Nossos Vídeos

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Volvi, ou A Volta do Clown no Teatro de Arena

A montagem, com texto e direção assinados por Jair Alves, é uma homenagem ao diretor e dramaturgo Luis Antônio Martinez Corrêa e ao ator Adilson Barros.

A Fundação Nacional de Artes (Funarte) apresenta o espetáculo Volví, ou a Volta do Clown, com texto e direção de Jair Alves, que estreia no dia 11 de setembro, sexta-feira, no Teatro de Arena Eugênio Kusnet, às 21 horas. O texto foi escrito em homenagem ao diretor e dramaturgo Luis Antônio Martinez Corrêa e ao ator Adilson Barros. O enredo da peça é calcado na relação entre dois clowns, que inventam cenas para reproduzir o cotidiano e os sonhos de seus antecessores que, no limiar dos anos 70 até meados da década de 90, acreditavam num futuro promissor e libertário.

Em cena, uma trupe de atores, clowns, músicos e vagabundos partem para contar a história de dois grandes artistas que brilharam no cenário brasileiro, na década de 80. São eles, o diretor Luis Antônio Martinez Corrêa e o ator Adilson Barros, que fizeram parte da segunda geração de brasileiros adaptados aos novos tempos de forte industrialização do Brasil.

Volví foi encenada no México (1988) e em Washington (EUA, 1989). Esta é a primeira montagem oficial no Brasil. Nas versões anteriores, o autor fazia o protagonista, tarefa que foi repassada, agora, para Helena Cardoso, Julia Pires e Rennata Airoldi. O próprio Jair Alves completa o elenco, além de um coro de clows formado por Vivian Egidio, Mauricio Pazz, Thiago Fernandes e Suely Pinheiro, que ilustram as passagens de cena com vinhetas encenadas ao som de músicas de Chico Buarque de Hollanda, especialmente do repertório da Ópera do Malandro. Na versão atual do texto, um dos clows interpreta uma vidente que, ao contrário de revelar o futuro para seus consulentes, conta segredos do passado, não tão remoto, que podem interferir no presente. Como na origem do teatro grego, ela revela o teatro como substituto do psiquiatra social.

Esse texto foi escrito logo após a morte de Luis Antônio, no Natal de 1987, e acabou se transformando num libelo de uma geração que enfrentou a Ditadura Militar e trabalhou para a redemocratização do Brasil. Para o autor, Volví revive um período glorioso do teatro brasileiro, realizado pelo trabalho coletivo, que conseguia identificar os anseios da população, que ia para as ruas e para os teatros “sem medo de ser feliz”.

Luis Antonio Martinez Correa e Adilson Barros

Destaca-se nos trabalhos de Luis Antônio Martinez Correa a direção da Ópera do Malandro, projeto de sua juventude que, mais tarde (em 1978), foi concluído em parceria com Chico Buarque de Hollanda. Nele atuara Marieta Severo, Elba Ramalho, Ary Fontoura, Maria Alice Vergueiro, Otávio Augusto e outros. Tempo depois, também se envolveu em outra parceria, dessa vez com o compositor Caetano Veloso, para produzir a peça O Percevejo, de Maiakovski.


Já Adilson Barros, que havia trabalhado com Paulo Betti e Eliane Giardini, em Sorocaba, fazendo teatro amador, a partir de 1977, em São Paulo, dedicou-se de corpo e alma na reestruturação do Grupo Pessoal do Victor, com o qual estrelou as peças Na Carrera do Divino e Feliz Ano Velho. Nesses dois trabalhos ele se destacou, transformando-se em um dos melhores atores da sua geração.

Ambos nos deixaram, precocemente. Luis Antônio, assassinado brutalmente no Natal de 87, e Adilson Barros, vitimado por problemas psíquicos, 10 anos depois. Os dois se encontraram, profissionalmente, na Cooperativa Paulista de Teatro, em 1983, entidade criada pelo autor do texto, Jair Alves, e por Adilson Barros.

Espetáculo: Volví, ou A Volta do Clown
Texto e direção: Jair Alves
Concepção cênica: Grupo Mamão de Corda
Elenco: Jair Alves, Helena Cardoso, Julia Pires, Rennata Airoldi e coro de clows (Vivian Egidio, Mauricio Pazz, Thiago Fernandes e Suely Pinheiro).
Cenário e figurino: Dora Pinheiro
Luz: Jair Alves e Pablo Palumbo
Músicas: Chico Buarque de Hollanda
Musica composta eletronicamente: Mauricio Pazz
Produção: Thais Goldkorn - Cantagalo Produções
Estreia: 11 de setembro- sexta-feira – às 21 horas
Local: Teatro de Arena Eugenio Kusnet
Rua Dr. Teodoro Baima, 94 – Vila Buarque/SP - Tel: (11) 3256-9463
Temporada: sexta e sábado (21 horas) e domingo (20 horas) – Até 04/10/09
Ingressos: R$ 10,00 (¹/2 entrada: R$ 5,00) – Bilheteria: 1h antes das sessões.
Classificação etária: 14 anos - Gênero: Drama - Duração: 70 minutos
Capacidade: 99 lugares - Acesso universal e ar condicionado - Não aceita cheque/cartão.
Não possui estacionamento - Não faz reserva. http://www.funarte.gov.br/

*
*
*
*
Publicidade:




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0