Nossos Vídeos

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

FESTAS DE FINAL DE ANO PODEM INFLUENCIAR NA SAÚDE DO CORAÇÃO

Pesquisas americanas mostram um aumento dos casos de doenças cardíacas entre dezembro e janeiro e um pico de ataques cardíacos entre Natal e Ano Novo, o que chamam de Holiday Heart Syndrome

Cardiologista Elias Knobel, autor do recém-lançado “Coração
 ...  é Emoção” (Ed Atheneu) afirma que o stress desta época do ano, com fechamento de projetos, metas, encontros familiares, compras de Natal, excesso de álcool, comida e a “obrigação” de se sentir feliz, podem ter efeitos  indesejáveis para a saúde cardíaca

Lugares iluminados e enfeitados, árvores de Natal, votos de felicidade, férias, festas e um novo ano que começa. Muitas coisas são boas no final do ano, mas especialistas fazem um alerta: esta época pode ter efeitos indesejáveis ao coração. De acordo com o cardiologista Elias Knobel, Diretor Emérito e Fundador do Centro de Terapia Intensiva do Hospital Israelita Albert Einstein, autor da recém-lançada obra “Coração ...  é Emoção” (Ed. Atheneu) as emoções e os hábitos relacionados a esta época do ano têm efeito direto neste órgão vital, principalmente para aqueles que já têm propensão às doenças cardíacas.  “Este fenômeno tem até uma expressão nos Estados Unidos, chamado de “Holiday Heart Syndrome”, que representa o conjunto de fatores que podem desencadear problemas de coração e até um ataque cardíaco nesta época do ano”, afirma Knobel.


Um estudo realizado pela Universidade da Califórnia que analisou as 53 milhões de mortes do coração que ocorreram nos EUA entre 1973 e 2001 mostrou um maior número de mortes entre os meses de dezembro e janeiro, com picos durante o Natal e Ano Novo. Estudos mais recentes mostram a mesma incidência.

Para Knobel, fatores como excesso de bebida alcoólica e comida desempenham papel fundamental nestes índices. “É muito comum durante o plantão de Natal recebermos pessoas com quadro de síncope e arritmia. Bebem e comem mais que a conta e acabam passando mal e prejudicando o coração”, afirma.

O stress - característico desta época - com fechamento de projetos, metas, corrida para as compras de final de ano, encontros familiares e um salário que nem sempre dá para pagar as contas do ano, também é um vilão para a saúde cardíaca.  “Muitas vezes, a pessoa não tem doença coronária, mas com esta carga de stress, cai e desmaia. Isso é um efeito direto de substâncias como a adrenalina e de outras   que  podem afetar     o coração. E, se tiver  alguma obstrução nas artérias coronárias, os efeitos  poderão ser maiores”, explica.

Outro fator são as emoções, tão afloradas no final do ano. Quando negativas, podem afetar a saúde cardíaca, como Knobel explica no livro recém-lançado “Coração ...  é Emoção”, da Editora Atheneu. “Há no Natal aquela obrigação de estar feliz e nem sempre as pessoas estão propensas a isso, porque estão em luto, brigados com a família, doentes, sozinhas, etc”. No livro, Knobel  e os diversos colaboradores explicam  como a depressão, raiva e hostilidade têm influência direta no coração. “A depressão é acompanhada de uma incidência maior de problemas cardíacos. Depois de problemas coronarianos , pacientes com depressão têm mais complicações”, afirma.

Felicidade e Prudência
Para Knobel, também há aspectos positivos em relação a esta época para a saúde do coração. “É um período muito bonito, de muita confraternização. Quando a pessoa consegue entrar no clima das festas, o coração só sai ganhando”, explica. Quanto à comida e à bebida, é bom maneirar. “Tudo que é em excesso prejudica não só o coração, mas todos os órgãos do corpo. Prudência é a palavra de quem tem saúde”, explica.

Por que as pessoas têm mais problemas de coração nesta época?
·        Excesso de bebida alcoólica
·        Férias, festas e viagens – pessoas relaxam da dieta equilibrada
·        Excesso de sal nas comidas
·        Stress de encerramento de ano – fechamento de projetos, metas, obrigações, contrariedades,   cansaço do ano, compras, dinheiro, encontros familiares
·        Depressão e tristeza causadas pelo período
·        Falta de Adesão aos tratamentos
·        Adiamento de ir ao médico e resolver problemas de saúde

Curso de Especialista em Materiais para implantes

Curso de Especialista em Materiais para implantes recebe inscrições até 11 de fevereiro de 2011

