Nossos Vídeos

sexta-feira, 23 de abril de 2010

BAIXA OFERTA DE IMÓVEIS FAZ O PREÇO DO ALUGUEL DISPARAR

Nos últimos 12 meses, o aumento acumulado foi de 10,02%


Devido a escassez de oferta de imóveis, o preço do aluguel tem sofrido sucessivas altas este ano. O valor do aluguel dos contratos novos residenciais subiu 10,02% no acumulado dos últimos 12 meses na capital paulista. O percentual é quatro vezes maior do que a variação de 1,94% do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) no período, utilizado como base de reajuste de 90% dos contratos antigos.

Com o aumento, um imóvel que podia ser alugado por R$ 1.000 há um ano, passou a ser oferecido no mercado por R$ 1.100 em março. Já os contratos de inquilinos com aniversário em março e com correção pelo IGP-M passaram para R$ 1.019,40, diferença de R$ 80,60. O levantamento do Secovi (Sindicato da Habitação) de São Paulo foi obtido pela Folha.

Na comparação mensal, houve variação de 2% ante fevereiro, a maior desde julho de 2008. O vice-presidente de gestão patrimonial e locação do Secovi, Francisco Crestana, destaca que a recuperação da renda com aluguéis vem ocorrendo nos últimos anos após uma década de estagnação. "Um dos principais fatores para o aumento dos preços é a baixa oferta de imóveis. Por muitos anos, os proprietários foram desestimulados a colocar as unidades no mercado e muitos preferiram deixar eles fechados".

Segundo a Administradora e Imobiliária ORG, com as recentes mudanças na Lei do Inquilinato, espera-se que os donos de imóveis voltem a alugar, o que poderá fazer com que esses aumentos desacelerem. "Além disso, há unidades que estão em construção e que também poderão ser oferecidas para locação", afirma João Carlos Jimenez, dirigente da ORG.



No mês passado, o fiador foi a garantia utilizada em metade dos contratos de imóveis analisados na capital, seguido pelo depósito em dinheiro ou caução (30%) e pelo seguro-fiança (20%). A pesquisa do Secovi mostrou também que casas e sobrados demoraram entre 10 e 27 dias para serem alugados, enquanto os apartamentos, de 16 a 34.

Embora o momento econômico seja favorável ao setor, com o aumento da renda da população e do consumo, esse cenário está ocorrendo, porque o mercado de locação, ao contrário do de vendas, passa por um período em que as unidades disponíveis não são capazes de atender a demanda.

Pode-se observar o reflexo do aumento da renda na demanda por locação. Nas áreas periféricas houve redução de preços, enquanto que nas áreas centrais notou-se um aumento.

"Há quatro ou cinco anos atrás havia imóveis sobrando, hoje há dinheiro e demanda, mas o mercado não expande por falta de unidades. Essa situação é devido a fatores, como a migração de pessoas das regiões periféricas para as áreas centrais e famílias que moravam em uma só residência e agora estão conseguindo separar os lares", justifica João Carlos.

A escassez de oferta de imóveis não está relacionada apenas ao aumento da procura, mas também a baixa produção de imóveis para o perfil de renda baixa. Nos últimos anos, a oferta de imóveis novos de um ou dois dormitórios, a mais procurada por essa fatia da população foi muito tímida.

Outro ponto importante para Horta é que não falta habitação para quem tem milhões para gastar, mas a queda na procura fez com que as construtoras desacelerassem o ritmo de projetos para a classe A e se voltassem para os imóveis de dois dormitórios. "Por mais que o boom imobiliário esteja se recuperando, o grosso das vendas de imóveis é de unidades ainda em construção, o que poderá levar algum tempo até ficarem prontas", conclui o diretor da ORG.

Mais Informações:

Administradora e Imobiliária ORG
Endereço: Rua Monte D'Ouro, 48 - Tucuruvi - SP.
Tel.: (11) 2832 5454
Site: www.imobiliariaorg.com.br
Email: 50anos@imobiliariaorg.com.br

Um comentário:

  1. A falta de imóveis para alugar deve ser uma situação muito difícil de sobrelevar.
    Por boa sorte, quando viajei para a Argentina não teve esse problema.
    Encontrei um aluguel apartamentos Buenos Aires sem nenhum problema.

    ResponderExcluir

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.

google.com, pub-9993468695929690, DIRECT, f08c47fec0942fa0