Nossos Vídeos

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Alimentação um direito inviolável

16 de outubro- Dia Mundial da Alimentação

“Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.” (Artigo XXV / Declaração Universal Dos Direitos Humanos)

Estatísticas da Fome

Há 800 milhões de pessoas desnutridas no mundo, um bilhão de pessoas passando fome, 30 mil crianças morrem de fome a cada dia, 15 milhões a cada ano, um terço das crianças dos países em desenvolvimento apresentam atraso no crescimento físico e intelectual, 1,3 bilhão de pessoas no mundo não dispõe de água potável, 40% das mulheres dos países em desenvolvimento são anêmicas e encontram-se abaixo do peso. Uma pessoa a cada sete padece fome no mundo. A cada dia 275 mil pessoas começam a passar fome ao redor do mundo. O Brasil é o 9º país com o maior numero de pessoas com fome, tem 15 milhões de crianças desnutridas. 45% de suas crianças, menores de cinco anos sofrem de anemia crônica.

O Brasil é o 5º país do mundo em extensão territorial, ocupando metade da área do continente sul-americano. Há cerca de 20 anos, aumentaram o fornecimento de energia elétrica e o número de estradas pavimentadas, além de um enorme crescimento industrial. Nada disso, entretanto, serviu para combater a pobreza, a má nutrição e as doenças endêmicas. Em 1987, no Brasil, quase 40% da população (50 milhões de pessoas) vivia em extrema pobreza. Nos dias de hoje, um terço da população ainda é mal nutrido, 9% das crianças morrem antes de completar um ano de vida e 37% do total são trabalhadores rurais sem-terras.

Enquanto o consumo diário médio de calorias no mundo desenvolvido é de 3.315 calorias por habitante, no restante do globo o consume médio é de 2.180 calorias diárias por habitante. Metade dos habitantes da Terra ingere uma quantidade de alimentos inferior às suas necessidades básicas. Cerca de um terço da população do mundo ingere 65% dos alimentos produzidos. A quarta edição do Inquérito Mundial sobre Agricultura e Alimentação, patrocinado pela ONU em 1974, concluiu: "Em termos mundiais, a quantidade de alimentos disponíveis é suficiente para proporcionar a todos uma dieta adequada".

O aumento dos preços dos alimentos fez o número de famintos no mundo crescer 40 milhões para 963 milhões de pessoas em 2008, ante o ano passado, de acordo com dados preliminares divulgados hoje pela ONU para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês). A entidade advertiu que a crise econômica mundial pode levar ainda mais pessoas a essa condição. Levando em conta dados do US Census Bureau, departamento de estatísticas do governo norte-americano, que contam a população mundial em 6,7 bilhões de pessoas, o número de famintos representa 14,3% do total.

Em 2007, no planeta havia 860 milhões de famintos; em janeiro de 2009 109 milhões mais. A metade da população africana subsahariana, por citar um exemplo dessa África crucificada, mal vive na extrema pobreza. A ladainha de violência e desgraças provocadas é interminável. No Congo há 30 mil meninos-soldados dispostos a matar e a morrer a troco de comida; 17% da floresta amazônica foram destruídos em cinco anos, entre 2000 e 2005; o gasto da América Latina e do Caribe em defesa cresceu um 91%, entre 2003 e 2008; uma dezena de empresas multinacionais controla o mercado de semente em todo o mundo. Os Objetivos do Milênio se evaporaram na retórica e em suas reuniões elitistas os países mais ricos dizem covardemente que não podem fazer mais para reverter o quadro.

“Quase cem mil mortes diárias no planeta se devem à fome. Dentre elas, 30 mil são de crianças com menos de cinco anos. Mais do que três torres gêmeas por dia que se desmoronam em silêncio, sem que ninguém chore ou construa monumentos”, declarou à swissinfo Carlos Alberto Libânio Christo, mais conhecido como Frei Betto.

Essas são algumas das estatísticas da fome que o mundo se acostumou a acompanhar de tempos em tempos. Todavia a fome segue matando de maneira endêmica em muitas regiões do globo.

Um mundo livre da fome

Nós, do Planeta Voluntários buscamos um mundo sem fome e desnutrição – um mundo no qual cada uma e todas as pessoas possam estar seguras de receber a comida que necessitam para estar bem nutridas e saudáveis. Nossa visão é a de um mundo que protege e trabalha para que haja assistência social e dignidade humana para todas os povos. Um mundo no qual cada criança pode crescer, aprender e florescer, e desenvolver-se como membro ativo da sociedade.

