Nossos Vídeos

terça-feira, 23 de março de 2010

Fórum Urbano Mundial 5 recebe o primeiro ministro do Haiti e debate a reconstrução do país

Durante uma sessão especial sobre o Haiti, realizada nesta terça-feira (23) no, o Ministro das Cidades Márcio Fortes propôs um intercâmbio de experiências para ajudar na reconstrução do Haiti. "Uma ação pequena pode muitas vezes trazer grandes resultados", garantiu ele, que citou o Brasil como exemplo. "O Brasil se tornou um grande exportador de agronegócio e com isso, muitos profissionais voltaram para o campo. O Haiti precisa encontrar sua forma de reconstrução. Essa é uma oportunidade única para o governo haitiano", afirmou.
O primeiro ministro haitiano Jean-Max Bellerive citou as forças armadas brasileiras como um exemplo de construção de relação bem-sucedida entre um povo e uma força militar. E brincou: "Não sei se é por causa do futebol". Ele afirmou que veio ao País com um grande propósito: "Vim procurar soluções. Estamos levando muito a sério todas as ideias.”
A diretora da ONU para Assentamentos Urbanos, Anna Tibaijuka, comparou o fórum a um "mercado de ideias". Ela afirmou que a reconstrução sustentável de um país só pode ser feita por meio de liderança e parabenizou o trabalho do primeiro ministro haitiano.
O ministro Márcio Fortes fechou a coletiva que sucedeu a sessão especial insistindo na questão da sustentabilidade da reconstrução haitiana. "Temos de perguntar que tipo de atividades são rentáveis no ambiente haitiano.”
O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, destacou como o mundo e a ONU têm se pautado pela causa do Haiti. Ele falou do desafio da reconstrução do país, da necessidade de apoiar o governo eleito e de não intervir de forma direta.
A diretora Anna Tibaijuka reafirmou a magnitude do terremoto chamando-o de "um dos piores desastres da humanidade" e demonstrou preocupação também com o povo chileno. Ela relembrou que situações de
estresse geram violência e que mulheres e crianças são os grupos que
correm maior risco.
Em seguida, Anna leu a carta enviada pelo ex-presidente Bill Clinton, enviado especial da ONU ao Haiti. Nela, Clinton disse estar fazendo o máximo para ajudar na reconstrução do país e se mostrou feliz com a realização da solenidade dentro do Fórum Urbano Mundial 5. Ele disse que o Haiti continuará a precisar de ajuda durante um bom tempo e parabenizou o governo brasileiro por sua atuação.
O primeiro ministro do Haiti contou que esteve semana passada na cidade de Santo Domingo (na República Dominicana) preparando planos de ação e falou não em reconstruir, mas sim "reconfigurar" todo o país. Jean-Max frisou a necessidade de transparência neste processo por causa da imagem de corrupção transmitida por governos anteriores.
Para ele, o país está acostumado a lutar contra desgraças e a sua refundação econômica deve passar pelo desenvolvimento da exportação e da segurança alimentar, priorizando os tubérculos e os têxteis. Ele ainda afirmou que o governo haitiano precisa colocar a mão na massa já que 90% da ajuda logo após o terremoto vieram de outros países. Jean-Max se mostrou preocupado com a temporada de ciclones que está prestes a começar.
Planejamento a Ação
Durante coletiva de imprensa, o Ministro Márcio Fortes pontuou a importância de planejar ações uma vez que "os diagnósticos" já foram feitos. "Não se trata de uma questão apenas física, de construir casas, mas sim de pensar em como tratar a pessoa humana dentro da sociedade", comentou. Para ele, essa é uma questão mundial e o fórum deve ser usado para levar as melhores propostas para a reconstrução do Haiti.
Jean-Max Bellerive disse que o país que existia antes do dia 2 de janeiro não interessa mais a ninguém, "um país onde os serviços básicos não eram suficientes". Para ele, é possível oferecer uma alternativa viável. "O Haiti é um país com pouca violência, com um povo paciente que espera a solução do governo", afirmou o Primeiro Ministro.
Ele afirmou que a conferência de 31 de março em Nova York irá trazer soluções de curto e médio prazo para este ano fiscal. Ele destaca que essa não foi a primeira vez que um cataclismo atacou um governo e admitiu que o mesmo deveria estar mais bem preparado para o evento. "Precisamos aprender a lição de outros países", disse. Bellerive aponta que a conferência será importante por vários motivos, entre eles, a conquista da confiança de outros países e da criação de um agente fiscal para
gerenciar a reconstrução.
Siga o Fórum pelo twitter @WUF5
Para mais informações, entre em contato com a assessoria de imprensa do Ministério das Cidades pelo telefone 21 3514-2859.
Serviços
Fórum Urbano Mundial 5
Data: de 22 a 26/03/10
Local: Armazém 2 - Avenida Rodrigues Alves, Píer Mauá, Rio de Janeiro (RJ)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0