Nossos Vídeos

domingo, 5 de setembro de 2010

CARLOS GONZAGA E MARCOS ROBERTO NA TARDE DO CHÁ PROMOVIDA PELO JORNAL DO BRÁS

Desap lança TV Siass durante III ENASS e II FSM

O Departamento de Saúde, Previdência e Benefícios do Servidor – Desap, da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão – MP, lançará a TV Siass durante o “III Encontro Nacional de Atenção à Saúde do Servidor – III ENASS" e o "II Fórum de Saúde Mental na Administração Pública Federal – II FSM”.

O objetivo é oportunizar a todos os servidores públicos, que não puderam comparecer ao evento, acompanhar as conferências, palestras, painéis e oficinas que serão oferecidas durante o III ENASS e II FSM.

Com o crescente avanço da internet e das ferramentas de comunicação, o Desap lançará a TV Siass levando ao servidor público federal, uma nova ferramenta de informação, comunicação interação frente às novas tecnologias da Web. A TV foi testada durante o lançamento do módulo dos exames periódicos e alcançou mais de quatro mil servidores de todo o País além dos 900 que estavam nos auditórios do Serpro assistindo a vídeo conferência.

O evento, que contará com mais de mil servidores públicos federais do executivo e convidados de outros poderes, é mais uma ação no âmbito da Política de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho do Servidor Público Federal - PASS, e poderá ser assistido ao vivo, em todo o planeta, pela TV Siass pelo Portal do Siass - www1.siapenet.gov.br/saude. O servidor que não puder participar contará com a facilidade de assistir a toda programação do evento onde e quando quiser pois além de ser transmitida ao vivo, todos os vídeos ficarão arquivados no Portal do Siass.

Pesquisa entrevistou mães de cinco capitais brasileiras sobre o uso da cadeirinha

Fiscalização inicia dia 1º de setembro



A cadeirinha para o transporte de crianças no veículo de passeio agora é obrigatória! A regra foi estipulada pela Resolução 277 do Conselho Nacional de Trânsito em maio de 2008 e passa a ser fiscalizada a partir de 1º de setembro de 2010. A ONG CRIANÇA SEGURA, dedicada à promoção da prevenção de acidentes com crianças e adolescentes até 14 anos, vê a medida como um avanço em prol da infância brasileira e realizou um estudo para identificar a percepção de mães de cinco capitais brasileiras quanto ao risco de transportar seus filhos no carro e se adotam ou não medidas de prevenção.



Para a análise, conduzida pela Ipsos, multinacional francesa de pesquisa, foram entrevistadas 500 mães de filhos entre 0 e 14 anos, pertencentes às classes ABCD, entre 25 e 45 anos das cidades de Curitiba/PR, Brasília/DF, Manaus/AM, Recife/PE e São Paulo/SP. A pesquisa foi feita porta a porta de 03 a 23 de março de 2010.



Percepção quanto à exposição da criança ao risco e possibilidade de prevenção: quando perguntadas sobre os riscos que conheciam que crianças em geral poderiam estar expostas no dia-a-dia, apenas 8% das 500 mães entrevistadas responderam espontaneamente o acidente com a criança no automóvel, ônibus ou motocicleta. Este número aumenta quando a mesma pergunta é feita só que substituindo "crianças em geral" por "seus filhos" e apresentando inúmeras alternativas de respostas. Neste caso, 19% passaram a reconhecer o acidente com a criança no automóvel, ônibus ou motocicleta como um perigo.



Além do não reconhecimento do risco, a maioria também não identificou como um acidente evitável. Apenas 30% identificaram o acidente com a criança no automóvel, ônibus e motocicleta como possível de ser prevenido entre outros riscos apresentados e que elas acreditariam que as crianças em geral poderiam estar expostas.



Percepção da gravidade deste tipo de acidente: Para as entrevistadas que identificaram que seus filhos estavam expostos a este tipo de risco (base ponderada =111), foi entregue uma cartela com graus de preocupação para serem avaliados de 1 a 5. A maioria das entrevistas reconheceu a gravidade deste tipo de acidente: 78% classificou como extremamente preocupante (nota 5), 14% mães assinalaram nota 4, 5% assinalaram nota 3, 3% assinalaram nota 2 e nenhuma considerou "nada preocupante" ou nota 1.



Uso da cadeirinha: do total de mães entrevistadas, 40% transporta seus filhos em automóveis. Desse total, apenas 32% possuem o dispositivo de retenção (bebê conforto, cadeirinha ou assento de elevação).