Com carga horária de 392 horas, há 24 vagas disponíveis


A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está oferecendo vagas para 3ª turma do curso de especialização lato sensu em Materiais para Implantes Ortopédicos e Odontológicos. As inscrições podem ser feitas até 11 de fevereiro de 2011.
O curso tem carga horária de 392 horas e busca oferecer ao aluno uma visão geral sobre materiais utilizados em implantes ortopédicos incluindo metais, cerâmica e polímeros. Serão abordados itens como a correlação estrutura/propriedade e processamento, bem como ensaios mecânicos específicos para materiais utilizados em implantes.
Com 24 vagas disponíveis, o curso é direcionado a profissionais com curso superior completo e que atuem na área de materiais para implantes ortopédicos e odontológicos, tais como fabricantes, médicos, dentistas, profissionais da área de saúde, importadores e profissionais de interesse na área.
O objetivo do curso é capacitar novos profissionais e oferecer reciclagem e aprofundamento para profissionais da área, por meio de aulas teóricas e teórico-práticas, ministradas por professores especialistas, mestres e doutores com reconhecimento científico-didático quanto aos tipos de materiais utilizados, suas propriedades, processos de fabricação, riscos, projetos, entre outros aspectos.
Os alunos matriculados e aceitos para ingressar no curso terão início às atividades em 19 de março de 2011 e com previsão de término para março de 2013.
Mais informações sobre os cursos, processo de seleção e inscrições podem ser encaminhadas para os e-mails silviam@ccdm.ufscar.br ou andressa@ccdm.ufscar.br.

Fonte: Tatiane Liberato

NOVA ARNO LAVETE MAXX LAVA 6 KG DE ROUPAS

Com capacidade ampliada, máquina acompanha o aumento da família brasileira


A Arno, marca da primeira máquina semi-automática do mercado, lança em novembro a Lavete Maxx 6 kg, com nova capacidade e realmente capaz de lavar com eficiência na quantidade máxima. A nova Lavete Maxx possui quatro programas de lavagem, para os mais variados tipos de tecido (leve, normal, pesado e superpesado). O produto é comercializado em todo o Brasil, com preço sugerido de R$ 399,99.

A eficiência da Arno Lavete se deve ao sistema Maxx Turbina, que demonstra na prática ser mais eficiente no processo de lavagem das roupas. A nova lavadora funciona por tombamento e possui o filtro com dupla captação para proteger as roupas durante a lavagem. Além de estrutura interna que garante perfeita lavagem de todos os tipos de tecido.

A Arno Lavete Maxx 6 kg ganha também um design mais robusto, com linhas marcantes, e alças laterais, que facilitam o transporte do produto. Outra novidade é a tampa com alça frontal anti-deslizante e anti-impacto, garante segurança e durabilidade.

“A Arno mais uma vez inova o mercado de máquinas semi-automáticas com o lançamento da Lavete Maxx 6 kg. Realizamos diversos testes e a nova semi-automática da Arno comprovou ser um produto de melhor performance, capaz de lavar seis quilos de roupas com alta eficiência, ponto diferencial da marca Arno”, comemora Joaquim Alfani, gerente de Produtos Home Comfort & Linen Care do Grupo SEB.

A Lavete Maxx 6 kg economiza cerca de 20 litros de água por lavagem – são mais de 2.880 litros por ano. “Essa economia impacta no bolso do consumidor e na preservação do planeta. Os 20 anos de experiência e tradição da marca Arno em semi-automáticas permitiram a evolução para a Lavete Maxx, comprovadamente um produto que oferece excelente performance, e que por isso se mantém na preferência dos consumidores”, finaliza Joaquim Alfani.

A nova Lavete Maxx 6 kg pode ser encontrada nas principais lojas do varejo e nas Home & Cook abaixo:

Home & Cook - Anália Franco
Av. Regente Feijó, 1.739 – Loja 0809 / Piso Orquídea
Jardim Anália Franco – São Paulo – SP – Cep: 03342-000
Tel: (11) 2268-2959

Loja Home&Cook – Shopping Morumbi
Av. Roque Petroni Júnior, 1.089
Lojas 232/233 L
Jardim das Acácias – São Paulo – SP
Tel.: (11) 5181-2651 / 5181-2934

Loja Home & Cook – Shopping Ibirapuera
Av. Ibirapuera, 3.103
Loja 051 - Piso Campo Belo
Moema – São Paulo – SP
Tel.: (11) 5561-9568

Loja Home & Cook – Viver Casa & Gourmet
R. Estela, 116
Vila Mariana – São Paulo – SP
Tel.: (11) 5572-9590


SAC 0800 119933 / www.arno.com.br

Acervo do Glauber Rocha é adquirido pelo Ministério da Cultura

Em Salvador, haverá sessão especial de exibição do primeiro filme do cineasta, Leão de Sete Cabeças

Brasília, 17 de dezembro de 2010 -  O ministro da Cultura, Juca Ferreira, vai anunciar oficialmente a aquisição do Acervo de Glauber Rocha pelo Ministério da Cultura para acesso público. O evento será realizado em Salvador, nesta segunda-feira, dia 20, às 20h, no Espaço Unibanco de Cinema Glauber Rocha. O secretário de Cultura da Bahia, Márcio Meirelles, também estará presente.

Durante o ato público, haverá uma sessão especial gratuita, às 21h, do primeiro filme - Leão de Sete Cabeças - feito pelo criador do Cinema Novo, Glauber Rocha,  gravado fora do Brasil e totalmente restaurado. O filme, que nunca havia sido exibido nos cinemas do país, expõe o colonialismo europeu sobre a África e as tentativas do povo nativo em se libertar desse domínio.

