Nossos Vídeos

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Atenção à linguagem corporal para chegar aos bolsos do cliente

Por Marco Roza

O vendedor, geralmente, se concentra nos produtos que vende. Fala do sapato, que puxa o cinto e a bolsa. Faz tudo para vincular a atenção do seu cliente à qualidade e preço das mercadorias e evitar qualquer distração, até fechar a venda.

Mas, cada vez mais, o vendedor (ou a vendedora) deveria se concentrar no consumidor e tentar captar todos os sinais que lhe estão sendo repassados: a entonação da voz, a mão suada, os olhos atentos e brilhantes, a expressão facial sublinhando o diálogo.

Estes sinais é que dizem se uma compra amadurece e está prestes a ser confirmada. Não pela escolha do sapato, do cinto ou da bolsa, mas pela realização plena da emoção que aquele consumidor ou consumidora veio até a loja experimentar.

Porque nenhum cliente vai até a loja apenas para comprar, por exemplo, um par de sapatos, do qual ele já sabe, de antemão, a cor e o número. Ele (ou ela) poderia ter escolhido qualquer loja ou pedido a alguém para fazer a compra.

Mas ao escolher a loja e ter a sorte de interagir com um vendedor só dele, a situação se eleva para um outro nível. O consumidor quer, a partir daquele instante, confirmar as justificativas que ensaiou durante semanas e meses para decidir-se por aquele produto e pagar por ele, sem culpas.

Por isso, vai transformar o relacionamento com o vendedor num prêmio e sairá da loja com um par de sapatos acompanhado, talvez, de um cinto e de uma bolsa. E só o fará se realizar, plenamente, as emoções que veio buscar.

Este relacionamento terá mais sucesso se quem vende se entregar, de verdade, à experiência que o consumidor veio confirmar na loja. Por exemplo, o sapato é bom por causa do preço e do conforto ou do diferencial estético e de afirmação da auto-estima de quem o usa? Outro exemplo, o novo par de sapatos, diante do anterior ali à mostra, gasto e velho, talvez signifique uma nova etapa na vida do freguês, que criará novos caminhos, com firmeza e convicção.

Como passar o novo contexto emocional para o freguês? Basta que preste atenção à sua linguagem corporal e que faça o contraponto, como no balé ou no teatro, complementando movimentos, ênfases, euforias.

Se o consumidor perceber que o vendedor está em sintonia com sua emoção e, ao mesmo tempo se convencer que os dois estão fazendo a coisa certa, a compra, então, se concretiza. Senão, o cliente sai da loja e vai se emocionar em outra freguesia.

Mais detalhes em http://asrazoesdosconsumidores.blogspot.com/ ou com Carla Barbariz, no telefone 0800-11-1239 ou 01132995999

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0