar da aprovação da população, o atendimento é aprimorado continuamente desde 2002, quando foi instalada a primeira das oito unidades do Fácil na cidade. Hoje, as agências atendem cerca de 1.700 pessoas por dia e oferecem 600 tipos de serviços, como alvarás, certidões, licenças, informações e pagamento de tributos, entre outros.
Segundo o secretário de Administração e Modernização de Guarulhos, Marco Arroyo, a população é também um dos agentes no trabalho de aperfeiçoamento do modelo. “O Fácil faz parte do processo de modernização da máquina pública e também representa uma nova cultura cidadã. A iniciativa é da municipalidade, mas conta com a colaboração da comunidade que acolhe, valoriza e respeita a prestação do serviço”, destaca.
As agências do Fácil localizadas nos bairros funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. A unidade do Paço Municipal, no bairro do Bom Clima, tem expediente até as 20h, de segunda a sexta-feira, e abre aos sábados, das 8h às 13h.

Endereços do Fácil em Guarulhos:
Bom Clima – Av. Bom Clima, 49 (Paço Municipal)

Centro - Rua Luis Faccini, 597 (só realiza atendimento para os serviços do Saae)
Cumbica – Av. Santos Dumont, 387
Jardim Presidente Dutra – Av. Papa Paulo I, 3897
Jardim São João – Estrada de Nazaré, 2.650
Parque Jurema – Av: Jurema, 453
Taboão – Av. Silvestre Pires de Freitas, 327
Vila Galvão – Rua Caixa D`Água, 14
Fácil Empresarial - Av. Emílio Ribas, 1.120, Gopoúva (só realiza atendimento às empresas)

*
*
*
Publicidade:
BRINDES ESCOLARES PARA FESTAS INFANTIS
Acesse: www.kidbrinde.webnode.com.pt

VACINAÇÃO DO IDOSO EM GUARULHOS

Guarulhos iniciou hoje a campanha de vacinação em idosos.

Vacina contra a gripe estará disponível nas 24 unidades de Saúde até o dia 8 de maio; meta é imunizar 80% dos idosos do município na Grande São Paulo

Pessoas com idade igual ou superior a 60 anos poderão tomar a vacina contra a gripe. Em Guarulhos (Grande São Paulo), a vacina será aplicada em 24 postos de saúde, das 8h Às 17h, até o dia 8 de maio.
A meta da Secretaria Municipal de Saúde é imunizar pelo menos 80% da população da cidade nessa faixa etária que, segundo estimativa do IBGE, é de aproximadamente 80 mil pessoas. A vacina terá efeito em período de 10 a 15 dias após a aplicação e sua durabilidade é de um ano.
Além da vacina contra a gripe, os postos de saúde também irão aplicar a dose dupla para adultos contra tétano e difteria, em idosos que ainda não foram imunizados. Por isso, é importante levar a carteirinha de vacinação.
No decorrer da campanha, os profissionais de Saúde ainda irão imunizar contra pneumococo aqueles que integram os chamados grupos de risco elevado, ou seja, pessoas hospitalizadas e residentes em asilos e casas de repouso que nunca tenham tomado a vacina.

RELAÇÃO DE POSTOS PARA A CAMPANHA DO IDOSO EM GUARULHOS

Unidades
UBS Taboão
UBS Jd.Palmira
Centro Comunitário Malvinas
UBS Haroldo Veloso
USF Cumbica
USF Ponte Alta
UBS Pres. Dutra
UBS Vila Carmela
USF Soberana
UBS Pq. Uirapuru
Policlínica Alvorada
UBS Nova Cidade
UBS Jd. Cumbica
UBS Pimentas
UBS Jandaia
UBS Jovaia
UBS Vila Fátima
Ambulatório da Criança
UBS Jd. Paulista
UBS Tranquilidade
UBS Cavadas
UBS Munhoz
UBS São Ricardo
UBS Ponte Grande
*
*
*
Ex-Libris*
*
*
*
Mural:
Revenda Bijouterias sem sair de casa!

Faça um curso de Estética Facial e Cosméticos antienvelhecimento em 60 horas:
Educação a Distância
Faça um curso de Sistematização da Assistência de enfermagem em 130 horas
Educação a Distância

PLÁSTICO ECOLÓGICO SIM!

