Nossos Vídeos

quinta-feira, 18 de junho de 2009

III Encontro de Cultura Caipira reforça tradições e costumes do interior

Junto da comunidade de São Miguel Paulista, Fundação Tide Setubal promove a terceira edição de um trabalho que difunde gratuitamente atividades como a produção de bonecos, literatura de cordel, música, dança e culinária.
O III Encontro de Cultura Caipira da Fundação Tide Setubal será realizado, em São Miguel Paulista, bairro da zona leste da cidade de São Paulo, durante todo o mês de junho. Na programação, há cursos livres, um debate, uma festa no Galpão de Cultura e Cidadania, além do tradicional e animado arraial do CDC. “As atividades são gratuitas, abertas a todos e têm por objetivo reviver as tradições juninas e dialogar com a cultura caipira”, explica Tião Soares, coordenador de projetos da Fundação. Em 2008, somente no arraial, cerca de 6 mil pessoas prestigiaram os três dias do evento.
Uma parte importante da programação do Encontro é composta por atividades de formação, com cursos que abordarão elementos da cultura popular como bonecos feitos a mão e criação e impressão de literatura de cordel. Mestre Saúba, mamulengueiro de Pernambuco, trabalhará a confecção de bonecos, arte que pratica em Carpina, no interior de seu Estado, onde vive. De Pernambuco também é o Mestre Valdeck de Garanhuns, artista que mostrará seus conhecimentos sobre xilogravura e literatura de cordel. As inscrições para os cursos podem ser feitas por telefone (11) 2297-5969, ou por e-mail: inscricoes@ftas.org.br.
Um debate no dia 20 de junho, intitulado A cultura popular e suas práticas educativas, reunirá educadores e artistas e contará com as presenças de Mestre Nelson Jacó, de Minas Gerais, e Mestre Leonildo da Rabeca, do Paraná, além do pesquisador de cultura popular e músico, Paulo Dias.
Com a mediação da socióloga e diretora-presidente da Fundação, Maria Alice Setubal, o debate será uma oportunidade de estabelecer um diálogo dos saberes e dos fazeres da cultura popular com a educação. “Queremos dar voz à experiência dos artistas presentes, que transmitem seus conhecimentos oralmente, e conduzir o debate para a perspectiva do uso das práticas artísticas deles na composição do processo educativo”, esclarece Tião Soares.
A Fundação Tide Setubal apoiará também a festa promovida pela Sociedade Amigos do Jardim Lapenna, que acontecerá no fim de semana de 19 a 21 de junho, no Galpão de Cultura e Cidadania, localizado no Jardim Lapenna, distrito de São Miguel.
*
Arraial no CDC Tide Setubal Nos dias 26, 27 e 28, terá vez o grande arraial do CDC Tide Setubal, que há dois anos atrai milhares de pessoas. Marcado pela valorização das manifestações da cultura popular, o arraial de 2009 será ainda mais diversificado. “Nos três dias estão previstas apresentações cultivadas em diferentes cantos do Brasil”, afirma Tião. Entre as manifestações culturais do arraial, destacam-se:
• Trio de Forró, liderado por Gil Sanfoneiro;
• Percussão Brasileira, composta por 30 jovens do projeto ArteCulturAção;
• Bloco afro Ilú Obá de Min;
• Orquestra Paulistana de Viola Caipira;
• Maracatu de baque virado Porto de Luanda;
• shows de Sacha Arcanjo e Raberuan – artistas do histórico Movimento Popular de Arte, no final da década de 1970;
• e Paulo Freire Trio, com sua concepção moderna para o mundo da viola.

Haverá espaço, ainda, para outras performances como:
• Grupo Folclórico da Casa de Portugal – danças de diferentes regiões de Portugal;
• Os Favoritos da Catira – sapateado derivado do antigo fandango português;
• Congada Marujada Nossa Senhora do Rosário e Congada de São Benedito – cortejos que homenageiam São Benedito, com reis negros;
• Cordão de Bichos – desfile de animais feitos de madeira, papelão, estopa e arame;
• Casamento Caipira – apresentado pelos jovens do Núcleo de Formação Sócio Cultural do projeto ArteCulturAção
• Quadrilha Junina – composta por crianças das oficinas do programa Clube Escola, do CDC Tide Setubal.
Como de costume, as barracas de comidas no CDC prestigiarão a cozinha do interior. Não faltarão as atrações tradicionais, como pau de sebo e fogueira. Haverá também exibição de documentários e exposições de xilogravura, cordel e bonecos e das casas de farinha, de escravo e de Lampião construídas por Mestre Saúba.
*
Programação do III Encontro de Cultura Caipira

Curso de xilogravura e literatura de cordel com Mestre Valdeck de Garanhuns
1 a 5 de junho, segunda a sexta, das 14h às 17h, no CDC Tide Setubal

Curso de construção de bonecos com Mestre Saúba
16 a 19 de junho, terça a sexta, das 14h às 17h, no CDC Tide Setubal

Debate: a cultura popular e suas práticas educativas
20 de junho, sábado, das 14h às 17h, no CDC Tide Setubal

Festa do Galpão de Cultura e Cidadania
19 a 21 de junho, sexta, sábado e domingo, das 17h às 23h
Rua Serra da Juruoca, s/nº, Jd. Lapenna
São Miguel Paulista – São Paulo - SP
Tel.: (11) 2956-0091

Arraial do CDC
26, 27 e 28 de junho, sexta, sábado e domingo, das 17h às 23h
Rua Mário Dallari, 170, Jd. São Vicente
São Miguel Paulista – São Paulo - SP
Tel.: (11) 2297-5969
Importante: mediante agendamento com a Assessoria de Imprensa da Fundação, os artistas estarão à disposição dos jornalistas para concederem entrevistas e conversarem sobre seus trabalhos.
*
Sobre a Fundação Tide Setubal
Trabalha desde 2005 para contribuir com o desenvolvimento sustentável da região de São Miguel Paulista, bairro da zona leste de São Paulo (SP). Para isso, desenvolve ações voltadas a famílias, jovens e adolescentes em situação de alta vulnerabilidade social, em parceria com órgãos do governo e ONGs e em articulação com políticas públicas, priorizando a participação ativa da comunidade, fornecendo-lhe informação e estimulando a construção da sua autonomia.
A organização surgiu com o desafio de retomar, ampliar e aprofundar o trabalho social inspirado por Tide Setubal, quando foi primeira-dama de São Paulo na gestão do prefeito Olavo Setubal (1975-79) e criou o Corpo Municipal de Voluntários (CMV), com grande participação da comunidade.
Todas as relações e as atividades da Fundação são norteadas por quatro princípios: construção de uma sociedade justa e solidária tendo como pressuposto a inclusão democrática e participativa de todos os segmentos sociais; respeito às diferentes temporalidades, pluralidades e diferenças culturais; valorização da cultura, tradições, experiências e costumes da comunidade; valorização do trabalho voluntário.
*
Quem é quem nos cursos
Mestre Saúba
O bonequeiro de Carpina, no interior de Pernambuco, é um dos mais reconhecidos em sua arte. Suas criações já foram tema de exposições por todo o país, em locais como a Fundação Joaquim Nabuco, em Recife, e os Centros Culturais do Sesi. A habilidade que mestre Saúba tem para a arte da escultura pode ser vista em suas famosas casas-de-farinha. Há objetos de sua autoria expostos em museus e em coleções particulares. Em suas apresentações, Saúba dança músicas típicas, como o forró, junto com seus personagens-bonecos.
*
Mestre Valdeck de Garanhuns Com 25 anos de carreira, o pernambucano trabalha com diversas expressões da cultura popular: literatura (poesia e literatura de cordel), xilogravura, música e teatro de mamulengos. Como xilogravurista – uma das práticas que ensinará aos alunos de seu curso – participou de importantes salões de artes plásticas, de exposições coletivas e individuais. No exterior, expôs em Washington e Nova York, nos Estados Unidos; em Hameln e Erlangen, na Alemanha. Há obras suas no acervo do Museun für Völkerkunde, em Frankfurt, Alemanha.
*
Quem é quem no debate
*
Mestre Leonildo da Rabeca
Apesar de seu apelido, Leonildo Pereira, morador de Abacateiro, interior do Paraná, é um multi-instrumentista: além da rabeca, toca também viola e violão, sempre dando destaque ao fandango. Na família de Leonildo, a cultura de música popular é uma tradição: o pai, inspirador da família, e todos os dez irmãos tocam viola e rabeca. Leonildo também aprecia ensinar sua arte e costuma construir seus próprios instrumentos.
*
Mestre Nelson Jacó
Nascido em 1931, em Santana do Pirapama, e morador de Jequitibá, em Minas Gerais, é um dos grandes mestres da viola, instrumento que começou a tocar ainda criança, por influência do pai, que lhe ajudou a aprender as primeiras notas. Além da viola, toca também violão, cavaquinho e caixa. Hoje, suas composições – feitas em seis afinações diferentes – trazem a marca da religiosidade, influência provável das Folias de Reis, que acompanhou desde pequeno.
*
Paulo Dias
Músico e pesquisador da cultura popular, Paulo Dias é presidente da Associação Cultural Cachuera!. Bacharel em piano pela Unicamp, é também organista e percussionista, além de etnomusicólogo. Suas pesquisas, desde o fim dos anos 1980, vêm ajudando a redescobrir as tradições musicais populares brasileiras. Em particular, as de origem afro-descendente na região Sudeste.
*
Calendário das apresentações no Arraial do CDC

Sexta-feira, 26/06

17h – Trio de Forró
Liderado por Gil Sanfoneiro, conta também com triângulo e zabumba para apresentar clássicos do forró de pé de serra nordestino.

18h – Percussão Brasileira
Formado por 30 jovens do projeto ArteCulturAção, vai apresentar ritmos populares brasileiros como o coco, a ciranda e o samba de roda.

