Nossos Vídeos

domingo, 21 de março de 2010

Consumo de chocolate pelas crianças deve ser controlado pelos pais

Não apenas na Páscoa, alimento não deve ser incentivado para prevenir obesidade precoce e desinteresse por alimentos como cereais, verduras e legumes tão difíceis de introduzir na dieta dos filhos

A Páscoa está chegando e com ela o desafio de pais e educadores para controlar nas crianças o desejo pelo consumo exagerado de chocolate. Como se não bastasse, os apelos publicitários relacionando ovos e coelhinhos aos personagens infantis mais queridos do público infantil, tornam a missão praticamente impossível. Diante da crescente preocupação com o desenvolvimento precoce da obesidade, a prevenção quanto ao consumo de açúcar e gorduras deve ser considerada uma estratégia importante nos primeiros anos de vida.
Segundo a professora doutora Cláudia Carneiro Hecke Krüger, chefe do Departamento de Nutrição da Universidade Federal do Paraná (UFPR), apesar de ser um alimento de alta densidade energética, rico em açúcares e gordura, o chocolate tem alguns efeitos benéficos ao organismo. Ele favorece, por exemplo, o sistema cardiovascular e em virtude de seu alto conteúdo em compostos fenólicos, o chocolate é um alimento com propriedades antioxidantes. “Por outro lado, as recomendações nutricionais para a população incentivam o consumo de alimentos ‘in natura’ e reforçam que o sal e o açúcar sejam utilizados com moderação. É recomendado também que alimentos como açúcar, café, enlatados e refrigerantes sejam evitados nos primeiros anos de vida”, destaca a professora.
A preocupação segundo a profissional tem suas justificativas. “Os primeiros anos de vida são fundamentais para o estabelecimento de hábitos alimentares saudáveis. O consumo dos alimentos acima mencionados, bem como de alimentos com teores muito elevados de açucares e gordura, pode prejudicar a qualidade da dieta”, argumenta Cláudia Carneiro. O resultado é o aumento de peso, ingestão deficiente de micronutrientes (podendo gerar anemias), e pode ainda ocasionar alergias alimentares.
Outro aspecto no consumo sem controle de alimentos saborosos na infância, como o chocolate na Páscoa, é que ele também pode ocasionar o desinteresse pelos cereais, verduras e legumes tão difíceis de introduzir na dieta dos filhos. A busca por uma alimentação livre de aditivos e toxinas, pobre em gordura e açúcares levou a dentista Jarzis Mari Angélica a mudar a rotina alimentar da família. “O objetivo é a saúde. A alimentação hoje realmente está matando as pessoas”, pondera Jarzis que, desde a gravidez do filho João Pedrom, tirou a carne vermelha, os açúcares e a farinha branca da lista de compras. “Para o nosso filho procuramos não estimular o consumo de doces e refrigerantes, buscando substitutos mais saudáveis”, diz. Hoje, com quatro anos de idade, João Pedro não come chocolate, chicletes, balas ou bolacha recheada.
E como criança não vive sem uma guloseima, o substituto encontrado na casa de João Pedro para o chocolate foi a alfarroba. Trata-se de uma vagem que, após a trituração e torrefação, resulta numa farinha, utilizada na alimentação no lugar do cacau e com amplas vantagens. Tem apenas 0,7% de gordura e um alto teor de açúcares naturais (de 38% a 45%), além de ser rica em fibras e não conter cafeína.
É de Curitiba a única empresa a industrializar a alfarroba na forma de substitutos ao chocolate no Brasil. À venda em casas especializadas, os produtos da CarobHouse vêm aos poucos sendo descobertos por portadores de doença celíaca, diabetes, pessoas com restrição à lactose, alérgicos ao cacau, com dificuldade em mebatolizar o açúcar ou que são sensíveis à ação de substâncias vasodilatadoras presentes no chocolate. “O chocolate tem seus pontos fortes e é uma paixão para grande maioria da população. Mas cresce o número de pessoas que evita o chocolate, por inúmeras razões, e a alfarroba preenche esta lacuna, com grande vantagem nutricional”, afirma a diretora comercial Eloísa Helena Orlandi.
Muito conhecida em outros países, e com várias pesquisas científicas atestando suas qualidades nutricionais, as propriedades da alfarroba vêm sendo objeto de pesquisa no Departamento de Nutrição da UFPR. Os estudos concluem que a farinha de alfarroba possui altos teores de fibras (+ de 40%) quando comparado com outras farinhas existentes no mercado, como as feitas com casca de maracujá, de milho e com farelo de casca de soja. Segundo o estudo, verificou-se que a alfarroba apresenta uma capacidade maior de retenção de água que as demais. “Esta capacidade aumentada de retenção da fibra pode indicar que a mesma propicia um maior volume do bolo alimentar e pode vir a reduzir a resposta glicêmica”, destaca a chefe do Departamento, professora doutora Cláudia Carneiro Hecke Krüger. Segundo ela, há indicativos que a farinha de alfarroba também exerça efeito de redução dos níveis de colesterol sanguíneo. Os estudos ainda não foram concluídos.
Linha de ovos da Carobhouse

Ovo de Alfarroba
Descrição: Sem Lactose, Sem Glúten, Sem Açúcar
Peso: 210g
Caloria: 116 cal (porção de 25g)
Sugestão de preço: R$ 22,00
Informação adicional: Sem qualquer ingrediente de origem animal






Ovo de Alfarroba com Banana
Descrição: Sem Lactose, Sem Glúten, Sem Açúcar
Peso: 210g
Caloria: 116 cal (porção de 25g)
Informação adicional: Sem qualquer ingrediente de origem animal
Sugestão de preço: R$ 22,00




www.carobhouse.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0