Por Marcio Demari
PLANETA VOLUNTÁRIOS
Porque ajudar faz bem !
http://www.planetavoluntarios.com.br
A maior Rede Social de Voluntários e ONGs do Brasil !!!

Leite Alimento Primordial

O leite como alimento remonta há mais de 220 milhões de anos quando na natureza a era dos dinossauros foi substituída pelo dos mamíferos ancestrais. O leite é um alimento fundamental para o fortalecimento e o desenvolvimento das espécies e cria o vínculo vital baseado na confiança e no amor, capaz de gerar cultura nas espécies mais evoluídas de mamíferos.
O consumo de leite de outros mamíferos como alimento de uso não exclusivo de suas crias é outro fato civilizatório importante da espécie humana e marca o início da atividade sedentária.

Relatos da utilização de leite como alimento são encontrados já na pré-história, como ilustrações encontradas na gruta de Lascaux, na França. Há trechos sobre o leite na Bíblia e na Odisséia de Homero. A Terra Prometida era o lugar onde escorriam leite e mel. Para o povo hebreu o leite era símbolo de fertilidade e para egípcios e gregos o leite tinha significado terapêutico.

Por estes exemplos percebe-se que o leite aparece de longa data como alimento primordial. No plano individual é a primeira experiência degustativa e a primeira relação com o mundo. No plano coletivo, confere aos mamíferos sua vantagem evolutiva ancestral, em cujo sucesso, os seres humanos são sua maior expressão.

Saúde - Leite alimento para a longevidade
A importância da alimentação na vida dos seres humanos nunca esteve tão presente agora que algo absolutamente novo está ocorrendo: a população viverá em médio o dobro do que vivia há pouco mais de 100 anos.

O leite original ou modificado, com todas suas propriedades nutricionais, tem todas as condições de continuar representando no futuro, tudo o que representou no passado. Primeiro por ser uma boa fonte de proteína; segundo por ser um importante fornecedor de vitaminas, especialmente A e D; é a melhor fonte de se obter cálcio, seja como leite puro ou em seus derivados. Justamente por ser fonte essencial de cálcio, o leite mais do que nunca repete o papel primordial que tem na infância ao garantir cálcio para um envelhecimento sadio e com menores riscos de doenças da terceira idade, como a osteoporose.

Os avanços tecnológicos têm permitido que o rico alimento leite se adapte às novas etapas de evolução dos humanos chegando em condições ideais de consumo para uma população urbana crescente, cada vez mais longe dos mamíferos que os alimenta.

Leite e suas diferenças
O leite materno é a primeira e mais preciosa fonte de nutrientes, indicado como fonte de alimentação preferencial para lactantes e crianças. A Organização Mundial de Saúde recomenda o aleitamento materno até o final do segundo ano de vida, devendo ser, se possível, até o quarto ou sexto mês a única fonte de alimento para lactantes.

Em complemento num primeiro momento e em substituição em fases posteriores, os seres humanos podem se alimentar de leite de outros mamíferos, sendo mais comuns: o leite de vaca, de cabra ou de ovelha. No Brasil, com a maciça presença da pecuária bovina, a maior fonte de leite para alimentação provém do leite de vacas.

Tipos
O leite de vaca pode se apresentar na forma de pó, fluído ou condensado.

A classificação e designação dos tipos de leite é determinada por normas do Ministério da Agricultura, que estabelece padrões de ordenha, transporte, beneficiamento e armazamento do leite, além de definir os padrões de análise, os critérios de aceitação de microorganismos e os métodos de ensaio para suas avaliações de cada tipo.

Leite em pó: o leite em pó tem sido largamente empregado em regiões onde não há produção local ou onde até poucas décadas não havia cadeia refrigerada de distribuição para o leite fluído. O leite em pó é leite tratado termicamente, desidratado e de boa qualidade microbiológica, desde que a água usada para sua reconstituição seja de boa qualidade e fervida.

Leite fluído: o leite fluido divide-se basicamente em três tipos: A B e C dependendo de como e quando o leite é ordenhado, transportado e beneficiado. Os leites fluídos A, B, ou C, podem ser integral, padronizado, semidesnatado ou desnatado de acordo com o teor de gordura presente no leite. O tipo integral tem o teor original de gordura, o padronizado tem 3% de gordura, o semi desnatado de 0,6 a 2,9% de gordura e o desnatado no máximo 0,5%.