Do total das famílias que possui o equipamento, 92% possui por questão de segurança, 17% possui por ser de uso obrigatório, 9% possui para proporcionar maior conforto às crianças. Quando perguntadas sobre os trajetos nos quais utilizam o equipamento, mais de uma alternativa poderia ser assinalada: 86% na cidade, sempre; 54% na cidade, em trajetos longos, 53% nas estradas e 45% em cidades a passeio (resposta múltipla).



Das famílias que não possuem a cadeirinha, 67% responderam que a criança não está mais na idade de usar o equipamento, 26% respondeu que a criança é transportada no banco de trás com o cinto de segurança, 7% respondeu que não possui carro e que utiliza o de parentes e 4% respondeu que valor da cadeirinha é muito alto.



A maioria das mães que não possui o equipamento, responderam que transportam seus filhos no banco de trás do veículo 82%. Mas uma quantia significativa transporta a criança no banco da frente 18%. Do número total de mães que não possui o equipamento, 59% possuem filhos com idade para estar na cadeirinha.



Transporte escolar: 17% das entrevistadas afirmaram que seus filhos utilizam a perua escolar. Desse total, 55% disseram que o transporte é feito com uso do cinto de segurança, 21% afirmaram que seus filhos não utilizam e 25% não souberam dizer se a criança utiliza ou não o cinto.



(todos os dados acima são Fonte: Ipsos, multinacional francesa de pesquisa)



Acidentes em números e a Resolução 277



Os acidentes de trânsito representam a principal causa de morte de crianças de 1 a 14 anos no Brasil. Em 2007, dados mais atuais do Ministério da Saúde, 2.134 crianças morreram e 15.194 foram hospitalizadas vítimas destes acidentes. Entre os acidentes de trânsito, estão os atropelamentos, os acidentes que vitimam a criança na condição de ciclista e os acidentes que vitimam a criança na condição de passageira de veículos. No caso deste último, é exatamente o uso do dispositivo de retenção, popularmente conhecido como bebê conforto, cadeirinha ou assento de elevação, que pode diminuir drasticamente as chances de lesões graves - e de morte - no caso de uma colisão.



Segundo a Resolução 277, crianças de até sete anos e meio devem ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro e em dispositivos de retenção. A fiscalização iniciaria no dia 9 junho mas foi adiada e teve seu início prorrogado para o dia 1º de setembro.



A norma diz que crianças com até 1 ano devem utilizar, obrigatoriamente, o bebê conforto; crianças de 1 a 4 anos a "cadeirinha" e, dos 4 aos 7 anos e meio, o dispositivo conhecido como assento de elevação.



Para a ONG CRIANÇA SEGURA, a resolução ainda necessita de ajustes, mas é um primeiro passo que deve ser comemorado. Estudos americanos mostram que cadeiras de segurança para crianças, quando instaladas e usadas corretamente, diminuem os riscos de óbito em até 71% em caso de acidente.



Mais do que estar na cadeirinha, a criança deve estar na cadeirinha correta - o uso do equipamento adequado deve ser observado com muita atenção, principalmente pelos responsáveis. O equipamento correto é aquele que leva em conta o peso da criança. Por este motivo, existem três modelos diferentes: o bebê conforto, a cadeirinha e o assento de elevação.



Além de adquirir o produto correto, de acordo com as indicações do fabricante, é essencial observar se o equipamento possui o Selo do INMETRO ou, no caso de produtos adquiridos fora do Brasil, se possuem certificação européia ou americana. A instalação correta também é essencial.



Campanha: uma iniciativa da ONG CRIANÇA SEGURA, em parceria com a FBiz, irá abordar a importância do uso da cadeirinha e ensinar aos internautas como escolher o equipamento adequado aos seus filhos. Ao acessar o novo site da ONG, www.crianca-segura.ning.com, o internauta participa de um game com dicas e informações. Um tabuleiro simula pontos importantes que devem ser considerados como a escolha de equipamentos com Selo do INMETRO e a importância do manual de instruções para a instalação adequada do produto. O participante inicia o jogo escolhendo o carrinho "equipado" com o dispositivo de retenção adequado ao seu filho - de acordo com peso e idade - e percorre o trajeto conhecendo boas dicas para oferecer mais segurança na hora de transportar a criança no veículo. A campanha também disponibiliza um roteiro de perguntas e respostas para sanar as dúvidas mais freqüentes dos internautas e uma aula virtual sobre o tema.