Para o ministro da Cultura, Juca Ferreira, “Glauber Rocha sempre repercutirá na Cultura brasileira exatamente pela transcendência da sua obra filmográfica.. Glauber não se traduz em reduções simplórias. Não se explica em dois minutos. Não se define exatamente pelo seu permanente estado de combustão criativa nessa militância apaixonada.”

Ainda durante a sessão especial será anunciado o lançamento do DVD duplo do filme, que terá distribuição posterior entre as instituições participantes do projeto, cineclubes e faculdades de cinema.

Acervo - No conjunto estão os 22 filmes feitos por Glauber, além de 80 mil documentos, que incluem sua correspondência pessoal, roteiros de filmes, peças de teatro, poemas e romances. Deste total, 223 roteiros e projetos de livro permanecem inéditos.. O investimento do Ministério da Cultura na compra do acervo foi de R$ 3 milhões.

"A família tem plena noção da importância de Glauber para a cultura brasileira, e nós temos condições melhores para preservar este material", afirma o ministro.

A compra do acervo faz parte de uma política maior de aquisição de obras do cinema brasileiro por parte do ministério, que vai disponibilizá-los ao público na Cinemateca. "Boa parte da memória do cinema nacional se perdeu, porque a preservação sempre foi precária. E, hoje, na Cinemateca, temos os melhores equipamentos do mundo para isto", diz o ministro.

Recuperação Cinematográfica - A cópia original do filme Leão de Sete Cabeças foi entregue à Cinemateca Brasileira – instituição vinculada ao Ministério da Cultura -, em 2009, após permanecer mais de 30 anos na Cineteca Nazionale di Roma, na Itália.
O processo de restauração permitiu a confecção de uma nova matriz em alta definição e um novo negativo em 35mm. A versão original do áudio em vários idiomas foi recuperada a partir de uma única cópia em 35mm, que estava em avançado estado de deterioração, e de fitas Umatic.

A restauração da obra faz parte da segunda fase do projeto Coleção Glauber Rocha, que já restaurou: Barravento, Terra em Transe, O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro e A Idade da Terra. Os filmes Cabeças Cortadas, Claro, Câncer e História do Brasiltambém serão restaurados na fase atual do projeto.

Serviço

Exibição do filme Leão de Sete Cabeças

Espaço Unibanco Glauber Rocha – Praça Castro Alves, s/n, Centro, Salvador

Entrada gratuita

20/12/2010, às 21h


Fonte: Secretaria da Cultura

Escola Panamericana abre cursos de Moda em 2011


História da Moda, Personal Stylist, Desenho de Moda, Design Têxtil e Coleção de Moda

A moda se desenvolve em ritmo acelerado no Brasil e, com sua evolução, cada vez mais jovens sonham em se tornar estilistas, atuar nos bastidores das grandes coleções ou até mesmo atuar ensinando as pessoas a como usar essas peças de forma inteligente e chique. A arte de desenhar, recortar e criar tendências exige técnica e atenção ao comportamento social. Nesse sentido, uma formação escolar de qualidade faz a diferença na hora de entrar nesse mercado de trabalho tão competitivo.

Na Panamericana Escola de Arte e Design há cursos de curta duração, com 36h, que fornecem aos alunos uma formação teórica e prática extremamente completa, englobando não apenas sua execução em situações reais, mas também resgatando a história da moda, essencial para uma compreensão maior do trabalho desse profissional.  Um desses cursos é o de Personal Stylist, com duração de 30h. Nele os alunos vão aprender a como atuar como consultor de imagem, personal stylist ou personal shopper. As disciplinas incluem aprendizados sobre o que é o conceito de estilo, o uso de acessórios, traje para cada ocasião, os diferentes tipos físicos e o uso de cores e formas, entre outras. 
Disponível na unidade Angélica (Av. Angélica, 1900/ SP), o curso de História da Moda tem como objetivo examinar a história da moda em suas relações com as manifestações artísticas e da cultura em diversos períodos, discutir as relações sócio culturais relacionadas ao uso das roupas desde a segunda metade do século XIV até a contemporaneidade e evidenciar as ligações entre a moda contemporânea e os diversos períodos históricos.

No curso Coleção de Moda, o aluno conhecerá as principais etapas percorridas pelo designer de moda, desde o planejamento até o desenvolvimento de uma coleção. Também saberá desenvolver a capacidade de pesquisa para um público-alvo ou marca específica. As aulas são ministradas na unidade Angélica.

Os cursos de Desenho de Moda e Design Têxtil são destinados àqueles que pretendem dar os primeiros passos ou aprimorar seus conhecimentos, como estudantes de moda, design e comunicação. Prevê o ensino de técnicas e ferramentas atuais, pesquisa de tendência, cores, desenvolvimento de elementos e composição, projeto e criação. Interessados no curso de Desenho de Moda podem fazer aulas na unidade Groenlândia (Rua Groenlândia, 77 – Jd. Europa), já os de Design Têxtil, apenas na unidade Angélica.