*) Eduardo Van Roost explica:

O mercado de embalagens plásticas degradáveis apresenta crescimento considerável no Brasil e no mundo. O uso de sacolas e outras embalagens plásticas que se decompõem com rapidez na natureza ganham cada vez mais adeptos. É uma tendência mundial, resultado da necessidade de solucionar problemas reais, tal como o acúmulo de embalagens plásticas no meio ambiente. O aumento da procura por essas embalagens sustenta-se por estudos e testes científicos que comprovam a eficiência das tecnologias e a necessidade por produtos eco-responsáveis.
O debate em torno do uso dos plásticos oxi-biodegradáveis sofre com informações distorcidas, que o colocam como material que se degrada em pedaços e que não é biodegradável. Infelizmente, esse posicionamento contrário por parte das petroquímicas é caso singular no Brasil. Em todo o mundo, novas e comprovadas tecnologias são aceitas e atestadas por universidades de renome internacional como Pisa (Itália), Universidade Blaise Pascal - Clermont Ferrant (França) e Aston (Reino Unido). Segundo esses laudos, plásticos oxi-biodegradáveis d2w desaparecem por completo. Após sua decomposição, resta apenas água, pequena quantidade de CO2 e biomassa, resultantes da biodegradação. O posicionamento dessas instituições respeitadas serve como atestado de bons antecedentes para centen as de empresas ao redor do mundo. Exemplo disso é a inglesa Roberts Bakery que utiliza as embalagens d2w para guardar os pães de forma, com contato direto.
O mercado oferece dezenas de soluções para diminuir o impacto dos plásticos convencionais incorretamente descartados no meio ambiente: materiais biodegradáveis e compostáveis (feitos à base de amido de batata e milho, por exemplo) de origem renovável ou não, oxi-biodegradáveis (que aceleram a degradação e posterior biodegradação do plástico convencional por meio de aditivos), hidro-biodegradáveis e também os hidro-solúveis.
Plásticos oxi-biodegradáveis d2w se degradam e posteriormente se biodegradam, sim. Da mesma forma que os plásticos convencionais. A única diferença está no tempo que o processo vai levar, muito mais curto nos plásticos d2w. Assim sendo, tudo o que se fala contra os plásticos oxi-biodegradáveis também é válido em relação aos plásticos convencionais.
A indústria plástica está diante de uma nova realidade, onde plásticos são injustamente vistos como vilões do meio ambiente. Enquanto isso, os representantes das petroquímicas no Brasil não enxergam que novas tecnologias visam proteger a indústria plástica como um todo, já que podem oferecer ao mercado um produto que continua a ser reciclável, que oferece todas as vantagens e qualidades do plástico, mas que gera menor impacto ambiental quando descartado de forma errada e não é coletado.
Os plásticos d2w são uma alternativa interessante para acelerar a decomposição de toneladas de plásticos lançados no solo, rios e lagos. O aditivo já é utilizado em mais de 180 indústrias no Brasil e plásticos d2w são produzidos e adotados em mais de 60 países. Como se vê, muita gente começou a despertar para o problema, dando importante contribuição para amenizar o impacto provocado pelo descarte incorreto dos plásticos. É importante que os empresários e consumidores se informem corretamente sobre cada uma das soluções e cobrem pesquisas e laudos específicos na hora de analisar a possibilidade de adotar um tipo ou outro de tecnologia. A escolha por opções menos impactantes ao meio ambiente e efetivamente eco-responsáveis pertenc e ao c idadão e ao mercado.


(*) Eduardo Van Roost é diretor da Res Brasil, empresa especializada em embalagens naturalmente degradáveis. http://www.resbrasil.com.br/
*
*
*
Ex-Libris*
*
*
*
Mural:



Faça um curso de Manejo de Recursos Naturais em 60 horas:

