Nossos Vídeos

domingo, 26 de abril de 2009

Pesquisa mostra mapa da anemia no Brasil

Carência de ferro afeta mais de 20% das crianças e a falta de vitamina A atinge 17% delas; Ministério da Saúde utilizará estudo para ampliar programas de assistência

Pela primeira vez, uma pesquisa rastreou as regiões do País onde há maior incidência de anemia e hipovitaminose A (insuficiência de vitamina A) entre crianças menores de cinco anos e mulheres de 15 a 49 anos. Os resultados, com base na Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS 2006), foram apresentados pelo Ministério da Saúde nesta sexta-feira (24), em Brasília. Os dados servem de suporte para implementar e ampliar políticas públicas de prevenção. Para o combate a essa situação, o ministério já desenvolve ações de suplementação de ferro, educação nutricional e fortificação das farinhas de trigo e milho com ferro e ácido fólico em todo o Brasil.
Os resultados da pesquisa, encomendada ao Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), revelaram a prevalência, no país, de anemia em 20,9% das crianças e de 29,4% das mulheres pesquisadas. Para determinar a incidência de anemia, foram analisadas 3.455 amostras de sangue de crianças e 5.669 de mulheres. A situação mais preocupante é a da região Nordeste, onde o percentual foi de 25,5% das crianças e de 40% das mulheres, no universo pesquisado. A incidência em crianças com menos de 24 meses e de áreas urbanas e em mulheres negras também se sobressaiu. Clique para acessar a íntegra da pesquisa.
Em relação à hipovitaminose A, os resultados indicaram que 17,4% das crianças e 12,3% das mulheres apresentavam níveis inadequados desse micronutriente. Foram analisadas 3.499 e 5.698 amostras de sangue, respectivamente Entre as crianças, os índices mais preocupantes são os do Sudeste (21,6%) e do Nordeste (19%), acima das demais regiões do País. A maior idade materna (acima dos 35 anos) é outro aspecto apontado como relevante para a insuficiência de vitamina A, conforme os dados apresentados. Tanto entre crianças quanto entre mulheres pesquisadas, a incidência também foi maior na área urbana.
Essas duas deficiências são as de maior ocorrência no mundo, gerando, por exemplo, a redução da imunidade a infecções, problemas de desenvolvimento nas crianças e, em casos mais graves, até retardo mental e cegueira.

AÇÕES DO MINISTÉRIO - Os resultados corroboram para aferir que a anemia e a insuficiência de vitamina A entre as crianças e as mulheres são problemas de saúde pública no Brasil e, por isso, exigiram ações específicas do Ministério da Saúde. É o caso do Programa Nacional de Suplementação de Ferro, criado em 2005, que inclui a distribuição de suplementos por meio da educação nutricional.
O Programa consiste na suplementação universal de todas as crianças de seis a 18 meses, de gestantes a partir da 20ª semana e mulheres até o terceiro mês após o parto. A cada ano, são fornecidos 8 milhões de frascos (de 50ml) de suplementação para as crianças e 250 milhões de comprimidos para mulheres grávidas em todo o País. O objetivo é aperfeiçoar as estratégias no âmbito da Política Nacional de Nutrição e Alimentação para melhorar as condições de saúde das crianças e mulheres em idade fértil, repercutindo no desenvolvimento do País como um todo.
Na Região Nordeste e no Norte de Minas Gerais, regiões consideradas endêmicas quanto à hipovitaminose A, também são fornecidas 8,5 milhões de cápsulas de vitamina A anualmente para crianças e mulheres. Conforme a coordenadora da Política Nacional de Alimentação e Nutrição do Ministério, Ana Beatriz Vasconcellos, a situação da região Sudeste quanto a esse tipo de deficiência será reavaliada, devido aos resultados que acabam de ser divulgados.
Entre as ações do Ministério, ainda está a orientação à rede de saúde para a adoção de conduta nutricional baseada no aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade do bebê e para que se evite qualquer oferta precoce de alimentos industrializados. “Nas próximas semanas, ainda deve ser criada uma comissão de monitoramento da fortificação de ferro, que é obrigatória nas farinhas de trigo e de milho. O objetivo é aprimorar os mecanismos de fiscalização, rotulagem e educação nutricional”, ressalta a coordenadora.
*
*
*
*
Mural:

Curso de anemias pela internet com duração de 60 horas:
Educação a Distância
Curso de auditoria em enfermagem pela internet:
Educação a Distância
Curso de bioquímica clínica em diabetes e renal:
Educação a Distância

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.