Passeio ciclístico 'Pedalando pela Vida' reunirá 4 mil pessoas em Itaquera

Pelo quarto ano seguido ocorrerá no dia 12, domingo, passeio sobre rodas na região de Itaquera, que tem como lema "Pedalando pela Vida", uma oportunidade para mobilizar os amigos e familiares na prática de uma atividade esportiva. A previsão é que 4 mil pessoas de todas as idades percorram de bicicleta cerca de 8 quilômetros pela avenida Aricanduva. No dia do evento haverá sorteio de prêmios, incluindo bicicletas, além de gel de hidratação e suplementos para os participantes.

"O passeio sobre rodas oferece vários benefícios tanto cardiovasculares quanto musculares e o lazer, por não ser uma prova de competição. Além disso, essas ações promovem a atividade física em geral, o bem-estar da população e a convivência entre os munícipes de Itaquera", explica Jefferson Campos Lopes, supervisor de esportes da Subprefeitura Itaquera.

Podem participar da atividade pessoas de todas as idades. É preciso levar suas bicicletas, patins, skates ou patinetes. No local haverá monitores preparados e uma ambulância, que estará disponível durante todo o percurso. É recomendado o uso de trajes adequados para a prática de exercícios físicos.

A concentração ocorrerá a partir das 9h, no Shopping Aricanduva, com saída prevista para as 10h. Para participar basta se inscrever gratuitamente na Obra Social Dom Bosco ou na Supervisão de Esportes. Cada participante receberá um kit com a camiseta do evento. Mais informações pelos telefones 2205-1100 (Obra Social Dom Bosco) e 2074-4748 (Supervisão de Esportes).

Sebrae-SP realiza ciclo de palestras em Vila Prudente

Com o objetivo de orientar os empreendedores locais e aqueles que queiram abrir o próprio negócio, a Subprefeitura Vila Prudente/Sapopemba, em parceria com o Sebrae-SP, promove até novembro diversas palestras voltadas ao pequeno e microempresário.

Como tornar-se um microempreendedor individual (MEI)?; Como atrair e cativar os clientes?; Quais as melhores formas de ampliar a competitividade e a eficiência de um pequeno negócio em qualquer ramo de atividade? Empreendedores da Zona Leste poderão ter respostas para essas e outras questões relativas à gestão de empresas participando de uma série de palestras programadas pelo Escritório Regional Leste do Sebrae-SP, em parceria com a Subprefeitura Vila Prudente/Sapopemba.

Todas as palestras são gratuitas. A parceria do Sebrae-SP com a subprefeitura leva para perto dos microempresários consultores especializados em cada tema. O ciclo teve início neste mês de agosto, com temas relacionados ao microempreendedor individual e dicas de como atrair clientes.

Confira as datas e os horários dos próximos encontros:

Setembro
08/9 - MEI - Microempreendedor Individual
15/9 - Qualidade no Relacionamento com o Cliente

Outubro
13/10 - MEI - Microempreendedor Individual
20/10 - Administração Competitiva

Novembro
10/10 - MEI - Microempreendedor Individual
17/11 - Como Atrair Clientes

Serviço:

Ciclo de palestras empresariais
Nas datas acima, das 8h30 às 10h30.
Inscrições pelo 0800-570-0800.
Local: Subprefeitura Vila Prudente/Sapopemba - Avenida do Oratório, 172 - Jardim Independência

Posto Avançado de Conciliação realiza audiências em mais duas unidades do CAT

Instalado desde julho nas unidades do Centro de Apoio ao Trabalho (CAT) de Interlagos e Itaquera, o Posto Avançado de Conciliação Extraprocessual do Trabalhador (Pacet) começou a realizar suas primeiras audiências de conciliação nesses dois novos postos desde o dia 23 de agosto.

O Pacet foi criado por meio de uma parceria da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho (Semdet) com Governo do Estado de São Paulo, Escola Paulista da Magistratura e Associação Comercial de São Paulo, com o objetivo de ajudar as pessoas a pagar suas dívidas e ter seus nomes fora da lista de inadimplentes.

Ao procurar um dos locais de atendimento, o trabalhador poderá saber se existem dívidas pendentes em seu nome. Caso esteja inadimplente, mas não tenha condições de quitar o débito, uma audiência de conciliação será marcada com a empresa, comunicada por meio de uma carta.

Para conseguir agendar a conciliação, o trabalhador deve comparecer a um dos postos do Pacet com a documentação da dívida a ser quitada, documento de identidade e CPF, no horário de atendimento das unidades do CAT, que funcionam de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e aos sábados, das 7h às 13h.