Famílias recebem sistema de aquecimento solar em Guarulhos

A Prefeitura de Guarulhos (Grande São Paulo), em parceria com a Bandeirante Energia S.A. e a Caixa Econômica Federal, dará início à instalação de aquecedores solares em cinco conjuntos habitacionais do Programa de Arrendamento Residencial (PAR). O sistema beneficiará 878 famílias (cerca de três mil pessoas), com renda abaixo de seis salários mínimos, dos condomínios Cidade Brasília (Cumbica), Araucárias (Bonsucesso), Topázio, Jurema I e Jurema 2 (Pimentas).
A previsão é de que as instalações sejam concluídas em seis meses. Além do sistema solar para aquecimento dos chuveiros, os cinco conjuntos também receberão 5.800 lâmpadas mais econômicas para serem usadas nas residências e nas áreas de uso comum, e contarão com iluminação pública fornecida pela Prefeitura.
Com a utilização da energia solar para banho e de lâmpadas fluorescentes, a economia nas contas de energia desses moradores deve chegar a 40%, o que já ocorre nos conjuntos habitacionais Vila Flórida e Santa Cecília, onde 272 famílias são beneficiadas pelo sistema.
Segundo o diretor do Departamento de Iluminação Pública de Guarulhos, Paulo de Tarso Carvalhaes, o chuveiro é responsável por entre 30% e 35% do consumo de energia de uma residência. “E, ao contrário do que se possa pensar, a economia com o chuveiro não significou um aumento no consumo de água, que poderia ser provocado por banhos mais demorados”, explica.
Todos os custos com a instalação dos aquecedores solares, assim como com a distribuição das lâmpadas econômicas, são de responsabilidade da Bandeirante Energia. A iniciativa atende a determinação da Lei nº 9.991/2002, que prevê que as concessionárias de energia destinem parte de suas receitas a projetos de eficiência energética. O investimento total é de R$ 3,9 milhões e a economia anual com a implantação do sistema nos cinco condomínios é de 1.343 megawatts.
“Em uma segunda etapa, a Prefeitura pretende ampliar o programa para a rede municipal de Educação, levando os aquecedores solares para as creches, onde o uso de chuveiros também é grande”, afirma Paulo de Tarso.
*
*
*
Ex-Libris*
*
*
*Mural:


Curso de Recursos hídricos:
Educação a Distância

Faça um curso de Botânica Geral
Educação a Distância

PROGRAMA DE ÍNDIO

PRIMEIRO PROGRAMA RADIOFÔNICO FEITO PELOS POVOS INDÍGENAS TEM ACERVO RECUPERADO E DISPONIBILIZADO EM PORTAL NA INTERNET

PROGRAMA DE ÍNDIO, QUE IA AO AR NA RÁDIO USP, NOS ANOS 80, FOI PRIMEIRO PROGRAMA NO BRASIL QUE COLOCOU OS POVOS INDÍGENAS COM PROTAGONISTAS NA MÍDIA ELETRÔNICA


Hoje, mais de 20 anos depois, esses programas, que são um pedaço da história do Brasil, podem ser ouvidos novamente na Internet, no portal http://www.programadeindio.org/ (SEM BR) O Projeto “Programa de Índio – História e histórias”, idealizado pela Ikorĕ – projetos culturais e artísticos, em parceria com o Núcleo de Cultura Indígena, foi selecionado pelo Edital Petrobras Cultural e possibilitou a digitalização e recuperação deste importante acervo, com 200 dos programas que construíram a primeira experiência radiofônica de povos indígenas do Brasil. Assim, mais uma vez a sociedade brasileira poderá ouvir novamente as vozes que fizeram o movimento indígena e ter acesso a mais informações sobre esse período e sobre a história do Brasil no Programa de Índio.

“Infelizmente, a situação atual dos povos indígenas não se alterou muito. Algumas conquistas importantes foram alcançadas, mas ainda há muitos obstáculos, problemas e conflitos que se agravaram com o passar do tempo... Os direitos assegurados pela Constituição não foram consolidados, situações de conflito e personagens registrados no Programa de Índio seguem na mídia. A ignorância sobre a cultura e o conhecimento tradicional dos povos indígenas ainda os coloca à margem de nossa sociedade, sem espaço e sem respeito. Nosso desejo é de que este trabalho possa contribuir para uma melhor compreensão sobre as pessoas indígenas e seja um jeito de estar no mundo que reverencia “os lugares onde a terra descansa”, frisa Angela Pappiani, diretora do projeto e ex-produtora do programa radiofônico.

No último dia 07/04, foi lançado oficialmente no auditório do SESC V. Mariana, o site http://www.programadeindio.org/, com a presença de Ailton Krenak, Álvaro Tukano (apresentadores dos programas originais) , Coral Guarani Tekoá Pyau e convidados.


