Nossos Vídeos

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Mitos e verdades sobre a maionese

Especialistas analisam os benefícios e as diferenças entre o produto caseiro e o industrializado


Presente por muitos anos na lista dos vilões da saúde, a maionese - ao contrário do que muitas pessoas imaginam - pode, sim, fazer parte de uma alimentação saudável. Da maneira como é fabricada pela indústria atualmente, possui ingredientes naturais e é fonte de gorduras boas, vindas do óleo vegetal e essenciais para o bom funcionamento do organismo.

"O mito de que a maionese é prejudicial à saúde está certamente associado à maionese caseira", esclarece o Dr. Durval Ribas Filho, médico nutrólogo e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). O especialista explica que a receita feita em casa é preparada com uma quantidade maior de ovos e óleo, e apresenta mais calorias e colesterol. Além disso, como é feita com ovos crus, favorece a contaminação pela bactéria salmonela.

A maionese industrial é fabricada com óleos vegetais, água, ovos, limão ou vinagre, e contém gorduras de boa qualidade, poliinsaturadas e monoinsaturadas, além de ácidos graxos essenciais, como o ômega 3 e ômega 6. Para o Dr. Valter Makoto Nakagawa, médico nutrólogo e vice-presidente da Abran, nos últimos anos a indústria tem reduzido a quantidade de óleo e de ovos, propiciando teores de gordura e colesterol muito inferiores aos da maionese caseira.

"O benefício da maionese está relacionado aos benefícios do consumo de gorduras consideradas boas para o organismo. Neste caso, a substituição de fontes de gorduras saturadas e colesterol, presentes em alguns alimentos, pelas gorduras boas da maionese industrializada é uma boa opção para a saúde", aponta o Dr. Makoto.

Maionese nas dietas alimentares

O médico nutrólogo Dr. Luiz Roberto Queroz, diretor da Abran, considera que, de maneira geral, a maionese produzida pela indústria pode fazer parte de qualquer dieta, mesmo aquelas cujo objetivo é perder peso, pois é um alimento de baixo valor calórico. "Para as pessoas com dietas mais restritivas, é mais indicado o consumo de maioneses light, presentes atualmente no mercado", comenta o especialista. Ele completa que, como qualquer outro alimento, ela deve ser consumida com moderação.

Atenção à conservação

A maionese industrializada não deve ser consumida fora do prazo de validade. "Apesar de ser mais segura que a maionese caseira, o consumo após a manipulação e aplicação em receitas deve ser realizado no mesmo dia", alerta o Dr. Ribas. "É preciso ficar atento ao prazo de validade, que geralmente é de seis meses", conclui.

O que mito e que é verdade sobre a maionese:


Mito: Maionese industrializada é melhor do que a caseira Maionese industrializada utiliza cada vez menos ovos e óleo em sua composição, e é menos suscetível à ocorrência da bactéria salmonela
Verdade: Maionese caseira tem menos calorias que a industrializada Na verdade, é o contrário: por utilizar mais óleo e ovos, as versões caseiras são muito mais calóricas do que as industrializadas

Mito: Maionese estraga fora da geladeira
Verdade: Como a maionese caseira é feita com ovos crus, o correto é guardar a maionese na geladeira, onde há menos riscos de ocorrência da salmonela, e devem ser consumidas preferencialmente no mesmo dia. Maioneses industrializadas também devem ser conservadas em geladeira, respeitando-se as orientações de validade do fabricante.

Mito: Maionese é prejudicial à saúde
Verdade: Essa ideia está provavelmente relacionada à maionese caseira, que contém mais calorias, gorduras e colesterol. Entretanto, as versões industrializadas são fonte de gorduras boas e têm baixo valor calórico.

Mito: Maionese engorda
Verdade: Atualmente, as maioneses industrializadas já apresentam valor calórico muito baixo - menor que o da manteiga, margarina vegetal, requeijão ou azeite, por exemplo. Mas é recomendável seu consumo com moderação, como qualquer outro alimento.


Sobre a ABRAN

A ABRAN é uma entidade médica científica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina. Fundada em 1973, dedica-se ao estudo de nutrientes dos alimentos, decisivos na prevenção, no diagnóstico e no tratamento da maior parte das doenças que afetam o ser humano, a maior parte de origem nutricional. Reúne 3.200 associados, entre médicos nutrólogos, cientistas, pesquisadores e profissionais na área de nutrição, que atuam no desenvolvimento e atualização científica em prol do bem estar nutricional, físico, social e mental da população.

Para contribuir ainda mais com a manutenção da saúde da sociedade brasileira, a Associação criou o Selo de Aprovação ABRAN, que atende às exigências do consumidor com relação à qualidade e segurança dos alimentos. Somente recebem o Selo de Aprovação ABRAN produtos que foram submetidos a critérios rigorosos de aprovação, encontrando-se de acordo com protocolos estabelecidos pelo Ministério da Saúde e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Ministério de Estado da Agricultura.

*
*
*
Publicidade
Preços e estoque por tempo limitado:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui você poderá fazer suas denúncias e comentários.
Se você recebeu algum comentário indevido. Utilize-se deste canal para sua defesa.
Não excluiremos os comentários aqui relacionados.
Não serão aceitos comentários com palavras de baixo calão ou denúncias infundadas. Aponte provas caso queira efetuar suas denúncias, caso contrário, seu comentário será removido.