Serviço:

- CAT Itaquera

Rua Gregório Ramalho, 12.

Segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e sábados, das 7h às 13h



- CAT Interlagos

Avenida Interlagos, 6.122

Segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e sábados, das 7h às 13h



- CAT Luz

Avenida Prestes Maia, 913/919

Segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e sábados, das 7h às 13h

Transporte de crianças começa a ser fiscalizado no dia 1° de setembro

A partir de 1° de setembro a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) dá início à fiscalização das novas regras para o transporte de crianças. A Resolução nº 277 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), de junho de 2008, determina que crianças de até sete anos e meio deverão ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro do veículo mediante uso do dispositivo de retenção.

Crianças de até um ano de idade deverão ser transportadas em um bebê-conforto ou no equipamento denominado conversível, voltadas para a parte traseira do veículo (no sentido contrário à marcha). Entre um e quatro anos de idade, as crianças devem ser transportadas em cadeirinhas. Crianças com idades entre quatro anos e sete anos e meio devem estar em assentos de elevação (booster). De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, as crianças até dez anos devem ser transportadas no banco traseiro, com cinto de segurança.

O descumprimento dessa norma está sujeito à penalidade prevista no artigo 168 do Código de Trânsito Brasileiro, que considera a infração gravíssima e prevê multa de R$ 191,54 mais sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Números

Em 2009, morreram quatro crianças com até nove anos como passageiras de veículos, correspondendo a 1,8% de todos os 222 ocupantes de veículos mortos em acidentes de trânsito na cidade de São Paulo. Naquele ano, 378 crianças de até nove anos ficaram feridas em acidentes de trânsito, correspondendo a 4,2% do total de 9.046 ocupantes de veículos feridos.

Em 2008, morreram seis crianças com até nove anos de idade como passageiros de veículos, correspondendo a 2,4% de todos os 246 ocupantes de veículos mortos em acidentes de trânsito. No mesmo ano, 380 crianças com até nove anos foram feridas em acidentes de trânsito, correspondendo a 4,3% de todos os 8.902 feridos.

Pesquisa realizada pela CET em 2009 apontou que 28,4% das crianças transportadas estavam de acordo com a legislação - no banco traseiro, com bebê conforto/cadeirinha/assento de elevação ou cinto de segurança. Das crianças acima de 10 anos, 88,2% usavam o cinto no banco dianteiro e 25,3% utilizavam o cinto no banco traseiro. Os carros com visibilidade prejudicada por causa do uso de película de escurecimento foram descartados no levantamento.

Dados do Insurance Institute for Highway Safety, organismo norte-americano, indicam que crianças colocadas em cadeirinhas do tipo bebê-conforto atadas ao cinto têm 80% menos risco de sofrer lesões em caso de acidente. Crianças de dois a seis anos em cadeirinhas têm propensão 28% menor de terem ferimentos fatais que as que usam apenas cinto de segurança. Entre quatro e oito anos, crianças instaladas em boosters têm 45% menos risco de ficarem feridas do que as que usam apenas cintos de segurança.

O National Highway Traffic Safety Administration, dos Estados Unidos, estima que o uso de retenção salvou a vida de 244 crianças menores de cinco anos envolvidas em acidentes com veículos de passageiros em 2008. Se todas as crianças menores de cinco anos usassem assentos de seguranças, outras 79 vidas teriam sido salvas no mesmo ano.

Fiscalização

O transporte de crianças já é fiscalizado pela CET nos termos da Resolução 15/98 (antiga), que estabelece o transporte de crianças de até 10 anos de idade no banco traseiro com cinto de segurança. A fiscalização desta regra levou a um total de 3.779 multas em 2008, 3.058 multas em 2009 e 1.104 autuações até abril de 2010.

Todos os 2.450 agentes de trânsito da CET estão aptos a fiscalizar a utilização da cadeirinha. Eles foram treinados para observar se as crianças estão dispostas no banco traseiro e de acordo com as regras estabelecidas na resolução. Eles serão obrigados a descrever no auto de infração a situação observada: "criança no colo de adulto" ou "criança pequena/grande para a cadeirinha", por exemplo. Em caso de discordância, o motorista deve entrar com recurso na Junta Administrativa de Recursos de Infrações (Jari) e apresentar a documentação da criança para comprovar a idade e conseqüente adequação ao tipo de assento para obter o cancelamento da multa.