Origem do Programa de Índio

Num final de tarde de domingo, no dia 30 de junho de 1985, a voz e o pensamento do povo indígena de nosso país chegavam pela primeira vez aos ouvintes da Rádio USP FM, pelos 93.7 MHZ, numa experiência inovadora e inédita: o Programa de Índio.

O programa de rádio, idealizado e realizado pelo Núcleo de Cultura Indígena-NCI, braço oficial da União das Nações Indígenas, abriu um espaço importante de comunicação entre as aldeias indígenas e o público urbano, de forma direta e original. Um “programa de índio para amansar brancos”.

O programa semanal de 30 minutos de duração era conduzido por Ailton Krenak, Álvaro Tukano e outros indígenas de várias etnias, trazendo o som das aldeias, a palavra criadora, as informações sobre o cotidiano e as expectativas dos povos indígenas de nosso país, a música ritual, as cerimônias.

Com muita verdade, como se fosse uma conversa em volta do fogo, o povo indígena se apropriou do importante instrumento que é o rádio para se fazer ouvir e conhecer, num momento de grandes transformações sociais e políticas.

As raízes

Álvaro Tukano, Apolônio Xocó, Biraci Brasil, Daniel Cabixi, Marçal Tupã-i, Marcos Terena, Paulo Bororo e muitos outros parentes estavam há anos num movimento de luta pela organização dos povos indígenas em torno de seus direitos.

Pessoas de diferentes etnias, que entendiam a política e o pensamento dos “brancos”, vivendo, trabalhando, estudando nas cidades, elas buscavam interlocutores entre políticos e formadores de opinião, aliados e parceiros para os embates com o governo, para a conquista de seus direitos, para a afirmação da identidade.

Tinham na bagagem viagens para fora do país, participação em encontros, seminários, espaços conquistados na mídia, alianças com instituições e intelectuais da época. Sabiam muito bem “de onde vinham, o que queriam e para onde iam”.

A ideia do Programa de Índio foi gestada nesse ambiente, com essas lideranças, com a compreensão de que novos espaços deveriam ser abertos para a voz e o pensamento dos povos originários.

O rádio foi escolhido como instrumento por ser um meio democrático, conhecido e respeitado pelas comunidades indígenas, por não exigir investimentos altos na produção dos programas.

O desafio era encontrar uma emissora de rádio com coragem e ousadia para abrir espaço para um programa dirigido e apresentado por pessoas indígenas, com temática e formato definido por elas e que ainda tocasse a música tradicional.

A Rádio USP, ligada à Universidade São Paulo, surgiu como resposta. Cumprindo o papel social de uma rádio educativa, tinha uma programação plural, de qualidade e com temática arrojada sob direção de Luiz Fernando Santoro, que recebeu a proposta com muito entusiasmo, mesmo sabendo o tremendo desafio que teria pela frente.

O primeiro passo

Álvaro Tukano, Biraci Brasil e Ailton Krenak dividiram o pequeno espaço do estúdio 1, no final do corredor do primeiro andar, no prédio da antiga Reitoria. Estavam muito nervosos com o desafio de falar durante 30 minutos para um público desconhecido, dirigindo os assuntos, colocando de forma totalmente livre o seu pensamento.

E o piloto do programa, gravado no mês de junho, foi ao ar logo em seguida como o primeiro de uma série de mais de 220 programas diferentes, ao longo de 4 anos e nove meses, com duas interrupções, em momentos de mudanças na direção da rádio.

O crescimento

Mas o tempo foi curto para tanto assunto e tanto conhecimento tradicional, para tantas experiências acumuladas ao longo de anos de viagens por quase todas as aldeias do país.

A proposta do programa era dar espaço prioritariamente para pessoas indígenas, e exclusivamente para a música indígena. Alguns aliados falaram e cantaram no programa em momentos especiais, mas esse não era o foco.

Em pouco tempo o programa atingiu um público acima do esperado, surpreendendo a direção da rádio e principalmente nossa pequena equipe. Cartas de ouvintes chegavam semanalmente, não só da cidade de São Paulo, mas de cidades até distantes, alcançadas pelo sinal da rádio. Alguns ouvintes eram assíduos e se comunicavam com frequência, por carta, com a produção do programa numa época em que não havia telefone celular nem Internet.