Leite Condensado: leite ultrapasteurizado ou pasteurizado, desidratado parcialmente e com adição de açúcar. Pode ser reconstituído com água de boa qualidade e fervida ou usado condensado em preparações culinárias.

Classificação dos tipos de leite
Leite tipo A é um leite produzido, beneficiado e envasado na granja leiteira. Esse estabelecimento precisa ter área de ordenha em piso impermeável. As dependências para beneficiamento e envase devem ser contíguas à área de ordenha e o leite envasado deve ser imediatamente armazenado em câmara frigorífica. A sanidade do rebanho deve ser atestada por médico veterinário responsável. O leite deve ser pasteurizado antes de embalado.
O leite tipo A pode ser: integral, padronizado, semidesnatado e desnatado.

Leite tipo B é o leite ordenhado em propriedade rural produtora de leite e nela mantido por no máximo 48 horas em temperatura igual ou inferior a 4°C. Deve ser transportado para unidade de beneficiamento e envase em transporte refrigerado, apresentando no máximo no momento do recebimento 7°C. O leite deve ser pasteurizado antes de embalado. A sanidade do rebanho precisa ser atestada por médico veterinário responsável.

Pode ser comercializado como leite pasteurizado tipo B integral, padronizado, semi desnatado e desnatado.

Leite tipo C é o leite ordenhado em propriedade rural e entregue em posto de refrigeração ou em estabelecimento industrial adequado em temperatura ambiente até as 10h00 do dia de sua obtenção onde deve ser mantido em temperatura igual ou inferior a 4°C e envasado no máximo em até 12 horas após o recebimento.

Quanto aos tipos, pode ser leite C integral, padronizado, semidesnatado ou desnatado, conforme o conteúdo de gordura.

Tratamentos térmicos
Antes de envasado ou transformado em derivados, todo o leite deve ser tratado termicamente por pasteurização ou por ultra pasteurização com o objetivo básico de eliminar do leite microorganismos patogênicos que possam causar doenças graves em seres humanos.

Graças à descoberta da pasteurização pelo químico francês Pasteur, em 1864, o processamento de alimentos passou a ser seguro. Mas foram os alemães, no final do século XIX que iniciaram sua aplicação no leite. A pasteurização consiste no aquecimento do leite a 70 a 72 °C por 15 a 20 segundos.

Ao final da Segunda Guerra mundial surgiu a ultra pasteurização que permitiu aquecer o leite de 130°C a 150°C por 3 a 5 segundos, e possibilitou não só a eliminação dos microorganismos patogênicos, mas também diminuiu consideravelmente a presença de microorganismos que causam o azedamento do leite.

Após passar pelo processo de pasteurização ou ultra pasteurização, a embalagem em que o produto é armazenado determina o tempo e a qualidade em que o leite é mantido.

Assim basicamente temos leites pasteurizados que são embalados em garrafas especiais (em geral o tipo A) ou em sacos plásticos (em geral leite tipo B ou C) e leite ultra pasteurizado (ou longa vida), envasado em processo asséptico em embalagens cartonadas assépticas (caixinha longa vida).

Valores Nutricionais do Leite
O leite e seus derivados


Proteínas: o leite e seus derivados são ricos em proteínas, contendo todos os aminoácidos, inclusive aqueles que o organismo não consegue produzir e por isso precisam ser obtidos dos alimentos. Em muitas culturas, o leite e seus derivados são uma fonte complementar ou mesmo a fonte principal de suprimento de proteínas para a população em substituição à carne.

Cálcio: o leite e seus derivados são a maior fonte de cálcio, mineral essencial para a formação e manutenção dos ossos e dos dentes e para a manutenção da presença de cálcio no sangue. A falta de ingestão e assimilação de cálcio e sua consequente falta no sangue acaba obrigando o organismo a retirá-lo dos ossos, causando a osteoporose. A ingestão de 3 porções de leite ou derivados por dia garante o fornecimento de 60 a 100% das necessidades de cálcio, dependendo da fase da vida em que o indivíduo se encontra.