Para mais informações sobre os cursos, os interessados podem acessar o site: www.escola-panamericana.com.br ou ligar para as unidades da Escola que ministram os temas de sua preferência. As vagas são limitadas e a matrícula pode ser feita, em todos os cursos, até o dia 18 de agosto. A isenção da taxa de matrícula só é válida até dia 03 de janeiro de 2011.


 Início dos Cursos e locais das aulas:

·         História da Moda – início das aulas: 23/03
(19h30 às 22h/ apenas unidade Angélica) – R$1110,00 à vista ou 3X de R$370,00 – taxa de matrícula R$300,00 (isenta até 03/01)

·         Personal Stylist – início das aulas: 27/04
(19h30 às 22h30 - 2ª e 4ª – apenas unidade Angélica - R$1110,00 à vista ou 3X de R$370,00 – taxa de matrícula R$300,00 (isenta até 03/01)

·         Desenho de Moda – início das aulas: 29/03
(14h às 17h/ 3ª e 5ª/ apenas unidade Groenlândia) – R$1110,00 à vista ou 3X de R$370,00 - taxa de matrícula R$300,00 (isenta até 03/01)

·         Design Têxtil – início das aulas: 29/03
(09h às 12h ou 14h às 17h / 3ª e 5ª/ apenas unidade Angélica) - R$1110,00 à vista ou 3X de R$370,00 – taxa de matrícula R$300,00 (isenta até 03/01)

·         Coleção de Moda – início das aulas: 29/03
(19h30 às 22h30/ 3ª e 5ª/ apenas unidade Angélica) - R$810,00 à vista ou 3X de R$270,00 – taxa de matrícula R$300,00 (isenta até 03/01)


Unidades Escola Panamericana:

Unidade Groenlândia
R. Groenlândia, 77
(11) 3887-4200

Unidade Angélica
Av. Angélica, 1900
(11) 3661-8511

SERVIÇO DE ARRUMAÇÃO DE MALAS PARA A LUA DE MEL‏

A estilista Patricia Granha Bourgeaiseau está lançando o serviço "Honeymoon Luggage" para ajudar noivas a arrumarem suas malas de acordo com todas as situaçõeos de seu destino na lua de mel. Para isso, a estilista vai à casa da noiva e, junto com ela, escolhe e orienta sobre as roupas e acessórios mais apropriados para a viagem. As peças são eleitas de acordo com o roteiro e, também, com intenção de valorizar a mulher. "Esta orientação sempre deixa a noiva mais segura e confiante", explica Patricia.

A consultoria não para por aí. Quando é necessário, Patricia Granha Bourgeaisau ainda dá sugestões sobre peças que precisam ser renovadas e indica os melhores endereços.

"Quando isso acontece, vamos às compras juntas. Conseguimos otimizar o orçamento de tal modo que a noiva consegue adquirir roupas que vão faze-la ficar deslumbrante na sua viagem, sem gastar muito", completa. O serviço custa R$ 300 por quatro horas de consultoria, mais R$ 100 por hora adicional.




Sobre a estilista Patricia Granha Bourgeaiseau

Formada em Moda pela Faculdade Santa Marcelina em 1998, já no ano seguinte foi chamada para trabalhar na Equilíbrio, com Márcia Gimenez. Lá, Patricia adquiriu uma visão apurada e muito conhecimento, o que possibilitou a abertura da Jardim Secreto, loja-ateliê especializada em vestidos de festa, cocktail dresses e alta-costura para noivas. Fazer moda na família de Patricia Granha Bourgeaiseau é coisa antiga. O avô dela era alfaiate e sempre incentivou tudo relacionado à costura. A neta aprendeu muito bem esta e outras lições. Por exemplo? Em todas as suas criações, a estilista dá total importância a um bom acabamento.