O programa também criou fama nas aldeias indígenas de todo o país, as quais enviavam fitas cassete gravadas com histórias, depoimentos, denúncias e músicas para “tocar no rádio”.

Fim do programa

Em 1990, com a mudança na reitoria da USP e consequentemente na direção da Rádio, que assumiu uma linha mais comercial e menos experimental, o programa foi retirado do ar.

Apoios

O programa começou sem nenhum apoio financeiro ou equipamentos. No 2o. ano do projeto, um financiamento da Fundação Ford permitiu melhorar as condições de produção, com a montagem de um pequeno estúdio e aquisição de equipamentos de gravação em campo.

A notícia do programa ultrapassou as fronteiras do país e o Núcleo de Cultura Indígena passou a integrar a AMARC, Associação Mundial de Rádios Comunitárias, participando de seminários internacionais, com intercâmbio com outras iniciativas importantes de rádios indígenas do Equador, Bolívia, Peru, México, Chile, Argentina e Moçambique, entre outros.

O Programa de Índio passou a ser distribuído para outras emissoras a partir de 1987, entre elas as rádios da Universidade de Santa Maria (RS), EFEI (Escola Federal de Engenharia) de Itajubá e Kaiowá, de Dourados.

O Núcleo de Cultura Indígena

O Núcleo de Cultura Indígena – NCI é uma organização não governamental criada em 1985 e com sede atualmente em Nova Lima, Minas Gerais, para onde se transferiu em 1999, depois de uma longa e importante história de realizações a partir da cidade de São Paulo.

A criação do Núcleo de Cultura Indígena foi a saída encontrada na época para dar personalidade jurídica à União das Nações Indígenas – UNI, que nunca conseguiu seu registro legal. Para o Governo Federal, o Brasil era uma única nação, não reconhecendo aos povos indígenas o direito a sua territorialidade, identidade e organização social e política. Essa questão polêmica ainda permeia os conflitos de interesse entre parte dos brasileiros e os povos indígenas que continuam sem saber qual o lugar que lhes foi destinado nesta nação, formada sobre seus territórios.

A UNI e o Núcleo de Cultura Indígena representavam um novo jeito de organização, mais próximo da organização tradicional dos povos indígenas, surgindo num momento ainda delicado de retomada democrática do país.

As lideranças então à frente do Movimento, como Ailton Krenak e Álvaro Tukano, viajaram por todo o país, visitando cada comunidade indígena e mobilizando esses povos pela unidade, pela superação dos conflitos interétnicos, pela garantia dos direitos básicos a esses povos.

A importância desse movimento extrapolou as fronteiras do país. Organizações indígenas de várias regiões do mundo foram aliadas e parceiras, interlocutoras no processo de afirmação dos povos indígenas do Brasil. Governos e instituições internacionais reconheceram também a importância dessas organizações brasileiras, concedendo inclusive prêmios importantes a lideranças por seu trabalho em defesa dos direitos indígenas.

A Ikorē

A palavra “Ikorĕ” significa gavião, na língua do povo Gavião, de Rondônia, um pássaro com grande importância na mitologia e na vida de muitos povos tradicionais, no Brasil e em outros países. Por seu poder e força, Ikorĕ foi o nome escolhido para esta pequena empresa com quase 10 anos de intensa atividade em projetos e eventos envolvendo diversos aspectos da cultura indígena.

A Ikorĕ vem atuando como prestadora de serviços, consultora e parceira de organizações como o IDETI – Instituto das Tradições Indígenas e o Núcleo de Cultura Indígena, o Centro de Apoio Socioambiental – CASA, a loja de arte indígena Amoa Konoya, entre outros.

Em seu currículo estão projetos importantes e reconhecidos como Rito de Passagem – canto e dança ritual indígena, Programa de Índio, produção de CDs de música indígena, documentários, exposições, etc.

A missão da Ikorĕ é criar e difundir arte, conhecimento e beleza, com enfoque nas culturas indígenas de nosso país; aliar as modernas tecnologias e suportes aos conhecimentos tradicionais; estabelecer diálogos e intercâmbios culturais; realizar projetos e produtos onde a qualidade técnica, a inovação, o apuro estético e a profundidade do conteúdo, conectados com o meio ambiente e o espírito criador de nosso planeta, sejam o princípio, o meio e a finalidade.


Ficha técnica do site:

Realização: Ikorĕ
Parceria: Núcleo de Cultura Indígena
Patrocínio: Petrobras/ Lei de Incentivo Cultural do Ministério da Cultura
Direção: Angela Pappiani
Coordenação: Maíra Pappiani Lacerda e Inimá Pappiani Lacerda
Pesquisa:
Digitalização do acervo: Evandro Lopes
Transcrição e fichamento do conteúdo: Maíra e Inimá
Textos: Angela Pappiani
Designer: Cherry Plus
Desenhos: Ailton Krenak
Fotografias: Cláudia Andujar, Carlo Zacquini, Helio Nobre, Hiromi Nagakura, Igor Pessoa, Marcos Santilli, Maria Amália Souza, Márcio Ferreira (em memória), Nair Benedito, Roberto Ripper
*
*
*
A.R. Comunicação Corporativa*
*
*
*
Mural:
Faça um cruso de Plantas Medicinais com atividade antiinflamatória:

Educação a Distância

Faça um curso de paisagismo em apenas 80 horas:
Educação a Distância

Faça um curso de memorização:

SP ARTE COMEMORA CINCO ANOS DE SUCESSO


Em sua 5ª edição, evento se consolida como maior e mais importante iniciativa do setor na América Latina. Unibanco, Oi e a Mitsubish Motors são patrocinadores, reafirmando compromisso com a cultura

A SP Arte – Feira Internacional de Arte de São Paulo chega à sua 5ª edição e reúne, de 14 a 17 de maio, no Pavilhão da Bienal do Ibirapuera, as mais importantes galerias nacionais e internacionais. Numa área com mais de sete mil m² - quase o dobro do espaço ocupado pela sua primeira edição, em 2005 – estarão expostas aproximadamente três mil obras, oferecendo um vasto panorama da produção artística moderna e contemporânea.

Do total de 80 galerias participantes dessa edição, 10 são representantes de países como França, Espanha, Portugal, Argentina, Uruguai e Colômbia, refletindo a vitalidade que a feira adquiriu além das fronteiras brasileiras, ao longo dos cinco anos de sua jovem existência. Além da adesão de novas galerias, participantes das edições anteriores optaram este ano por ampliar seus espaços de exposição, numa clara demonstração de confiança no potencial da feira.

Segundo a diretora geral da SP Arte, Fernanda Feitosa, “o mercado brasileiro de arte está maduro e o crescimento da feira é um reflexo desse momento. Prova disso é que, mesmo diante do cenário mundial de crise, quase todos os participantes das edições anteriores não só reafirmaram sua participação como ainda aumentaram seus stands para mostrar mais obras de destaque”

Em função da grande procura por espaços, a edição 2009 da SP Arte traz uma inovação em relação aos anos anteriores. Para acomodar também as novas galerias, que apostam em jovens artistas, ainda pouco conhecidos, mas com grande potencial, a organização da feira criou o Arte Nova, um espaço no mezanino a ser ocupado por oito galerias: Polinésia, Emma Thomas, D-Concept, Mezanino e Galeria Pontes, de São Paulo, Amarelonegro, do Rio de janeiro, RHYS Mendes, de Belo Horizontee Mariana Moura, do Recife. “Foi a forma que encontramos de democratizar o acesso à feira, permitindo que jovens talentos dividam o espaço com nomes consagrados, inserindo-se definitivamente no mercado de arte”, afirma Feitosa.

A SP Arte cumpriu a promessa feita em 2005, quando não havia no Brasil um evento de grande porte capaz de apresentar e promover a aproximação de artistas, galeristas, colecionadores, curadores e um público mais amplo. “Hoje estamos alinhados às grandes feiras do mundo todo, como a suiça Art Basel, a espanhola Arco e a inglesa FRIEZE e seguiremos com o objetivo de promover a arte moderna e contemporânea no Brasil, incentivando a visitação do público e ajudando na formação de uma nova geração de colecionadores de arte no país”, afirma a diretora Fernanda Feitosa.