No caso de motocicletas, motonetas e ciclomotores, o Código de Trânsito Brasileiro estabelece no artigo 244, inciso V, que poderão ser transportadas nesses veículos apenas crianças a partir de sete anos de idade que possuam condições de cuidar de sua própria segurança.

Essas regras não se aplicam aos veículos de transporte coletivo, aos de aluguel, aos táxis, aos veículos escolares e aos demais veículos com peso bruto total superior a 3,5 toneladas.

Ecoponto Parque Guarani beneficia 4 distritos da região de Itaquera

Você sabe o que é um Ecoponto? Os Ecopontos são espaços da Prefeitura de São Paulo que recebem resíduos de construção e demolição, como entulho, azulejo e cimento. E também detritos volumosos como madeira, móveis velhos e sobra de podas. Além de reservar uma parte aos materiais recicláveis como, metal, plástico, vidro e papel.
A Subprefeitura de Itaquera possui um desses postos de coleta, o Ecoponto Parque Guarani, que oferece aos quatro distritos, Cidade Líder, Itaquera, Parque do Carmo e José Bonifácio, uma solução para melhorar o ambiente dos bairros, com a coleta gratuita de entulhos em calçadas, boca de lobo evitando assim a proliferação de animais.
Trata-se de uma proposta inteligente para melhorar a qualidade de vida das pessoas, colocando fim ao estoque de detritos que são jogados irregularmente nas ruas, praças, rios e também em terrenos baldios. “É importante manter os espaços públicos limpos, pois toda a sujeira acumulada é uma agressão a saúde pública. Com o Ecoponto evitamos enchentes e, consequentemente a proliferação de animais transmissores de doenças”, explica o subprefeito de Itaquera, Roberto Tamura.

O limite diário de recolhimento é de um metro cúbico por pessoa, ou seja, o equivalente a uma caixa d’água de mil litros ou a 25% de uma caçamba. A única restrição é para lixo orgânico, hospitalar, industrial, cargas com excessos de gesso, espelhos, lâmpadas, pilhas, baterias e telhas de amianto.
Agostinho Fiorine é responsável pelo Ecoponto do Parque Guarani há um ano e meio. “Sou funcionário público municipal há 18 anos. Hoje presto serviço no Ecoponto, recebendo entulhos que poderiam estar causando grandes transtornos aos moradores dos bairros”, declara. A quantidade de entulho que o Ecoponto do Parque Guarani recebe vem aumentando semanalmente. Os materiais volumosos, como sofá e madeira, são mandados para a reciclagem. “Assim, todos saem ganhando”, comemora Fiorine.
No ano de 2009, foram recolhidos de fevereiro a dezembro o total de 581.25 toneladas de resíduos. E deste janeiro deste ano até julho, já foram recolhidos mais do que o total do último ano inteiro, sendo retirados 694.75 toneladas de resíduos.

SERVIÇO:

Ecoponto Itaquera
Rua Manuel Alves da Rocha, nº. 584 - Parque Guarani
Fone: 2051-9548
Funcionamento:
Segunda a sexta: das 8 às 17h
Sábado: das 8 às 12h

CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO EXIGE RETIRADA DE PROPAGANDA ELEITORAL DO AR

O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), autarquia federal representativa dos 75 mil cirurgiões-dentistas do Estado de São Paulo, se manifestou contra a exibição do comercial eleitoral que utiliza a imagem de um dentista procurado pela polícia por uso de medicamentos inaquedados, que provocam a perda de memória, em comparação ao erro na hora de votar.

Segundo a entidade, com a intenção de informar a população para o voto consciente nas próximas eleições, a agência de publicidade responsável pela criação da propaganda retratou o cirurgião-dentista de maneira inadequada e ofensiva.

O exemplo escolhido compromete a educação da população no que diz respeito à importância da prevenção e dos cuidados com a saúde bucal. Ao estigmatizar a figura do cirurgião-dentista como um profissional que provoca medo aos pacientes, a propaganda desestimula a busca dessas ações, por parte da sociedade. Os efeitos são especialmente nocivos entre a população infantil, causando prejuízos psicológicos em relação ao tratamento odontológico. O conteúdo também reforça uma visão deturpada da categoria profissional, podendo induzir a população a acreditar que existam cirurgiões-dentistas atuando na ilegalidade. O CROSP e demais Conselhos Regionais de Odontologia do país têm sido incansáveis na apuração e na punição ao falso exercício profissional.

Sendo assim, o CROSP recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral para a retirada de circulação da referida peça publicitária: