Nossos Vídeos

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Doação de óvulos na rede pública gera três nascimentos em dois anos

Projeto inédito no SUS, implantado no hospital estadual Pérola Byington, tem 80 mulheres inscritas aguardado doadora compatível

Três crianças nascidas, duas gestações em andamento. Este é o saldo do primeiro programa público de doação de óvulos implementado há dois anos pela Secretaria de Estado da Saúde no hospital estadual Pérola Byington, na capital paulista.

Desde 2008 foram realizadas 25 transferências. Atualmente 80 mulheres estão inscritas no programa, aguardando para receberem o óvulo de uma doadora compatível. Receptora e doadora são atendidas em ambulatórios específicos, com consultas agendadas em dias diferentes para garantir o anonimato que a situação exige.

O programa é destinado a mulheres com idade acima de 40 anos e até 50 anos de idade, que têm dificuldades em produzir óvulos em condições de serem fertilizados.

O processo para permitir que o espermatozóide se una ao óvulo começa bem antes da doação em si. Faz-se um cadastro das pacientes com menos de 35 anos que aguardam tratamento na fila que estariam dispostas a doar seus óvulos excedentes. A partir daí, busca-se entre as pacientes cadastradas aquela que tenha o mesmo tipo físico e sanguíneo da doadora.

Estabelecido o pareamento, doadora e receptora passam por uma série de exames para identificar a presença de doenças como HIV, hepatite, sífilis e problemas genéticos graves. As candidatas a mães também passam por avaliações psicológicas.

Com os exames concluídos, inicia-se o uso de medicação para aumentar as chances de sucesso. As doadoras passam a tomar hormônios para estimular os ovários e, assim, produzir maior número de óvulos aproveitáveis. As receptoras passam a tomar hormônios para estimular o desenvolvimento do endométrio e assim, facilitar a recepção do embrião. Assim que os hormônios fazem efeito os óvulos são retirados, fecundados com o sêmen dos pais e os embriões formados são transferidos para o útero da receptora.

“Quando acontece a gravidez, podemos ver a felicidade e a satisfação que elas sentem ao ver a barriga começar a crescer. Durante todo o processo da gravidez, percebemos que estamos oferecendo a oportunidade para essas mulheres de realizarem um sonho”, afirma o Diretor da Reprodução Assistida do Pérola Byington, Mario Cavagna.

O hospital Pérola Byington fica na Av. Brigadeiro Luis Antônio, 683.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0