Com a expectativa de um público 15 mil pessoas, a SP Arte conta com o patrocínio de grandes investidores em cultura no país. Seu já antigo parceiro, o Unibanco, que patrocinou todas as edições da feira, a operadora de telefonia celular Oi, que o faz desde o ano passado com um lounge multimídia e a estreante Mitsubish Motors, que expõe uma escultura em tamanho real inspirado no modelo L200 TRITON.

SP ARTE 2009 - FEIRA INTERNACIONAL DE ARTE DE SÃO PAULO – 5ª EDIÇÃO

14 a 17 de maio de 2009
Pavilhão da Bienal – Parque do Ibirapuera
Avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº - Acesso pelo Portão 3

Preview para Colecionadores e profissionais
Dia 13 de maio das 14h às 18h

Ingressos: R$ 25,00 (dinheiro ou cheque)
Desconto para estudantes e aposentados (50%).

Catálogo da feira: R$ 30,00
Local de vendas: bilheteria da feira localizada na Bienal, a partir das 12h ou no site da feira. Pagamento: dinheiro, cheque ou cartão.

Catho Online investe em pesquisas para descobrir o perfil do profissional brasileiro

Identificar tendências, compreender as mudanças do mercado e saber mais detalhes sobre a carreira dos profissionais brasileiros – estes são os objetivos das duas novas pesquisas da Catho Online, que serão divulgadas no segundo semestre de 2009 – “A Contratação, a Demissão e a Carreira dos Executivos Brasileiros” e “O Perfil do Profissional Desempregado”. A primeira delas foi realizada em 1988 e desde então vêm acompanhando o crescimento da empresa lado a lado ao mercado de trabalho.

A pesquisa pode ser respondida pela Internet por meio de uma página dentro do próprio site, em caráter confidencial. Os respondentes ainda receberão uma cópia em PDF do trabalho pronto. O diretor da Catho Online, Adriano Arruda, acompanhará de perto a tabulação das respostas e a análise dos resultados. “É um investimento que trará muitas informações relevantes sobre o mercado de trabalho, contadas por quem faz parte dele. Certamente, as conclusões serão de extrema valia para todos”, comenta.

Atualmente a pesquisa está em fase de coleta, em que os profissionais de todo o país são convidados a responder o questionário online. Para realizar este mapeamento detalhado e sério, a pesquisa conta com questões variadas, desde a forma de se vestir para uma entrevista, a quantidade de promoções dentro de uma empresa, faixas salariais e motivos que levam o profissional a mudar de emprego, entre outras. Uma vez finalizada, a pesquisa também é distribuída gratuitamente para todo mercado.

A última edição, de 2007, trouxe dados surpreendentes e foi possível comprovar, por exemplo, que 67,16% dos profissionais contratados em 2007 utilizaram a Internet no processo de busca de uma nova oportunidade no mercado. Além disso, 16,1% dos recrutadores declararam ter usado os recursos da web para contratações e 8,63% dos 12.122 profissionais entrevistados na pesquisa conseguiram seus empregos utilizando diretamente sites e e-mails – independentemente do ano em que foram contratados.

A nova pesquisa ainda está disponível e quem quiser participar pode acessar o link:: http://www.cmacomunicacao.com.br/listen/maxpress_muda.php?rd=161787&ceda=11236222&ml=#mail#

Sobre a Catho Online
Com o slogan "Seu sucesso é o nosso negócio", a Catho Online é líder no mercado em seu segmento, sendo o maior classificado online de currículos e empregos da América Latina. O objetivo principal da empresa é facilitar as contratações, sendo responsável por intermediar o contato de quem busca novas oportunidades com as empresas que possuem vagas disponíveis. Para tornar esse processo rápido e eficiente, a Catho Online oferece também uma série de ferramentas, tanto para os candidatos quanto para os recrutadores. São mais de 7 mil contratações todo mês realizadas por meio do site que hoje conta com mais de 180 mil anúncios de vagas. Essa posição favorável no mercado brasileiro possibilitou que o site de classificados abrisse novos caminhos rumo à internacionalização. Em 2005, a Catho Online lançou seu site no Chile (http://www.cmacomunicacao.com.br/listen/maxpress_muda.php?rd=161791&ceda=11236222&ml=#mail#). A exemplo do site brasileiro, a Catho Chile conquistou credibilidade rapidamente e hoje é um dos sites mais acessados pelos chilenos na busca por um emprego. Atualmente, a Catho Online conta com 580 colaboradores diretos, e oferece produtos direcionados aos profissionais e às empresas, como Serviços de Apoio à Carreira (Análise e Elaboração de Currículo, Treinamento de Entrevista, Consultor Virtual, etc), Cursos Online e Presenciais, Conferências, Testes Online, Pesquisa Salarial, Pesquisa Organizacional, Recrutamento Online, entre outros. Uma novidade é o recém-lançado CATHONEGÓCIOS, ponto de encontro de profissionais freelancers, que já possui três mil usuários cadastrados.
*
*
*
Mural:












