Nossos Vídeos

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

LESÕES AUDITIVAS - ROTINA NOS EXPÕEM AO PERIGO

Quem vive nos grandes centros urbanos nem sempre se dá conta de quantos barulhos potencialmente perigosos nos rodeiam. A poluição sonora, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, tornou-se o terceiro problema ambiental que mais afeta a população em geral.

O excesso de ruído pode provocar uma série de distúrbios como agitação e insônia, mas sem dúvida o ouvido é o órgão mais atingido e na maioria das vezes é o que sofre mais lesões, como por exemplo, o trauma acústico. A doença, geralmente ocasionada por exposições únicas a um volume muito elevado como explosões, fogos de artifício e até mesmo danceterias, é mais suscetível em pessoas cujos ouvidos já apresentam outras doenças.

Não menos importante, a lesão PAINPSE - sigla de perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevados, é ocasionada por uma exposição duradoura e atinge, na maioria das vezes, ambientes de trabalho de músicos, cantores, DJs, garçons, metalúrgicos, gráficos, engenheiros de obra e pedreiros. Atualmente, a legislação obriga as empresas a fornecerem EPI (equipamentos de proteção individual) e a exercerem o PCA (programa de conservação auditiva), com monitoramento periódico da audição.

Entretanto, outra situação vem ganhando destaque: a recente mudança de hábitos, que envolve o abuso dos fones de ouvido, está configurando uma forma particular de poluição sonora. Nesses casos, além do alto volume e do tempo prolongado de exposição a esses sons, existe ainda o problema de que 100% do som entra diretamente nos tímpanos, sem se dispersar pelo ambiente. Com isso, os ouvidos ficam ainda mais vulneráveis a apresentar lesões definitivas, principalmente em jovens.

Segundo a Profa. Dra. Tanit Ganz Sanchez, otorrinolaringologista e presidente do Instituto Ganz Sanchez, três fatores podem levar à lesão por ruído: o volume do som, o tempo de exposição e a sensibilidade de cada pessoa. Sair de uma balada com ouvidos tampados, zumbido ou perda auditiva, mesmo que temporariamente, é um sinal de alerta à exposição inadequada a sons muito elevados.

O zumbido pode ser o sintoma mais incômodo, que geralmente leva o paciente em busca de uma investigação mais profunda dessa perda auditiva. Ao contrário do que se pensa, o zumbido, assim como o trauma acústico, tem cura desde que seja tratado nas primeiras 48 horas após a lesão. O tratamento precoce tem chance de reversão total enquanto a demora em procurar ajuda pode diminuir a chance de melhora da perda auditiva.

Para prevenção, a otorrinolaringologista alerta, diminuir o volume do som ou usar protetor auricular durante o tempo que estiver exposto, e fazer intervalos periódicos de cinco a dez minutos a cada hora de exposição são algumas atitudes que fazem a diferença.

O Instituto Ganz Sanchez é um centro de diagnóstico e tratamento especializado em zumbido, que também desenvolve pesquisas na área e certifica produtos direta ou indiretamente relacionados ao tratamento. Para quem busca orientações, o Grupo de Apoio a Pessoas com Zumbido tem um programa de palestras educativas gratuitas em oito cidades brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas, Curitiba, Brasília, Salvador, São José do Rio Preto e São Luis do Maranhão).

Serviço

Instituto Ganz Sanchez
Av. Padre Pereira de Andrade, 353 - Alto de Pinheiros
Tel.: (11) 3021-5251
http://www.institutoganzsanchez.com.br/

Grupo de Apoio a Pessoas com Zumbido
(11) 3068-9855
http://www.forl.org.br/gapz.asp
*
*
*
PUBLICIDADE:
RESTAURAÇÃO E RETOQUE DE FOTOS!
www.kidbrinde.webnode.com.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0