Jardim Secreto: Rua Cristiano Viana, 67 – casa 9 – Pinheiros – São Paulo – SP

Fonte: Caroline - Key Press

DIVERSÃO COM MODERAÇÃO NAS FESTAS CORPORATIVAS‏

DOUTOR RISADINHA RECOMENDA NAS FESTAS CORPORATIVAS DE FINAL DE ANO DIVIRTA-SE COM MODERAÇÃO

Ôba, está chegando a Festa de Confraternização do Final de Ano na empresa! Vai ter amigo secreto, vamos comemorar os resultados superados, vamos bebemorar e virar o caneco até.... ôôps, pode parar!
Marcelo Pinto, o Doutor Risadinha, recomenda moderação nas comemorações de final de ano, para que não haja constrangimentos no dia seguinte e até alguma conseqüência maior.
É claro que devemos aproveitar a festa, por ser um merecido momento de comemoração, alegria e descontração (aliás, um dos poucos no decorrer do ano, proporcionados por algumas empresas), mas devemos usufruir deles, sempre com bom senso, para que não haja exageros e prejuízos ao final da diversão.
Por isso, recomendo cautela com as gargalhadas espalhafatosas (inclusive após aquela piada do chefe que todos estão carecas de ouvir), com as brincadeiras de mau gosto e atitudes inconvenientes, principalmente embaladas pela “deliciosa” caipiroska e “geladíssima” cerveja, consumidas indevidamente para quebrar o gelo e despertar os ânimos.
Assim como em todas as festas, devemos procurar rir COM os colegas e não DOS colegas, para isso, uma forma legal de “sair bem na foto”, é participar ativamente das brincadeiras programadas pelos organizadores, que já contam com a aprovação prévia da direção.
E por falar na direção, recomendo que esta participe do início ao final da festa, pois a coisa mais desagradável, é ver o Gerente Geral e seu staff chegar no meio da festa, falar meia dúzia de palavras para agradecer um ano inteiro de dedicação, e depois de uma hora, sair ‘à francesa’, deixando a impressão de que a festa não é para ele.
Enfim, vamos comemorar sim! Vamos nos divertir sim! E dar muitas risadas; mas juntos, independente do nível hierárquico, com permissão, equilíbrio e moderação, usando o bom senso nas atitudes, intenções e principalmente na bebida, ainda mais se estivermos dirigindo.
Adotadas as devidas cautelas, vamos tornar a festa deste final de ano um evento inesquecível, no bom sentido, aproveitando para colocar o riso em dia, revendo colegas que na correria do dia-a-dia acabam se desencontrando, sempre agindo com descontração e alegria, mas lembrando que no ano que vem tem mais!
Para maiores informações contate o Doutor Risadinha através do e-mail marcelopinto@doutorrisadinha.com ou espacodoriso@gmail.com e visite seu blog Espaço do Riso clicando no link: http://doutorrisadinha.blogspot.com.

Qualificação e salário do professor no PNE 2011/2020

*Francisca Romana Giacometti Paris
 
No último dia 14 de dezembro, o projeto de lei que estabelece o Plano Nacional de Educação (PNE) foi apresentado pelo então ministro da Educação, Fernando Haddad. No plano, que deverá vigorar na próxima década (2011-2020), constam vinte metas que devem ser atingidas em todo o território nacional. São metas claras, possíveis e tangíveis que contemplam a educação básica e o ensino superior.
Entre as vinte - todas de igual importância -, destaco duas delas, que subsidiarão alguns de meus comentários. O projeto do PNE 2011/2020 objetiva que 50% dos professores da educação básica sejam formados em nível de pós-graduação lato e stricto sensu, além de propiciar a garantia de formação continuada a todos. Tal meta é muito significativa, uma vez que um dos problemas fundamentais da educação básica está diretamente relacionado à formação dos professores.
Privados da educação continuada, professores estão enfrentando, solitariamente, situações complexas de ensino e aprendizagem, bem como de gestão da sala de aula e de conflitos, sem ter as ferramentas teóricas e práticas que lhes proporcionem condições de intervenções eficazes.
Saber como o aluno aprende, criar situações de aprendizagem, saber avaliar por meio de instrumentos corretos e mobilizar o grupo e/ou a classe para realização de um projeto educacional coletivo não são tarefas fáceis. Elas precisam ser realizadas por profissionais bem formados, que não podem ser substituídos por pessoas que tenham apenas boa vontade de ensinar, por mais bem intencionadas que sejam as motivações de cada um. O voluntariado é muito bom para a escola, quando não ocupa espaços pedagógicos formais, onde a intencionalidade educativa seja imperativa.
Outra meta que enfatizo diz respeito à valorização do magistério público da educação básica, com a finalidade de aproximar o rendimento médio do profissional do magistério do rendimento médio dos demais profissionais com escolaridade equivalente.
A questão da valorização do magistério é essencial para que os professores possam realizar suas tarefas com dignidade. É evidente que apenas oferecer um salário maior não irá comprometer nem qualificar o corpo docente, visto que possibilidades culturais e de lazer são também fundamentais, mas é imprescindível que haja políticas de ampliação das remunerações. Isso juntamente com políticas de avaliação externa de docentes, discentes e gestores, que indiquem intervenções técnicas de nossos gestores públicos, a fim de dar saltos na qualidade da escola pública.
Ao final fica uma pergunta que há tempos não consigo responder: por que um professor pode valer menos que seus demais colegas profissionais de outras áreas?
 
 
* Diretora pedagógica do Agora Sistema de Ensino (www.souagora.com.br), pedagoga, Mestre em educação e ex-secretária de Educação de Ribeirão Preto (SP)

Secretaria da Saúde promete fornecer medicamento para pacientes de Gaucher

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo prometeu nesta sexta-feira (17/12) fornecer aos pacientes de Gaucher o medicamento Imiglucerase. Uma comissão de pacientes, liderada por Pedro Stelian, presidente da Associação Paulista dos Portadores da Doença de Gaucher, foi recebida após um protesto realizado diante da Secretaria, do qual participaram cerca de 30 pessoas entre familiares e pacientes.
 