Certidões on-line, você solicita e paga quando receber:

Faça um curso de Iniciação e formação de equipes de Voleibol:
Educação a Distância

Complicação do diabetes pode levar à perda da visão

Controles sistemáticos evitam avanço da retinopatia diabética que se desenvolve de forma silenciosa

Com o crescimento do número de diabéticos, vem aumentando também os casos de retinopatia diabética, uma complicação causada pela doença e que afeta a estrutura interna dos olhos, podendo levar à cegueira.

A retinopatia diabética provoca lesão nos vasos sanguíneos, que podem causar hemorragias na retina, morte de células nervosas acompanhada de diminuição da visão. De acordo com o oftalmologista do Hospital Professor Edmundo Vasconcelos, Dr. Gustavo Seibin Takahashi, os pacientes com diabetes do tipo 1 são os que têm maior chance de desenvolver a doença, porém, o risco aumenta quanto maior for o tempo que o paciente tem diabetes e pior for o controle glicêmico, que consiste na manutenção dos níveis normais de glicemia por meio da dieta, exercícios físicos, do uso de hipoglicemiantes orais ou insulina que ele faz. “O controle da pressão arterial sistêmica, dos níveis de colesterol e triglicérides também são importantes na redução do risco de cegueira pela doença&r dquo;, diz.

O grande problema é que a retinopatia diabética se desenvolve de forma lenta e silenciosa, muitas vezes sem apresentar nenhum sintoma importante, além da diminuição da visão, mesmo nas fases mais avançadas da doença. “Por isso é fundamental a avaliação oftalmológica para diagnóstico e tratamento precoces.

O diagnóstico da retinopatia diabética é realizado por meio da avaliação do fundo de olho. Depois de dilatadas as pupilas, o oftalmologista utiliza um equipamento para examinar a retina do paciente. Além desse exame, é possível também fotografar a retina para melhor avaliação e acompanhamento. Dependendo do estágio da retinopatia, outros exames mais complexos podem ser realizados com o objetivo de avaliar tanto a circulação da retina como a integridade dessa estrutura.

Uma vez diagnosticada, a principal forma de controlar a progressão da retinopatia diabética é o controle clínico do diabetes e de outros fatores de risco como hipertensão arterial e níveis elevados de triglicérides e colesterol.
Para os pacientes que não apresentam sinais de retinopatia diabética a realização de exame oftalmológico anual é suficiente. Já nos caso em que o paciente apresenta a retinopatia, a periodicidade do exame depende do grau da doença e é a melhor forma de avaliar a progressão da doença e indicar um tratamento. Dependendo do tipo de alteração encontrada, pode-se optar pela terapia com laser, chamada de fotocoagulação. De acordo com Takahashi, é cada vez mais freqüente o uso de drogas injetadas dentro do olho, com o objetivo de melhorar a visão do paciente. Em casos mais avançados são realizadas também cirurgias.

O Hospital Professor Edmundo Vasconcelos, localizado em São Paulo, é um dos maiores complexos hospitalares do País, conta com cerca de 780 médicos e atua em 44 especialidades. Realiza anualmente cerca de 10 mil cirurgias, 12 mil internações, 200 mil consultas ambulatoriais e 110 mil atendimentos de pronto-socorro.

Hospital Professor Edmundo Vasconcelos
Rua Borges Lagoa, 1.450 – Vila Clementino, zona sul de São Paulo
Tel. (11) 5080-4000
http://www.hpev.com.br/
*
*
*
Publicidade:
BRINDES ESCOLARES PARA FESTAS INFANTIS
Imas de geladeira, calendários, diplominhas
Acesse: www.kidbrinde.webnode.com.pt