Nossos Vídeos

quarta-feira, 8 de julho de 2009

TREINAMENTOS DE COMBATE A INCÊNDIOS DEIXAM A DESEJAR, ADVERTE ESPECIALISTA

A falta de legislação e instruções de brigadas de incêndio foram alguns dos fatores que contribuíram para grandes catástrofes no passado. Hoje, apesar da evolução tecnológica, os treinamentos de combate a incêndios ainda continuam insuficientes

Após grandes incêndios ocorridos na década de 70, nos Edifícios Andrauss e Joelma, autoridades responsáveis sentiram a urgência de atualizar o “Código de Obras – Artur Saboya” e criar o CONTRU (Departamento de Controle de Uso do Imóvel) com o intuito de fiscalizar edifícios com alto risco de incêndio.
Segundo o Diretor do Ibape/SP – Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo, Engº Civil e de Segurança do Trabalho Paulo Palmieri Magri, a evolução tecnológica dos últimos anos proporcionou a melhoria dos equipamentos e materiais de combate a incêndios, e o aperfeiçoamento de estudos e profissionais do setor, porém, no que diz respeito aos treinamentos e ensaios de evacuação dos edifícios, os resultados continuam abaixo das expectativas. “Grande parte dos edifícios possuem brigadas de incêndio fictícias, apenas para atender a legislação e driblar as multas, e se aproveitam da falta de fiscalização do CONTRU, que não é capaz de atuar na fiscalização e prevenção da cidade de São Paulo devido o número reduzido de Engenheiros”, explica.
O fato é que a falta de manutenção em segurança, saídas de emergência muitas vezes obstruídas, materiais combustíveis em excesso nas decorações dos edifícios e a redução de profissionais capacitados podem facilitar a ocorrência de novas catástrofes.
De acordo com Paulo Magri, providências precisam ser tomadas no sentido de conscientizar a sociedade, e mostrar que a participação em cursos de primeiros socorros e realização de treinamentos específicos regulares são fundamentais. “Uma disciplina que trate da segurança do trabalhador e do usuário deve ser implantada nos currículos escolares, enquanto nas universidades deve ser criada a disciplina de Engenharia de Segurança Contra Incêndios para todos os cursos de Engenharia e Arquitetura”, conclui.
O Engenheiro acredita que somente com a conscientização de que tais treinamentos e ensaios de evacuação são prioritários, é que poderemos dizer que novas e grandes catástrofes, com um número elevado de mortos, serão remotas no Brasil.

Fonte:
Paulo Palmieri Magri: Graduado em Engenharia Civil e de Segurança do Trabalho, Mestre pelo IPT/SP e Diretor do IBAPE/SP – Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo.
*
*
*
*
*
Publicidade:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0