Saíram do local com a promessa de que o medicamento será fornecido mediante apresentação de receita médica.
Há mais de dois meses sem o medicamento Imiglucerase, os 172 pacientes do Estado obtiveram um mandado de segurança que obriga a Secretaria da Saúde a comprar e distribuir o remédio que mantém a doença controlada. Mas, embora o prazo do cumprimento do mandado, determinado pelo juiz da 11ª Vara da Fazenda Pública, Dr. Domingos de Siqueira Franscino, tenha se encerrado no dia 26 de novembro, a Secretaria não fez a aquisição até esta sexta. Nem estava pagando a multa de R$ 1.000 para cada dia de atraso.
Antes da promessa da Secretaria ser anunciada, a Associação dos Portadores já havia entrado com uma ação na Corregedoria da Justiça, pedindo que o mandado de segurança seja executado.
A maioria dos familiares e pacientes presentes à manifestação disse que a falta de medicamento vem sendo sentida há três ou quatro meses. É o caso de Gislaine Ernandes, 18 anos, Kelly Lima Queiroga, 20, Daniel Binotto Morais, 28, Ricardo Pereira de Souza Magalhães, 22, e Raquel Antonia da Silva, 26, entre outros. Chorando e pedindo através de megafone que a secretaria se pronunciasse, Olinda Ferreira de França contou o drama de seus dois filhos gêmeos, de 22 anos, que precisam urgentemente do medicamento.
Outros pacientes disseram estar tomando doses reduzidas de Imiglucerase. É a situação de Brenda Milena Vieira Januário, de 11 anos, que está com um nódulo hepático. Ou das irmãs Gabriela e Flávia Souza Gama, de 11 e 21 anos. Gabriela toma um quinto da dose necessária e Flávia, um terço. Já Lucas de Freitas, 16, disse que está conseguindo tomar apenas metade da dose recomendada por seu médico.
Caso a promessa da Secretaria não seja cumprida, os pacientes prometem fazer nova manifestação na próxima quarta-feira, dia 22/12. 
 
Sobre Gaucher
A Doença de Gaucher é uma enfermidade genética. Seus portadores não têm um tipo de enzima, a glicocerebrosidase, responsável pela absorção de um substrato lipídico (tipo de gordura) pelas células. Isso faz com que essa gordura seja depositada, principalmente, nos tecidos do fígado, do baço, do pulmão e da medula óssea. Ela provoca aumento do fígado e baço causando desconforto abdominal, anemia, sangramentos, cirrose, fibrose, varizes de esôfago, dores nos ossos e fraturas espontâneas. Nesse período sem receber a medicação, vários pacientes já apresentaram vários desses sintomas. Numa modalidade mais grave também ataca o sistema neurológico e pode levar à morte.
 
Mais informações:
Associação Paulista de Portadores de Doença de Gaucher
Ex-Libris Comunicação Integrada (11) 3266-6088
Fernanda Mira fernanda@libris..com.br ramal 234 / (11) 8229-2660

CDHU entrega novo viaduto na Vila Jacuí

Na próxima segunda-feira, 20 de dezembro, a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) entrega mais uma importante obra do Projeto Pantanal, na zona leste da Capital: um novo viaduto, que ligará a Vila Jacuí à Avenida Assis Ribeiro, transpondo a linha férrea da CPTM. A cerimônia de inauguração será as 10h30, na Avenida Assis Ribeiro, altura do n.º 10.170. O novo viaduto faz parte do Projeto Pantanal, uma ação integrada do Governo do Estado, desenvolvida em uma área de cerca de 900 mil m², onde estão localizados os núcleos União de Vila Nova e Vila Nair e os empreendimentos Vila Jacuí A e B. O projeto já promoveu a construção de novas moradias e obras de urbanização, como implantação de redes de água, esgoto, drenagem e energia elétrica, iluminação pública, pavimentação, paisagismo, sistema de lazer e canalização de córregos. A intervenção está beneficiando 8.300 famílias.

Livro apresenta as novas perspectivas de projetos para moradias populares

O secretário de Estado da Habitação e presidente da CDHU, Lair
Krähenbühl, durante o lançamento do livro "Sustentabilidade e inovação na
habitação popular: o desafio de propor modelos eficientes de moradia" .
Foto: Mariana Saraiva
Publicação da CDHU e IAB-SP aborda aspectos e histórico da produçãooficial de moradias populares e projetos inovadores para atender a população de baixa renda.

O livro "Sustentabilidade e inovação na habitação popular: o desafio de propor modelos eficientes de moradia" tem tudo para se tornar referência nos novos projetos de empreendimentos de Interesse Social no Brasil.

 Lançada nesta quinta-feira, 17 de dezembro, em São Paulo, pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), a publicação, escrita também em inglês, traz depoimentos e projetos que buscam novas propostas arquitetônicas destinadas à população de menor poder aquisitivo. "A habitação popular precisa de qualidade, sustentabilidade e também de estética. A baixa renda precisa de projetos melhores.

Em São Paulo, já adotamos uma série de mudanças, como o terceiro dormitório, o aquecedor solar, entre outros. Esse livro mostra que é possível fazer bons projetos para a habitação de Interesse Social", disse Lair Krähenbühl, secretário de Estado da Habitação e presidente da CDHU.