18h30 – Casamento Caipira
Apresentado pelos jovens do projeto ArteCulturAção, e que desenvolve o teatro em todas as frentes (dramaturgia, iluminação, sonoplastia e cenário).

19h– Quadrilha Junina do Clube Escola
Formado por crianças participantes das oficinas do programa Clube Escola do CDC Tide Setubal haverá uma tradicional quadrilha junina em homenagem a São João.

20h – Bloco Afro Ilú Obá de Min
Teve início em novembro de 2004, no Acervo do Viver e da Memória Afro-Brasileira, no Centro Cultural Jabaquara, a partir da Oficina de Tambores Toques Masculinos e Femininos dos Orixás, coordenada pelas regentes da Banda Ilú Obá de Min. Em seis anos de existência, o vem se firmando como nome importante dentro da cultura afro-brasileira.
21h30 – Sacha Arcanjo
Um dos fundadores, no fim da década de 1970, do Movimento Popular de Arte (MPA), é cantor, compositor e coordenador da Oficina Cultural Luiz Gonzaga. Apresentará composições próprias e parcerias relacionadas ao universo da cantoria popular.

22h – Orquestra Paulistana de Viola Caipira
Fundada em outubro 1997, interpreta clássicos da música raiz, além de arranjos criativos e inusitados para música erudita, MPB e world music. É vinculada a uma ONG, o Instituto São Gonçalo de Estudos Caipiras, que tem como objetivo central a pesquisa, difusão e divulgação da cultura caipira. Também promove o resgate do repertório musical da viola caipira, uma vez que não existem publicações formais ou informais com as letras e arranjos dos registros fonográficos originais em que se utilizam esse instrumento.

Sábado, 27/06

17h – Trio de Forró

18h– Quadrilha Junina do Clube Escola

19h – Maracatu de baque virado Porto de Luanda
Manifestação cultural afro-pernambucana, nascida nos terreiros de candomblé com a dramatização da coroação dos reis negros. A história desse grupo, que faz pesquisas e confecciona instrumentos musicais, teve início em oficinas de maracatu de baque virado, realizadas em bairros da zona leste de São Paulo – São Miguel Paulista, Guaianases e Itaquera – e em municípios próximos – Mogi das Cruzes e Guarulhos. Um dos focos atuais de seu trabalho é realizado junto a professores e alunos de escolas públicas da região da COHAB 2, em Itaquera, promovendo, o intercâmbio cultural em ambiente escolar.

20h – Raberuan
Um dos fundadores do MPA, é cantor, compositor e produtor cultural da Casa de Cultura de São Miguel Paulista e criador do projeto Quintas Culturais, realizado no Conde Wlad Rock Bar.

21h – Os Favoritos da Catira
O grupo mostra a catira e o cateretê, denominações de danças de sapateado, derivadas do antigo fandango português.

22h – Grupo Folclórico da Casa de Portugal
Fundado em 1973, divulga o folclore português ao povo brasileiro em apresentações que trazem o garbo e o entusiasmo do Vira, música da região portuguesa do Minho, o fandango, do Ribatejo, e o corridinho, do Algarve, entre outras tradições.


Domingo, 28/06

17h – Trio de Forró

18h – Percussão Brasileira

19h – Cordão de Bichos
Fundado por Vicente de Almeida e Aladim Ponce é composto de animais feitos de madeira, papelão, estopa e arame.

20h – Congada Marujada Nossa Senhora do Rosário e Congada de São Benedito
As congadas são folguedos que comumente aparecem na forma de cortejos, onde os participantes, cantando e dançando, homenageiam São Benedito e contam com um rei e uma rainha negros. Na sua instrumentação, destaca-se a percussão, estimulando muitos momentos de bailados vigorosos e manobras complicadas. Esses dois grupos, fundados na década de 1970, estão entre os poucos que conseguiram se rearticular no contexto adverso da Grande São Paulo.

21h30 – Raberuan e Sacha Arcanjo

22h – Paulo Freire Trio
Paulo Freire traz uma concepção moderna para o mundo da viola. Ele que aprendeu a tocar no sertão do Urucuia, noroeste de Minas Gerais, já participou de grupos como Teatro Vento Forte, Ânima e Orquestra Popular de Câmera. Viajou pela Europa e Estados Unidos, ganhou diversos prêmios, lançou CDs, livros, ensaios e produziu trilhas para cinema, teatro e televisão. Além dos temas caipiras tradicionais, e de suas próprias músicas, diversas situações da vida brasileira são mostradas em suas apresentações: a saga de Antônio Conselheiro e a poesia de João Pacífico, a história do homem que virou passarinho, além de cocos de viola, nos quais o público é convidado a participar. Adriano Busko, na percussão, e Tuco Freire, no contrabaixo, juntam-se ao violeiro, para mostrar o lundu, os toques de viola, as canções sertanejas e até um tema de Thelonious Monk.
*
*
*
*
*
*
*
*
*
Publicidade:
Preços por tempo limitado:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.