Nossos Vídeos

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Vencer o "desprazer" da falta do cigarro é obstáculo para fumantes

Superar este sintoma da síndrome de abstinência é uma das chaves do sucesso do tratamento do tabagismo, diz psiquiatra

O tabagismo é uma doença crônica e recorrente. Mesmo sabendo de todos os males que o cigarro causa à saúde, por que ainda tanta gente fuma? Pesquisas indicam que a maior parte deles fuma porque sente prazer, alguns porque procuram uma forma de aliviar a ansiedade e outros por influência do ambiente e dos amigos. “O fato é que o tabagismo pode envolver a existência concomitante de diferentes condições patológicas e emocionais em um mesmo indivíduo, como a ansiedade, a depressão e o alcoolismo” explica o psiquiatra Arthur Guerra de Andrade, professor titular de Psiquiatria e Psicologia Médica da Faculdade de Medicina do ABC.

Os fumantes têm dificuldade em largar o cigarro por causa da dependência provocada pela nicotina, que é uma condição física e psicológica. “Ao fumar, a nicotina chega ao cérebro em poucos segundos. Começa, então, uma interação, química provocada pela nicotina no organismo, causando sensações de prazer, euforia ou relaxamento”, diz Andrade. O “gatilho” da vontade de fumar pode ser acionado por vários fatores: um exemplo clássico é o bar em companhia de amigos fumantes – ou ainda se sentir ansioso, deprimido ou estar passando por um período muito estressante. “Para os tabagistas, muitas vezes o cigarro é o companheiro nos momentos difíceis da vida. A morte de um ente querido, o fim de um relacionamento e a perda do emprego são alguns exemplos de situações em que o fumante recorre ao cigarro”.

Segundo o especialista, os maiores obstáculos na cessação do tabagismo são os relacionados à síndrome de abstinência, que normalmente ocorre no início da tentativa de parar de fumar. “O fumante não consegue parar com o vício pelo ‘desprazer’ causado pela falta do tabaco. Ele recorre ao cigarro para aliviar alguns sintomas como certo tremor, a ansiedade e o desconforto causados pela dependência da nicotina”, esclarece o psiquiatra.

“Algumas situações podem estimular o fumante a abandonar o cigarro. Uma ocorrência na saúde do indivíduo, como um infarto; um desafio, como a prática de um esporte, um novo emprego ou um companheiro não fumante; e a vaidade, já que são bem conhecidos os estragos que o cigarro causa na pele, cabelos, dentes, etc. Mas uma condição essencial é ter força de vontade”, conta Andrade.

Por isso, a dependência ao cigarro é uma condição clínica que muitas vezes deve ser tratada por um profissional de saúde especializado no assunto. O médico irá traçar um tratamento adequado e individual para cada paciente, estabelecendo metas e prazos reais para a cessação do cigarro. Atualmente, o tratamento farmacológico do tabagismo inclui terapias com ou sem a reposição da nicotina, entre elas, a nova geração de medicamentos como a vareniclina, desenvolvida especificamente para o tratamento da doença.

A Pfizer é a indústria farmacêutica que mais investe em pesquisa e desenvolvimento de novos medicamentos. O resultado desse trabalho são produtos que melhoram a saúde e a vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Fundada em 1849 e presente em 150 países, a Pfizer comercializa medicamentos na área de Saúde Humana e Animal, como Lípitor, Champix, Sutent, Celsentri, Celebra e Viagra. No Brasil há 55 anos, a companhia também desenvolve iniciativas sociais voltadas para a Educação em Saúde.
*
*
*
*
*
*
*
Publicidade:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.