Vitaminas A e D: essas vitaminas são lipossolúveis, ou seja, são encontradas na gordura do leite. A vitamina A tem um importante papel no crescimento e desenvolvimento das crianças e são responsáveis por melhorar a resistência às doenças infecciosas. A vitamina D é essencial para a absorção do cálcio pelo organismo.

Outros micronutrientes: o leite é também fonte importante de potássio, selênio e vitaminas do complexo B.

Recomendações diárias
A necessidade de consumo de leite e derivados em uma dieta equilibrada varia de acordo com a faixa etária e o estilo de vida. Na infância, o consumo de lácteos cumpre importante papel na formação e desenvolvimento de ossos, dentes e cartilagens. Na adolescência, algumas pesquisas indicam que muitos adolescentes consomem menos de 2/3 das quantidades diárias recomendadas (RDA) de vitaminas A e C, cálcio e ferro. Na fase adulta, gestação, atividades físicas constantes e envelhecimento requerem observância no suprimento dos níveis de proteínas, vitaminas e minerais, do cálcio em particular. Osteoporose, anemia e manifestações clássicas de deficiência de vitaminas são constantes no histórico de idosos. Também nesta fase, o leite e seus derivados são fonte alimentar importante desses nutrientes.
*
Recomendações Diárias de Cálcio:
As novas recomendações (DRIs – Dietary Reference Intake) para a ingestão diária de cálcio, em dietas de 2.000 Kcal dia são:
1 a 3 anos 800 mg/ dia
4 a 8 anos 800 mg/dia
9 a 18 anos 1200 – 1500 mg/ dia
Adultos 1000 mg/dia
Adultos esportistas, gestantes e adultos da terceira idade necessitam 1200 mg/dia
A ingestão de 3 porções de lácteos por dia supre de 40 a 60% das necessidades diárias de cálcio.
Sobre o Sindleite

Filiado à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo/FIESP, o Sindleite em seus 74 anos de existência, vem trabalhando em prol da indústria paulista de laticínios, implementando metas e mudanças necessárias ao crescimento do setor, interagindo com o Estado e órgãos técnicos visando o crescimento e melhoria do segmento de laticínios.

A Entidade tem entre seus objetivos otimizar ações para o aprimoramento do setor, apoiar a indústria do segmento, desenvolver um canal de comunicação com as autoridades e instituições, visando sempre à melhoria da produtividade e a divulgação de informações relevantes sobre assuntos de sua atuação.

Através dessas ações, o Sindleite se tornou referência para o setor no país, auxiliando a indústria paulista em suas necessidades de definições de parâmetros econômicos financeiros,
na defesa de legislações tributárias justas, no desenvolvimento de negociações produtivas entre o sindicato patronal e os sindicatos dos empregados, no desenvolvimento de práticas industriais evolutivas e na colaboração com as autoridades para o estabelecimento de gestão ambientalmente amigável.

Dicas para a criançada iniciar no esporte com João Pedro Correa

O jovem kartista João Pedro Correa da categoria MIRIM, dá dicas para os pequenos que tem paixão por velocidade

*
Com apenas 8 anos, João Pedro Correa compete na Copa São Paulo de Kart Granja Viana. Há 2 anos, competindo profissionalmente, o garoto coleciona troféus e fala da paixão pelo o esporte com alma de campeão.
Acelerar nas pistas é sem dúvida o sonho de muitas crianças e há tempos deixou de ser um privilégio apenas dos adultos. Seja por hobby, como amador ou profissional é um esporte que estimula os pequenos a encarar os desafios. Fora das pistas João Pedro coleciona dicas de pilotos como Felipe Massa e Rubens Barrichelo, ambos ex-kartistas.
Para iniciar no Kart a criança precisa ter entre 6 e 12 anos e altura mínima de 1,18cm e máxima de 1,45 cm. No início os pequenos devem buscar um kartódromo que incentive aulas teóricas e práticas.
João Pedro Correa, diz que a primeira lição a aprender é sobre a história do kart e a sinalização e depois técnicas de pilotagem. “Eu aprendi como frear o carro, como virar na curva e ultrapassar também. Além disso, aprendi que correr só é bom na pista. Na rua não pode correr, tem que respeitar o farol”, conta.
Entender como funciona o motor é outra dica muito importante para se manter entre os primeiros. “O Pujol (Alexandre Pujol, assistente técnico) me explica sobre o motor, assim fica mais fácil para entender o que devo fazer na corrida”, reforça o pequeno.
Outra dica de JP, como é chamado, é sobre equipamentos de segurança. “Para me proteger uso capacete, macacão e todos equipamentos. Já bati uma vez, mas não machuquei muito, só um pouco e a ambulância me ajudou. Só não machuquei mais porque usei tudo direitinho”, explica.
Tanta paixão pelo esporte não diminui a empolgação de João Pedro pelos estudos, brincadeiras com os amigos e o carinho pelos animais de estimação. “Gosto muito de estudar, acho importante ir à escola. Adoro jogos eletrônicos e coleciono figurinhas do Gogo´S também. Tenho dois gatos e uma cachorrinha, brinco com eles todos os dias”, conclui o jovem.
João Pedro Correa treina no Kartódromo Internacional da Granja Viana http://www.kartodromogranjaviana.com.br/

Sobre João Pedro Correa:
João Pedro Correa, de 8 anos de idade compete pela categoria mirim de Kart há 2 anos. Atualmente JP como é chamado, é o líder da Copa São Paulo de Kart da Granja Viana. O campeonato é reconhecido pela CBA - Confederação Brasileira de Automobilismo - e pela CNK - Confederação Nacional de Kart. Simultaneamente participa do Campeonato Paulista de Kart no autódromo de Interlagos e Campeonato Brasileiro. Tanta dedicação à velocidade lhe rendeu o título do Torneio Dolly Guaraná em 2008 e a 11º posição no Ranking nacional de pilotos, que compreende mais de 50 em todo o Brasil. Como patrocinador tem o apoio do Grupo Blinder e assessoria técnica de Alexandre Pujol.

3ª Edição Café da Manhã com a Melhor Idade no Clube Escola Parque do Carmo

Apesar da chuva e do tempo frio, aproximadamente 60 vovós se reuniram no dia 8/10, às 9h, para participar da 3ª edição do Café da Manhã com a Melhor Idade, no Clube Escola Parque do Carmo (antigo Rumi de Ranieri). O evento acontece todos os meses e tem feito muito sucesso entre a turma da terceira idade.

O Café da Manhã foi criado com o objetivo de promover momentos de confraternização, além de atrair novos alunos e informá-los sobre as atividades realizadas no Clube. “Começou com 30 pessoas; no mês passado chegou a 80 alunos e, no que depender de nós, faremos esse café por mais 20 anos”, afirma Gilberto Aníbal Pacheco, 54, administrador do espaço.

A nova administração do Clube Escola Parque do Carmo tem se empenhado em cuidar não só do físico, mas também da alegria dos idosos, que, por sua vez, têm muita energia concentrada. Os encontros acontecem todas as terças e quintas. “Às sete horas da manhã eles já estão em plena atividade”, explica Neli Maria C. Zanini, 50, professora do clube há 25 anos, sobre a jornada dos “atletas”, composta de caminhada, ginástica localizada e uma ginástica terapêutica chinesa chamada Lian Cong, ministrada pela Iistrutora Maria Cecília de Almeida, que utiliza 54 movimentos para fazer com que todos os músculos do corpo sejam alongados. “Além dos exercícios, organizamos eventos como passeios e bailes para divertir os freqüentadores do clube”, concluiu.

“Eu adoro esse clube! Aqui eu me sinto muito bem, gosto muito das professoras, elas são nossas amigas, tem união, a gente se tornou uma família”, diz Alvina Pereira de Jesus, 71, aposentada, freqüentadora do clube há 2 anos.

O Clube Escola Parque do Carmo, há pouco tempo reformado, possui uma excelente estrutura. Dentre os equipamentos existentes podem ser encontrados: duas piscinas, duas quadras esportivas, um campo de futebol, uma pista de malha e um salão para a ginástica e aulas de dança. O Clube fica na Av. Afonso Sampaio e Souza, nº 2001 e funciona diariamente das 8h às 17h.

SETOR LEITEIRO APRESENTA CRESCIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Segundo dados do Sindleite, em 2008, a produção leiteira no estado de São Paulo cresceu cerca de 3,1% em relação a 2007. Este crescimento vem sendo contínuo nos últimos dois anos, uma vez que os números apurados mostram que o setor fechou 2007 com o crescimento de 5,3% em relação a 2006, totalizando um crescimento acumulado de 8,5% na produção de leite neste período.

Para 2009 a perspectiva continua sendo de crescimento. Segundo dados preliminares obtidos pelo Sindleite esse número não deve ser inferior ao 3,1% obtido no ano passado. Dentre esses dados vale ressaltar que o estado de São Paulo é responsável por cerca de 12% da produção do país, produzindo por mês perto de 200 milhões de litros de leite. As principais bacias leiteiras do estado que encontram-se nas regiões de São José do Rio Preto, Vale do Paraíba e Ribeirão Preto.
Vários fatores contribuíram para este bom desempenho do setor leiteiro. A principal é o esforço dos governos recentes do Estado de São Paulo que têm tomado medidas para estimular a produção de leite na região, atendendo à reinvidicações do setor através de suas entidades representativas, especialmente pela atuação do Sindleite.

Recentemente, o Sindleite obteve a concessão de crédito outorgado de ICMS para o leite produzido no Estado de São Paulo, visando dar à produção paulista maior competitividade.

Para Carlos Humberto Mendes de Carvalho, presidente do Sindleite São Paulo, “a sensibilização das autoridades estaduais e federais para as necessidades da indústria paulista de lácteos tem se mostrado eficaz para produzir resultados expressivos no crescimento da indústria de leite no Estado e para permitir a disseminação de boas práticas na produção leiteira, garantindo a obtenção de um produto de melhor qualidade. A indústria láctea paulista quer aumentar sua participação nesse novo momento em que o setor lácteo observa um aumento no consumo interno e se apresenta como uma nova frente no agrobusiness para exportação.”

Sobre o Sindleite

Filiado à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo/FIESP, o Sindleite em seus 74 anos de existência, vem trabalhando em prol da indústria paulista de laticínios, implementando metas e mudanças necessárias ao crescimento do setor, interagindo com o Estado e órgãos técnicos visando o crescimento e melhoria do segmento de laticínios.

A Entidade tem entre seus objetivos otimizar ações para o aprimoramento do setor, apoiar a indústria do segmento, desenvolver um canal de comunicação com as autoridades e instituições, visando sempre à melhoria da produtividade e a divulgação de informações relevantes sobre assuntos de sua atuação.

Através dessas ações, o Sindleite se tornou referência para o setor no país, auxiliando a indústria paulista em suas necessidades de definições de parâmetros econômicos financeiros, na defesa de legislações tributárias justas, no desenvolvimento de negociações produtivas entre o sindicato patronal e os sindicatos dos empregados, no desenvolvimento de práticas industriais evolutivas e na colaboração com as autoridades para o estabelecimento de gestão ambientalmente amigável.

Homens aderem às novas técnicas de cirurgia plástica estética

Os benefícios das cirurgias plásticas já conquistaram os homens. O aumento da expectativa de vida ativa, a jovialidade, casamentos com pessoas mais jovens, a exigência de um aspecto saudável presente no mercado de trabalho. Os motivos são vários, mas a verdade é que os consultórios recebem cada vez mais pacientes do sexo masculino. Essa estatística é confirmada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, a tendência vem desde 2004, quando os homens já haviam alcançado a proporção atual. Naquele ano, foram realizadas 616.287 cirurgias, 31% em homens, ou seja, 191.060 procedimentos. Hoje, a média de cirurgias plásticas continua ultrapassando a marca de meio milhão por ano – e não pára de crescer.

Em sua clínica, na Vila Madalena, em São Paulo, o cirurgião plástico Mario Warde, membro titular da SBCP, com mestrado pela Unifesp e doutorando pela USP, diz que o objetivo de seus clientes é deixar o corpo de acordo com o estado de espírito e o estilo de vida. O cirurgião, aponta três fatores, entre os que mais contribuíram para que os homens se aproximem do bisturi, em busca de rejuvenescimento e boa forma física:

1. a imagem do homem bonito e bem cuidado já não esta mais vinculada a sua orientação sexual, o que limitava os "machões" de se cuidarem;
2. técnicas menos agressivas, fazendo com que o pós operatório seja mais curto;
3. influência da mídia.

Serviço:
Clínica Mario Warde Cirurgia Plástica & Contorno Corporal
Tel: (11) 3031-3636
http://www.clinicamariowarde.com.br/

Sobre Mário Warde:
Cirurgião plástico membro titular da SBCP, com mestrado pela Unifesp e doutorando pela USP.