A primeira parte do livro é dedicada aos aspectos da arquitetura oficial para moradias populares. Especialistas discorrem sobre como até recentemente se trabalhava a questão do espaço, com tipologias monótonas, e como será a nova perspectiva de atendimento habitacional para a habitação popular, com soluções que respeitem as cidades e as pessoas e propostas que levam em consideração a sustentabilidade e a acessibilidade.

O leitor poderá conferir na segunda parte da publicação, os projetos vencedores do concurso "Habitação para todos ? Concurso Nacional de Projeto de Arquitetura de Novas Tipologias para Habitação de Interesse Social Sustentáveis", promovido pela CDHU e pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-SP).

Dirigido a arquitetos de todo o país, o concurso teve como objetivo a criação de novos projetos para moradias populares sustentáveis que contemplem melhor técnica, preço e prazo de execução. Os trabalhos apresentam propostas inovadoras, práticas e aplicáveis que abordam a habitação de forma contemporânea desde a escolha do terreno até a pós-ocupação. Um dos quesitos obrigatórios era prever soluções de acessibilidade com base nos conceitos do Desenho Universal.

Os projetos foram divididos em seis categorias os trabalhos vencedores estão sendo contratados pela CDHU para construção de novos conjuntos habitacionais no Estado de São Paulo. O livro estará disponível no escritório do IAB-SP (Rua Bento Freitas, 306, 4º andar, Vila Buarque, Centro, São Paulo) e no site da CDHU ( www.cdhu.sp.gov.br), em versão digital.

Obesidade, Diabetes e Tratamento

Essa semana a obesidade foi notícia de primeira página em alguns dos principais jornais do país em virtude da divulgação realizada pelo Ministério da Saúde (MS) de um estudo que mostra o sobrepeso e suas consequências, sobretudo o Diabetes Tipo 2, como um problema muito sério e que deverá ser atacado, caso o Brasil não queira se equivaler, em poucos anos, a números americanos de obesos mórbidos.
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica(SBCBM) vê com enorme preocupação a expansão desses dados. A SBCBM apóia firmemente medidas de prevenção desse desastre com atitudes de educação, mudança de estilo de vida e higiene dietética. Mas, se admira que nessas matérias não se tenha tocado no tratamento da obesidade e do Diabetes já estabelecidos, muito menos no seu tratamento cirúrgico.
Há no estágio atual de conhecimento o consenso que a obesidade é uma doença crônico-degenerativa cujo melhor tratamento é o cirúrgico, quando se compara as complicações da evolução da doença tratada clinicamente com os pacientes operados. Está além do escopo desse artigo discutir a via de acesso e o tipo de operação. Entretanto, diversos estudos mostram cabalmente que, não só os doentes conseguem permanecer magros com mais facilidade, viver mais e não adquirem, ou interrompem, as afecções típicas da obesidade, qualquer que tenha sido a técnica utilizada.
Dessa forma, fica a nossa estranheza, que os projetos de levar a possibilidade do tratamento cirúrgico aos indivíduos já obesos, sequer tenham sido ventilados.
No caso específico do Rio de Janeiro a situação é catastrófica, pois o cidadão que recorre aos hospitais públicos, terá a oportunidade de ter seu pé amputado. Porém, não terá a possibilidade de evitar que isso aconteça, já que não há um único Serviço de Cirurgia Bariátrica em funcionamento.
Essa catástrofe é ainda pior quando nos deparamos com o Diabetes, pois seu tratamento cirúrgico é solenemente ignorado nos hospitais públicos fluminenses.
Pesquisa encomendada pela SBCBM, entre agosto e novembro de 2009, mostra que o Índice de Massa Corporal (IMC) médio dos diabéticos tipo 2 brasileiro, é de 28,6kg/m2. São pacientes com pequeno sobrepeso em relação ao ideal, que é de até 25kg/m2. Ou seja, nem seriam considerados ”gordinhos”.
Segundo o estudo do MS, 5,8% dos brasileiros são diabéticos e essa taxa tende a subir. Falando assim, parece pouco, mas são 11.200.000 - onze milhões e duzentos mil - brasileiros com a terceira causa de morte no pais, atrás apenas das causas coronárias e cardiovasculares.
Aí dá-se um fenômeno interessante, pois as complicações mais graves do Diabetes e da obesidade são as vasculares. Quantos desses enfartos do miocárdio e acidentes cerebrais terão sido causados por diabetes mal controlados e/ou obesidade mórbida? Vê-se, por esse ângulo, a enormidade do problema.
Na visão da SBCBM, os custos do tratamento cirúrgico seriam plenamente justificáveis se os nossos elaboradores de políticas de saúde soubessem ao certo quanto custa um diabético por ano e o impacto disso no orçamento dos indivíduos e do país.
Em estudo publicado esse ano, Tom C. Hall e colaboradores indicam que no Reino Unido as despesas de controle e tratamento do Diabetes e suas patologias relacionadas, monta a 5% do orçamento do sistema de saúde britânico. Isso significa £3.500.000.000,00 - três bilhões e quinhentas milhões libras esterlinas ou R$ 9.297.400.000,00 nove bilhões duzentos e noventa e sete milhões e quatrocentos mil reais. Além disso, há os custos dos hospitais, das pessoas e dos Serviços Sociais.
Essa conta astronômica precisa ser feita por nós, de maneira que possamos avaliar com seriedade a possibilidade de oferecer um modelo terapêutico seguro, construído dentro de padrões éticos e científicos, para milhões de cidadãos que são obesos, não por que querem sê-lo e ainda mais, são diabéticos, ainda que não obesos.

