Nossos Vídeos

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Especialistas criticam campanhas educativas de trânsito realizadas no Brasil

Chat da Perkons reuniu 30 especialistas, que sugeriram ações integradas a fiscalização

Poucas, ineficientes e pontuais. Assim são as campanhas educativas para o trânsito realizadas no Brasil, segundo a análise de especialistas em trânsito que participaram nesta quinta-feira (10) do chat organizado pela empresa Perkons S/A para debater a educação para o trânsito com foco em campanhas, mobilização e informação para a sociedade.
"São raros os espaços destinados a campanhas de educação para o trânsito em larga escala", afirmou a psicóloga Gislene Macedo, professora da Universidade Federal do Ceará/Sobral. Para ela, as campanhas de marketing são pontuais e não cumprem seus objetivos. "Para funcionar mesmo, são necessárias outras ferramentas que vão além de panfletagens e outdoors. O problema é que os recursos destinados à educação no Brasil são pouquíssimos e empobrece o caráter permanente das ações de longo prazo", advertiu.
A jornalista Ana Cláudia Freire, produtora da TV Paranaense/Rede Globo e coordenadora de pauta da campanha Respeito ou Morte, realizada pela Rede Paranaense de Comunicação (RPC), concorda que as campanhas educativas para o trânsito ainda são poucas diante das necessidades de formação de um novo comportamento para motoristas e pedestres. "Os meios de comunicação só agora começam a se envolver de forma mais efetiva", admite.
A RPC iniciou em junho passado a campanha Respeito ou Morte. Além da veiculação de peças publicitárias em todos os seus canais de comunicação, os jornais, TVs, rádios e portal da RPC estão produzindo conteúdo relacionado ao tema. "Percebemos que só mostrar os acidentes não resolvia. Precisávamos discutir com a sociedade as causas e soluções", explicou Ana Cláudia. Segundo ela, desde que a campanha começou houve uma redução de 77% no número de mortes em acidentes de trânsito em Curitiba e a população está participando enviando sugestões de temas, imagens de flagrantes e usando os adesivos da campanha nos carros.
Para a publicitária Maria Amélia Franco, gerente de Marketing da Perkons S/A e responsável pelo portal www.educacaoetransito.com.br, a produção de conteúdo, como a RPC tem realizado, traz melhores resultados que somente a veiculação de peças publicitárias. Segundo ela, o conteúdo jornalístico tem melhor crédito da população.
Mas os participantes do chat, no total de 30 pessoas, lembraram dois exemplos de campanhas educativas para o trânsito: uma eficiente e outra sem resultados. Philip Gold, consultor em Segurança de Trânsito, lembrou que a campanha sobre o uso do cinto de segurança, em São Paulo, durou um ano e meio, foi constante e resultou em aumento do uso do equipamento de 8% para 98%, quando acoplada à fiscalização.
Em contraponto, foi lembrado que todo o esforço realizado de combate ao consumo de álcool pelos motoristas, com aprovação da lei de tolerância zero, campanhas educativas e aumento da fiscalização está sendo derrotado pelo simples fato dos motoristas se negarem a fazer o teste do bafômetro.
Por isso, Gold defendeu educação para as crianças e fiscalização e punição para os adultos. "Educação de trânsito começa com crianças. Através da lei, atingiremos os adultos", afirmou. Segundo ele, educação não funciona sem regras e punições.
A psicóloga Gislene Macedo completou a discussão lembrando que "super valorizar a educação é desconsiderar que há uma dimensão atravessando as formas de organização social. A educação é complementar a outras medidas em toda a sociedade. Um governo que incentiva a compra de veículos individuais como saída de mobilidade não está de fato comprometido com o trânsito e com a saúde pública", provocou.
314/09 - Os participantes do chat da Perkons também analisaram a Resolução 314/09 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que estabeleceu padrões e critérios para as campanhas educativas de trânsito. Para o publicitário Fernando Pedrosa, que trabalha há dez anos com esse tema, a resolução inibe a liberdade de criação e expressão das entidades. Já Paulo Cesar Marques da Silva, professor da área de tráfego na UnB, disse que a resolução orienta as boas práticas, estimulando a segurança, a promoção da cidadania, a identificação de públicos e a pesquisa. A publicitária Maria Amélia concordou. "A resolução é uma evolução, pois antes não havia diretrizes. Como comunicadora, vejo que planejar campanhas ajuda a criar os projetos de forma mais consistente.", destacou.
Todo o conteúdo do chat pode ser acessado pelo site www.perkons.com no link chat. Em www.perkons.com.br/boaspraticas é possível conhecer, promover, estimular e compartilhar ações e experiências de boas práticas no trânsito.
*
*
*
Publicidade:
BRINDES ESCOLARES PARA FESTAS INFANTIS
Imas de geladeira, calendários, diplominhas
Acesse: www.kidbrinde.webnode.com.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0