Nossos Vídeos

domingo, 21 de março de 2010

Doenças ambientais aumentam exacerbação de problemas respiratórios crônicos

Com a chegada de temperaturas mais amenas e a proximidade de dias frios, portadores de doenças respiratórias como asma brônquica, bronquite crônica e enfisema pulmonar apresentam risco maior de exacerbações e manifestações agudas destes males.

“A junção de fatores como o ar frio e baixa umidade relativa comprometem as defesas do sistema respiratório, além do que a aglomeração de pessoas quando as temperaturas estão mais baixas, favorecem a contaminação por vírus e bactérias e, consequentemente, o aumento da ocorrência de infecções respiratórias”, comenta dr. Ericson Bagatin, presidente da sub-comissão de doenças ocupacionais da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT).

As chamadas doenças ambientais estão ligadas à poluição atmosférica, englobando, nesse contexto, os problemas ocupacionais, relacionados com os postos de trabalho. De acordo com estudo do Centro de Informações e Pesquisa Atmosférica da Inglaterra que analisou 20 metrópoles com a pior qualidade do ar, São Paulo é a 5º metrópole mais poluída do mundo.

Entre os milhões de mortes anuais que ocorrem em todo o mundo, 800 mil têm como causa em males respiratórios e cardiovasculares originados da poluição ambiental. A cada 10 microgramas por metro cúbico de poluentes acima do recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), o risco de câncer de pulmão aumenta em 12% . Em São Paulo, por exemplo, o registro médio é de 20 microgramas por metro cúbico acima deste padrão.

Como estratégias para minimizar os efeitos da poluição, o dr. Ericson sugere a utilização de medidas que possibilitem melhorar a umidade relativa do ar, especialmente nos locais com aglomeração de pessoas e nas residências. A utilização de vaporizadores ou umidificadores em grandes ambientes e de recipientes com água nos lares minimizam esses efeitos. Além disso, tomar as vacinas antigripais e, naqueles com indicação médica para a pneumonia, são estratégias eficazes para a prevenção dessas exacerbações.

Também é da máxima importância ressaltar que a cessação do tabagismo é mandatória, especialmente para aqueles com doenças cardiovasculares e respiratórias, uma vez que cerca de 5.000 substâncias são identificadas no cigarro, parte delas consideradas cancerígenas”, alerta dr. Ericson, que completa: “Os pacientes com idade avançada, portadores de doença pulmonar crônica devem procurar o médico logo que os primeiros sinais de exacerbação se manifestem, a fim de evitar complicações que podem ser fatais”.

A OMS alerta que, se os países adotassem medidas sérias para melhorar a qualidade do ar, cerca de 8 milhões de vidas seriam poupadas em todo o mundo até 2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0