Dr. Mário Victor de Faria Nogueira
Representante da SBCBM no CFM
Dr. Ricardo Vitor Cohen
Presidente da SBCBM

Fonte: Rafael Ernandi

Centro de Acolhida Especial para Idosos "Morada São João"

A Secretaria Municipal de Assistência Social amplia o serviço destinado a população idosa e inaugura no próximo dia 23/12, às 10h30, mais uma moradia para idosos de ambos os sexos, que estão albergados na rede socioassistencial. Trata-se do Centro de Acolhida Especial para Idosos Morada São João, localizado no entroncamento da avenida São João com a Barão de Campinas e o Largo do Arouche, na região central da cidade.

O novo equipamento vai ser instalado no edifício Oscar Souza Pinto, construído nos anos 30 e que por décadas abrigou o Hotel Atlântico, o favorito dos prefeitos que vinham do interior para São Paulo nas décadas de 60 e 70.
Com cinco andares, o prédio vai abrigar 220 idosos em condições de autonomia instalados em 60 suítes preparadas e adaptadas para acessibilidade de pessoas na terceira idade. A inauguração da morada vai possibilitar a abertura de 440 novas vagas nos albergues da prefeitura.

Os novos hóspedes do antigo hotel vão contar com um quadro de funcionários especializados em cuidar de idosos, bem como refeitório, lavanderia, espaço de convívio e atividades socioculturais, entre outros benefícios. Além disso, o Centro vai proporcionar atividades ocupacionais como, por exemplo, oficinas de trabalho de acordo com o interesse, temas e necessidades apontadas. Com estas ações, abre-se um caminho na vida do usuário para que ele construa e concretize um plano de vida, com vistas à autonomia pessoal e social.
O Centro de Acolhida Especial para Idosos Morada São João vai funcionar na Avenida São João, 1214, e atenderá 24h por dia.

Atenção à linguagem corporal para chegar aos bolsos do cliente

Por Marco Roza

O vendedor, geralmente, se concentra nos produtos que vende. Fala do sapato, que puxa o cinto e a bolsa. Faz tudo para vincular a atenção do seu cliente à qualidade e preço das mercadorias e evitar qualquer distração, até fechar a venda.

Mas, cada vez mais, o vendedor (ou a vendedora) deveria se concentrar no consumidor e tentar captar todos os sinais que lhe estão sendo repassados: a entonação da voz, a mão suada, os olhos atentos e brilhantes, a expressão facial sublinhando o diálogo.

Estes sinais é que dizem se uma compra amadurece e está prestes a ser confirmada. Não pela escolha do sapato, do cinto ou da bolsa, mas pela realização plena da emoção que aquele consumidor ou consumidora veio até a loja experimentar.

Porque nenhum cliente vai até a loja apenas para comprar, por exemplo, um par de sapatos, do qual ele já sabe, de antemão, a cor e o número. Ele (ou ela) poderia ter escolhido qualquer loja ou pedido a alguém para fazer a compra.

Mas ao escolher a loja e ter a sorte de interagir com um vendedor só dele, a situação se eleva para um outro nível. O consumidor quer, a partir daquele instante, confirmar as justificativas que ensaiou durante semanas e meses para decidir-se por aquele produto e pagar por ele, sem culpas.

Por isso, vai transformar o relacionamento com o vendedor num prêmio e sairá da loja com um par de sapatos acompanhado, talvez, de um cinto e de uma bolsa. E só o fará se realizar, plenamente, as emoções que veio buscar.

Este relacionamento terá mais sucesso se quem vende se entregar, de verdade, à experiência que o consumidor veio confirmar na loja. Por exemplo, o sapato é bom por causa do preço e do conforto ou do diferencial estético e de afirmação da auto-estima de quem o usa? Outro exemplo, o novo par de sapatos, diante do anterior ali à mostra, gasto e velho, talvez signifique uma nova etapa na vida do freguês, que criará novos caminhos, com firmeza e convicção.

Como passar o novo contexto emocional para o freguês? Basta que preste atenção à sua linguagem corporal e que faça o contraponto, como no balé ou no teatro, complementando movimentos, ênfases, euforias.

Se o consumidor perceber que o vendedor está em sintonia com sua emoção e, ao mesmo tempo se convencer que os dois estão fazendo a coisa certa, a compra, então, se concretiza. Senão, o cliente sai da loja e vai se emocionar em outra freguesia.

Mais detalhes em http://asrazoesdosconsumidores.blogspot.com/ ou com Carla Barbariz, no telefone 0800-11-1239 ou 01132995999